Menu
2019-04-04T14:19:18-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Primeiro grande banco a soltar balanço

Itaú tem lucro bilionário, mas números ficam um pouco abaixo do esperado

Lucro líquido recorrente ficou em R$ 6,454 bilhões no terceiro trimestre, alta de 3,2% em relação ao mesmo período de 2017

29 de outubro de 2018
20:42 - atualizado às 14:19
itau
Itaú - Imagem: Shutterstock

O Itaú Unibanco foi o primeiro grande banco brasileiro a divulgar seus números do 3º trimestre de 2018. A instituição teve um lucro líquido recorrente de R$ 6,454 bilhões no período, número que representa uma alta de 3,2% na comparação com o mesmo intervalo de 2017 (quando o lucro foi de R$ 6,254 bilhões).

O resultado ficou um pouco abaixo da estimativa de analistas consultados pela Bloomberg, que previam lucro de R$ 6,51 bilhões no trimestre. Já em relação aos três meses imediatamente anteriores, quando o resultado foi de R$ 6,382 bilhões, houve aumento de 1,1%.

Segundo o balanço divulgado nesta segunda-feira, 29, o desempenho do banco foi influenciado por um menor custo do crédito e pelo crescimento da margem financeira com clientes. No lucro atribuível aos acionistas controladores (IFRS), o resultado foi de R$ 6,126 bilhões de julho a setembro, com leve alta de 1,34% ante igual período do ano passado.

Em contrapartida, os efeitos positivos que beneficiaram o desempenho do banco no período foram parcialmente compensados por maiores despesas não decorrentes de juros em meio ao reforço que a instituição fez de suas equipes comerciais, em especial na rede de agências, seguros e adquirência. Houve também, conforme o banco, o impacto sazonal do acordo coletivo, além do efeito da variação cambial nas despesas na América Latina.

Carteira de crédito em alta

A carteira de crédito total ajustada do Itaú encerrou setembro em R$ 636,4 bilhões, aumento de 2,1% ante junho, quando ficou em R$ 623,3 bilhões. Em um ano, quando a cifra foi de R$ 575,2 bilhões, foi visto aumento de 10,6%.

Em nota à imprensa, o presidente do Itaú, Candido Bracher, afirma que a instituição segue observando uma "demanda saudável" por crédito tanto de pessoas físicas quanto de micro, pequenas e médias empresas. "Nesse terceiro trimestre de 2018, concedemos 38% mais créditos para pessoas físicas e 22% mais créditos para micro, pequenas e médias empresas no Brasil em relação ao mesmo período de 2017”, diz o executivo, que acrescenta: "A melhoria dos indicadores de inadimplência dessas carteiras ao longo do ano tem evidenciado a qualidade dessa originação de crédito".

Os ativos totais do Itaú alcançaram R$ 1,613 trilhão no terceiro trimestre, aumento de 10,0% em um ano, de R$ 1,466 trilhão. Em relação aos três meses anteriores, de R$ 1,543 trilhão, foi vista elevação de 4,6%.

O patrimônio líquido do banco somou R$ 125,035 bilhões de julho a setembro, incremento de 1,1% em um ano, de R$ 123,631 bilhões. No comparativo trimestral, quando ficou em R$ 121,758 bilhões, a alta foi de 2,7%. Já o retorno recorrente sobre o patrimônio líquido médio anualizado (ROE) do Itaú ficou em 21,3% ao fim de setembro, contra 21,6% ao término de junho e 21,6% um ano antes.

Resultado líquido e recorrente

O Itaú publicou ainda lucro líquido contábil de R$ 6,247 bilhões no terceiro trimestre, expansão de 2,80% ante um ano, de R$ 6,077 bilhões. Em relação aos três meses anteriores, de R$ 6,244 bilhões, a cifra ficou praticamente estável.

As principais diferenças entre o lucro líquido e o resultado recorrente no terceiro trimestre, conforme explica o banco em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, foram, dentre outros motivos, R$ 206 milhões de efeito de amortização de ágio.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

novata na bolsa

HBR Realty sobe mais de 1% em primeiro dia na B3

Empresa, que atua no segmento de desenvolvimento e administração de propriedades, optou por formato diferente de IPO

em evento

BNDES diz que seguirá firme na estratégia de vender participação acionária

Segundo Montezano, a estratégia de desinvestimentos passa por se desfazer de participações acionárias em “empresas maduras”, como “Petrobras, Vale, Suzano, Klabin e AES Tietê”

futuro da companhia

Vaga na Eletrobras abre disputa no governo e pode definir futuro da estatal

Enquanto a área econômica do governo quer encontrar um executivo à altura de Ferreira Júnior, que acredite na capitalização da companhia, o mundo político aposta no ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque

economia circular

Enjoei planeja ampliar acordos com grandes marcas, diz CEO

Empresa, que já tem parceira com a C&A, quer tornar a experiência de compra e venda de itens usados “menos pensada”; papéis já subiram 60% desde IPO

executivo dos sonhos

Otimismo toma conta de investidores da BR Distribuidora com chegada de ex-CEO da Eletrobras

Trabalho feito pelo executivo na Eletrobras anima investidor quanto às perspectivas futuras da distribuidora de combustíveis

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies