Menu
2018-10-02T10:11:07-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Tesouro Direto

Alta da Selic abre oportunidades no Tesouro Direito

BC já alertou sobre possibilidade de aumento da taxa básica de juros, hoje em 6,5%. Veja as melhores estratégias para ganhar dinheiro diante dessa perspectiva.

30 de setembro de 2018
7:06 - atualizado às 10:11

O Banco Central (BC) já avisou que pode subir o juro a depender do resultado das eleições. Não é o fim do mundo, pois ninguém está esperando a volta da Selic de dois dígitos. Mesmo assim, a virada traz oportunidades para quem investe no Tesouro Direto.

Para quem tem perfil mais conservador e prefere não arriscar diante da real possibilidade de alta do juro e incerteza eleitoral, a saída mais óbvia, segundo o especialista em finanças pessoais da Modalmais, Conrado Navarro, é o Tesouro Selic (LFT). O papel permite “pegar” todo o movimento de alta da taxa básica de juros, hoje fixada em 6,5% ao ano, sua mínima histórica.

A mesma recomendação vem do especialista em investimentos do Banco Ourinvest e fundador da Academia do Dinheiro, Mauro Calil. Ele recomenda apenas exposição ao Tesouro Selic (LFT). Segundo Calil, os ativos prefixados perdem atratividade nesse cenário e aqueles atrelados à inflação também.

Esse movimento já começou. Em agosto, o balanço do Tesouro Direto mostrou firme demanda por LFT.

Mas para o investidor de perfil mais arrojado também há oportunidades tanto em papéis prefixados como nos ativos atrelados à inflação. A questão aqui é ter ciência de que operação pode não oferecer liquidez imediata.

“Existem boas oportunidades em todos os cenários que se olha para o Tesouro Direto”, diz Navarro, afirmando que o investidor não pode ignorar as taxas praticadas atualmente.

6% mais inflação

O especialista da Modalmais chama atenção para as taxas prefixadas dos papeis Tesouro IPCA (Notas do Tesouro Nacional Série B - NTN-B) com vencimento em 2024 em diante, que estão pagando cerca de 6% mais a inflação. Para Navarro, assim que tivermos uma definição mais clara sobre o novo presidente e sua equipe econômica a tendência é de redução dessas taxas.

“Acredito que o investidor pode assegurar uma taxa muito importante, que pode não existir mais”, diz Navarro, lembrando que na eleição de 2014, movimento semelhante foi visto, com taxas subindo a 7% e depois apresentado recuo.

O diretor de investimentos da Rosenberg Asset Management, Eric Hatisuka, tem tese semelhante. Para o diretor, o BC fará mais uma correção da taxa Selic do que um ciclo de alta propriamente dito.

Para o diretor, o BC pode acomodar a inflação ao redor da meta garantindo um alívio para a atividade em função da recessão dos últimos dois anos e do fraco crescimento de 2018.

Perspectiva de valorização para resgate antecipado

Segundo Hatisuka, esse aceno de compromisso do BC com a meta de inflação nos próximos anos é algo bastante positivo para os papeis Tesouro IPCA, de prazo mais longo, de 2035 para frente.

Para o diretor, a parte prefixada desses títulos, que opera próximo dos 6%, oferece uma oportunidade de ganho. A ideia é que o prêmio de risco exigido em função das recentes turbulências eleitorais não seria apropriado. Então, essa taxa teria espaço para voltar a patamares ao redor de 4,5% a 5%.

Um “fechamento” de taxa dessa magnitude pode resultar em valorização superior a 20% no preço do título. A ideia aqui não é carregar o papel até o vencimento, mas por cerca de 12 meses ou um pouco mais.

“O Brasil dá susto suficiente para o longo prazo se renovar a cada 12 meses”, diz Hatisuka.

Nesse caso, alerta o especialista, o investidor tem de entender seu perfil de riso e saber que os recursos aportados nessa estratégia terão de ficar, pelo menos, 12 meses “parados” ali.

Navarro acredita que a entrada nas NTN-Bs pode ser um “trunfo” na mão do investidor. Além dessa possibilidade de valorização do preço do título antes do vencimento, se as coisas derem erradas após o período eleitoral, o investidor tem a opção carregar o papel até o vencimento, pois as taxas pactuadas “são boas”.

Navarro também acredita que algumas taxas dos papéis prefixados, próximas a 11%, não podem ser deixadas de lado. É quase o dobro da Selic atual, de 6,5%. Mas, nesse caso, o investidor tem de estar ciente do risco de que num quadro extremo a Selic pode ir acima disso.

Se apareceu alguma dúvida sobre comprar os títulos, a colega Julia Wiltgen explicada aqui como fazer.

Outras oportunidades

O especialista da Modalmais também acredita que há boas oportunidades no mercado de títulos privado. Mas, novamente, a operação tem de estar de acordo com perfil de risco do investidor e com prazo que ele pode dispor dos recursos.

Navarro afirma que há ativos de bancos pequenos ou médios com taxas superiores que às ofertadas pelo Tesouro e com garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). “Fica uma boa alternativa para diversificar e assegurar taxa ainda melhor”, explica.

Uma busca nas plataformas de investimento mostra ativos prefixados com taxas superiores a 12,5% e outros ativos que pagam IPCA e até 7,5% ao ano.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

De volta para o futuro

Quando escrevi aqui na newsletter que não é possível prever o futuro, um leitor me corrigiu. Em alguns casos podemos sim antecipar com razoável grau de precisão o que vai acontecer: que o diga a previsão do tempo. Ele tem razão, mas a mesma premissa válida para a meteorologia não se aplica ao mercado financeiro. […]

Bolsa forte

Otimismo externo se sobrepõe à hesitação local e Ibovespa sobe 2,58% na semana

Apesar do viés “misto” dos mais recentes dados da atividade doméstica, o otimismo em relação ao acordo EUA-China e a força mostrada pela economia chinesa sustentaram o bom desempenho do Ibovespa

É HORA DE TER CALMA

Estágio atual recomenda cautela na política monetária, repete presidente do BC

Esta avaliação já constou nos documentos mais recentes do BC, inclusive na comunicação de dezembro do colegiado, quando a Selic (a taxa básica de juros) recuou de 5,00% para 4,50% ao ano

O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A economia brasileira no centro das atenções

A equipe do Seu Dinheiro comenta as principais notícias da semana

Eleições

Lula já descarta candidatura de Haddad em SP

A escolha do candidato está marcada para o dia 15 de março. O ex-presidente quer uma definição antes desse prazo

Gestora estrelada

SPX espera alta da Selic ainda neste ano e segue comprada em dólar

Para a gestora fundada por Rogério Xavier, que possui R$ 40 bilhões sob gestão, o país saiu da beira do abismo com aprovação da reforma da Previdência e deve crescer 2,5% neste ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements