Menu
2019-04-04T14:42:26-03:00
Estadão Conteúdo
Plataformas digitais em alta

Robôs de investimento chamam a atenção do mercado, mas poucos sabem como eles funcionam

Plataformas montam portfólios com produtos de renda fixa e variável de acordo com o perfil do investidor

19 de novembro de 2018
14:53 - atualizado às 14:42
robôs-investimentos
Robô de investimento tem como alvo, em geral, investidores de menor porte - Imagem: Shutterstock

Os robôs de investimento têm ganhado espaço nos últimos tempos - mas, embora despertem interesse, pouca gente entende como eles funcionam. Segundo pesquisa da gestora Legg Mason, mais da metade (52%) dos investidores brasileiros pretende aplicar via robôs nos próximos cinco anos. No entanto, só 23% estão bem familiarizados com o conceito - e um terço não faz ideia de como operam os robôs.

Criados por fintechs, os robôs de investimento são plataformas que montam, de forma automatizada, portfólios com produtos de renda fixa e variável de acordo com o perfil do investidor - a custos, em geral, bem mais baixos que as taxas cobradas do aplicador de pequeno porte.

No levantamento da Legg Mason, realizado em 17 países, o interesse dos brasileiros em delegar carteiras a algoritmos ficou bem acima da média global, de 37%. A gestora ouviu mil investidores brasileiros comprometidos a investir ao menos R$ 50 mil nos próximos 12 meses.

"O robô ainda não é uma coisa tão difundida nem aqui e nem no resto do mundo", diz Roberto Teperman, diretor de vendas da Legg Mason. "O brasileiro gosta de aderir à tecnologia, mas é um processo."

Ele também observa que esse tipo de investimento tem como alvo, em geral, investidores de menor porte.

Para Luciano Tavares fundador da plataforma Magnetis, além do fator novidade, o desconhecimento ainda está muito atrelado à falta de informação financeira. "Não à toa que a principal modalidade de investimento é a poupança, e o Tesouro Direto, apesar do crescimento, ainda é pouco conhecido."

Ele pontua também que os algoritmos não "trabalham sozinhos". "Há uma equipe por trás, para ajudar e tirar dúvidas."

Já o Warren quer se desvincular da imagem de robô e ser visto como uma "corretora 100% focada no cliente", diz o sócio-fundador Tito Gusmão. Para estreitar o "elo humano", a empresa vai, nos próximos dias, permitir que planejadores financeiros se conectem à plataforma. Mas, diferentemente de agentes autônomos, que recebem comissões sobre os produtos vendidos, será cobrada uma taxa fixa sobre o patrimônio do aplicador, para não haver conflito de interesses.

Também nessa onda, a Monetus lançou há três meses uma assessoria financeira, que custa de R$ 1 mil a R$ 4 mil por ano. "Qualquer cliente pode tirar dúvidas e ser atendido gratuitamente. Mas, quem quiser um planejamento completo pode aderir a esse serviço", diz o sócio Daniel Calonge.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

pandemia

Covid-19: número de mortes sobe para 361,8 mil no Brasil

Nas últimas 24 horas, foram registradas mais 3.459 mortes no país

seu dinheiro na sua noite

Petróleo, minério e tudo que há de bom

Entre o fantasma do Orçamento com pedaladas, a besta da PEC “fura-teto”, o gigante da CPI da Covid e o monstro da pandemia, o Ibovespa conseguiu hoje engatar a terceira alta seguida e fechar acima dos simbólicos 120 mil pontos, marca que o índice não via desde fevereiro. Mas como pode? Bem, mais uma vez […]

hoje não

Hering rejeita proposta da Arezzo para potencial fusão

Segundo a Cia. Hering, a proposta “não atende ao melhor interesse dos acionistas e da própria companhia”

Polêmica na privatização

CVM vai investigar CEEE por suposta omissão na divulgação de informações

A autarquia começará a apuração de uma denúncia de omissão de fatos relevantes sobre a privatização da estatal gaúcha

FECHAMENTO

Commodities em alta levam o Ibovespa acima dos 120 mil pontos pela primeira vez desde fevereiro; dólar recua

O clima incerto em Brasília segue assombrando os investidores, mas ainda assim a bolsa brasileira consegue fôlego com as commodities para se manter no azul

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies