Menu
2019-04-20T16:57:37-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Gestores estão otimistas com América Latina e Brasil

Para quase 70% dos consultados pelo Bank of America Merrill Lynch, Ibovespa estará acima dos 85 mil pontos no fim do ano e dólar ficará abaixo de R$ 3,80

17 de outubro de 2018
6:02 - atualizado às 16:57
Gráfico de barras
Gráfico de barras - Imagem: Shutterstock

Pesquisa mensal feita pelo Bank of America Merrill Lynch com gestores de recursos da América Latina mostra um ambiente de otimismo com o resultado das eleições e com uma agenda de reformas. Para o cenário global, a história é outra.

Os investidores estão mais animados com o mercado de ações, com 65% dos entrevistados esperando um desempenho acima da média (outperform) para os próximos seis meses. Tal patamar é o maior desde março e mostra uma firme recuperação em comparação com os cerca de 20% vistos em junho.

Dois em cada três consultados enxergam o Ibovespa acima dos 85 mil pontos no fim do ano. Em setembro esta proporção era de apenas um para cada cinco. Outros 23% trabalham com Ibovespa acima dos 95 mil pontos. Mês passado, nenhum investidor trabalhava com tal patamar de pontos para o principal indicador do mercado acionário brasileiro.

No mercado de câmbio quase metade espera dólar abaixo de R$ 3,8 até o fim de 2018. Em setembro, tal previsão não atingia 10%, enquanto quase 40% estavam trabalhando com a estimativa de dólar acima de R$ 4,0.

Perguntados se o Banco Central deveria atuar para tirar pressão do mercado de câmbio, 74% disseram que o BC não deve fazer nada (inclui opções alta de juro, leilão surpresa de swap cambial, venda de reservas e leilão diário de câmbio).

Tanto no Brasil quanto no México a expectativa é de que as ações tenham um desempenho melhor que os outros ativos e 40% dos consultados planejam elevar sua exposição a esses mercados nos próximos meses. A pesquisa também captou uma melhora de percepção com relação à Argentina, já que 26% disseram que pretendem dar mais espaço ao país nos seus investimentos, contra 17% em setembro.

Eleições e Reformas

Sobre eleições no Brasil, 58% dos gestores acreditam que a chance de vitória de um candidato de centro-direita está na casa dos 70%. Em setembro, ninguém atribuía tal probabilidade.

Os investidores também estão com uma visão mais positiva com relação à reforma da Previdência, com 77% enxergando aprovação até o fim de 2019, contra 60% no mês passado. Esse é o maior percentual desde que o tema passou a ser abordado. E mesmo em caso de vitória de Fernando Haddad, a avaliação é de que o partido será pragmático, resposta dada por pouco mais de 30% dos participantes.

Riscos

O maior risco de cauda para a América Latina é uma disparada nos juros americanos (evento selecionado por 37%, contra 14% um mês antes) ou eventos envolvendo a China e/ou o mercado de commodities (21% contra 6% anteriormente).

Com relação ao México, o que mais preocupa é uma possível desaceleração da economia americana, com 35% das menções.

Surpresas domésticas, como eleições no Brasil ou questões orçamentárias no México, não foram itens relevantes citados pelos participantes.

Alocação

Perguntados sobre a posição em caixa, que é uma forma de medir quão defensiva é a posição do gestor, a média da amostra foi de 4,3% dos ativos, resultado em linha com o visto ao longo dos últimos seis meses.

Questionados sobre o patamar de risco, a maioria (quase 50%) acredita que está com posição abaixo do normal ou dentro do normal. Apenas 10% avaliam que sua posição está com risco acima do usual.

Os investidores demonstram otimismo com o mercado, mas têm formado proteção (hedge) contra eventual queda acentuada no preço das ações. Agora em outubro 47% deles disseram fazer algum tipo de hedge, contra cerca de 25% em setembro.

Foram consultados 43 gestores de fundos institucionais (pensão e seguradoras) e fundos multimercado.

Pesquisa mundial contra outra história

A sondagem com os gestores globais, que abrange 231 entrevistas com responsáveis por mais de US$ 646 bilhões em ativos, mostra que o pessimismo com o crescimento econômico mundial é o maior desde a crise de 2008. Quando perguntados sobre como a economia vai evoluir ao longo do próximo ano, 38% esperam desaceleração.

“Os investidores estão pessimistas em relação ao crescimento global”, diz o estrategista-chefe de investimentos do BofA, Michael Hartnett, em nota. “Mas não o suficiente para sinalizar qualquer coisa, a não ser um ajuste de curto prazo em ativos de risco.”

Ainda de acordo com a sondagem, 85% dos gestores consultados acreditam que a economia global está em fim de ciclo, 11 pontos percentuais acima das máximas anteriores verificadas em dezembro de 2007.

Mais um indicativo de cautela é a posição média mantida em caixa de 5,1%, acima da média de 4,5% vista nos últimos 10 anos.

Os gestores também acreditam que o dólar está sobrevalorizado, notadamente em comparação com as moedas emergentes, que têm a maior classificação de “subvalorizadas” desde o começo da pesquisa.

Na avaliação sobre os resultados corporativos, 35% indicaram que não esperam elevação de 10% ou mais ao longo do próximo ano. Da amostra, 20% acreditam que os lucros empresariais vão cair dentro dos próximos 12 meses.

Riscos globais

A guerra comercial aparece como maior risco de cauda (35%), seguido pelo aperto das condições monetárias (31%) e uma desaceleração da economia chinesa (16%).

O “trade” mais congestionado para 32% dos consultados está nas ações do Facebook, Apple, Amazon, Netflix, Google, Baidu e Tencent (FAANG + BAT) pelo nono mês consecutivo, seguido por uma posição vendida em títulos da dívida americana (19%) e comprada em S&P 500 (18%).

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Fome de propostas

Presidente da Câmara quer acelerar reformas e pautas econômicas no Congresso

Lira espera receber ainda hoje o projeto do governo para mudanças no Imposto de Renda e comprometeu-se a votar a privatização dos Correios no mês que vem

Meta ambiental

Vale triplica para até US$ 6 bi previsão de investimentos para reduzir emissões de carbono

O objetivo da empresa é reduzir 33% das emissões diretas e indiretas de carbono até 2030

Conheça a proposta

Biden anuncia acordo com republicanos para investir US$ 1,2 trilhão em infraestrutura

O valor final é menor do que a soma proposta pelo presidente democrata, mas marcará o maior investimento de longo prazo em infraestrutura em quase um século

novo sistema operacional

Microsoft apresenta o Windows 11 — aqui estão 7 novidades que você precisa conhecer

Nova versão do sistema operacional para computadores tem aplicativos de Android, novo design e Microsoft Teams melhorado; confira

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies