Menu
2018-09-26T10:16:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

Fed deve subir juros nesta quarta, mas o que interessa é o que vem depois

Wall Street, Faria Lima e nós do Seu Dinheiro vamos acompanhar a decisão do Banco Central americano em busca de pistas sobre o rumo das taxas de juros por lá

26 de setembro de 2018
5:58 - atualizado às 10:16
jerome powell
Jerome Powell, presidente do Fed -

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, deve promover nova elevação na taxa básica de juros na tarde desta quarta-feira. O consenso de mercado é de novo ajuste de 0,25 ponto percentual, que leva o juro básico para o intervalo entre 2% e 2,25% ao ano.

Até aí, jogo jogado, pois o comportamento da atividade e da inflação não são obstáculos à continuidade do processo de normalização das taxas de juros. O que vai ditar a formação de preços nos mercados depois das 15 horas são as indicações sobre os próximos passos da política monetária americana. Suspeitas de ajuste mais rápido ou mais prolongado podem trazer "calor" às mesas de negociação.

O que está no preço, até o momento, é mais um ajuste de 0,25 ponto em dezembro. E outros três apertos ao longo de 2019 e mais um em 2020, com juro indo a 3,25% a 3,5%. No pregão de ontem, surgiram algumas apostas de alta também em 2021, mas o movimento ainda precisa de maior consolidação.

O que pode mudar é a sinalização de como os próximos ajustes, para além do de dezembro, podem ser feitos. Até o momento o Fed tem ditado uma alta por trimestre, combinando o aperto com a divulgado do seu “gráfico de pontos” e com a entrevista coletiva do presidente Jerome Powell. Ano que vem, as entrevistas acontecerão após todos os encontros do Fed.

No gráfico dos pontos (dot plot) entrarão, pela primeira vez, projeções sobre 2021. Um dos focos recai sobre qual será a estimativa do colegiado para a taxa de desemprego. Para 2019 e 2020 a mediana é de 3,5%. Mudanças serão encaradas como aceno sobre o rumo da atividade econômica. Para os juros em 2021 não se prevê mudança.

No comunicado não são antecipadas grandes alterações. Para os analistas da Continuum Economics, o Fed deve indicar que o crescimento segue “forte” e a frase que afirma uma “estância de política monetária acomodativa” deve sair do texto. Mas isso não é indicação de que o ajuste terminou.

Para a entrevista, a expectativa é de que Powell reafirme o comunicado e suas declarações feitas no seminário de Jackson Hole, no fim de agosto, onde defendeu a atual estratégia de ajustes graduais no juro básico. Essa seria a melhor estratégia levando em conta dois riscos. Se subir cedo demais, o Fed pode atrapalhar o crescimento. Se agir tarde demais há um superaquecimento da economia.

O nosso Banco Central (BC) também tem como cenário base uma “normalização gradual da política monetária nos países centrais”.

Inflação

O Fed não tem meta formal de inflação, mas  sabemos (e ele também diz) que  mira a linha dos 2%. A medida utilizada é um índice de preços ao consumidor que tira energia e alimentos da conta, gerando um núcleo de preços. Na última leitura, referente a agosto, esse núcleo estava exatamente em 2%, quando medido em 12 meses.

Na semana passada, o “The Wall Street Journal” trouxe artigo mostrando que há um debate entre os responsáveis pelas políticas monetárias globais se essa meta de 2%, também adotada na Europa, ainda é relevante. Há defensores de metas maiores, como até 6%, de metas menores e até abaixo de zero (deflação).

Esse debate também acaba se inserindo nas discussões com relação à taxa neutra de juros – aquela que promove crescimento sustentado com baixa inflação – e que é perseguida por todos os BCs do mundo. Há um debate sobre até que ponto essa taxa neutra não caiu nos EUA e em outros lugares em função de fatores como demografia, menor crescimento econômico e maior taxa de poupança.

No fim, o que se discute é se o Fed e outros BCs podem acabar subindo menos os juros do que se pensa ou se calcula com modelos que não levam em conta essas “inovações” da política monetária. Por aqui, o importa para a taxa neutra de juros é a realização de reformas e demais ajustes que garantam a sustentabilidade do gasto público.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Mudanças no time

Weg anuncia renúncia de diretor de finanças e relações com investidores

A companhia divulga os seus resultados do terceiro trimestre na próxima quinta-feira (22)

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

A bolsa voltou aos 100 mil pontos. Agora pra ficar?

A trilha sonora do mercado nesta terça-feira podia ser O Portão, o clássico de Roberto Carlos do refrão “Eu voltei, agora pra ficar. Porque aqui, aqui é o meu lugar…” O Ibovespa retomou o patamar dos 100 mil pontos depois de pouco mais de um mês. Difícil é dizer se a volta será definitiva. Em outubro, […]

Prévias operacionais

Cyrela tem crescimento de 46% em lançamentos e 58% em vendas no 3º trimestre

Segundo as prévias operacionais, construtora lançou R$ 2,589 bilhões e vendeu R$ 2,456 bilhões no período

fechamento do dia

Lá em cima, de novo: Ibovespa é puxado por bancos, alívio fiscal e NY e fecha acima dos 100 mil pontos

Principal índice acionário da B3 avança quase 2% e fecha acima da importante marca psicológica após mais de um mês. Dólar registra queda durante maior parte da sessão, mas vira em minutos finais com indefinição sobre pacote de estímulos

Vem novo rali pela frente?

Bitcoin volta ao patamar dos US$ 12 mil pela primeira vez desde agosto

Depois de dois meses longe das máximas, mas ainda bem acima dos patamares pré-crise, o ativo parece ter recuperado fôlego e chegou a ser negociado a US$ 12.047,10 nesta terça-feira.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies