Menu
2019-04-04T14:08:38-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Balança favorável

Brasil tenta digerir crítica de Trump

Para secretário de comércio exterior, relação comercial entre países vem sendo positiva e crescente nos últimos anos

2 de outubro de 2018
7:33 - atualizado às 14:08
Presidente dos EUA, Donald Trump
Para o Brasil, as transações geraram um saldo superavitário de US$ 45 milhões no ano - Imagem: Shutterstock

O ataque do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, às "dificuldades impostas pelo Brasil" no comércio exterior ontem vieram como uma surpresa ao governo.

Ao jornal "Estado de S. Paulo", o secretário de comércio exterior do Ministério da Cultura (Mdic), Abrão Neto, disse que ainda é preciso "entender o contexto das declarações".

Isso porque, de acordo com Neto, a balança comercial entre os dois países tem sido favorável aos EUA, com um saldo positivo para os norte-americanos em US$ 90 bilhões.

"A relação comercial entre Brasil e EUA tem um viés positivo e crescente nos últimos anos", afirmou. Depois da China, os EUA são o segundo principal parceiro comercial do Brasil.

Em alta

Em 2018, as exportações brasileiras para os americanos subiram 6,2% enquanto as importações de produtos norte-americanos subiram 13,3%. Para o Brasil, as transações geraram um saldo superavitário de US$ 45 milhões no ano. "Nossa avaliação é que ainda há uma avenida de temas a serem discutidos e que podem aprofundar ainda mais as relações dos dois países", disse Neto ao jornal.

Novo 'Nafta'

Na madrugada da segunda-feira, os EUA chegaram a um acordo com o Canadá para reformular o NAFTA. Neto explica que o Brasil não deve ser afetado pelo acordo, mas está atento aos impactos que isso pode ter em indústrias específicas. "Temos que analisar melhor o acordo em relação ao setor automotivo, por exemplo, mas a tendência é que o Brasil continue tendo acesso ao mercado desses três países", disse.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Private equity

Ações da gestora brasileira Pátria sobem 17% na estreia na Nasdaq após IPO de R$ 3,2 bilhões

A gestora brasileira estreou com um valor de mercado de mais de R$ 15 bilhões e mira mais crescimento, o que poderá envolver aquisições

Uma nova chance?

O que esperar da nova Lei de Falências, que entra em vigor hoje

A reforma na Lei de Falências deve facilitar a recuperação das empresas que ainda são viáveis e tornar mais célere e eficiente a liquidação daquelas que estão condenadas a desaparecer

Aposta na retomada

Goldman Sachs eleva o preço-alvo de ação de locadora de veículos e recomenda compra

Os analistas elevam o preço-alvo para as ações da Localiza (RENT3) de R$ 69,30 para R$ 73,20 e projetam lucro acima do consenso do mercado

seu dinheiro na sua noite

Expectativa vs. realidade

Quando eu estava na terceira série do ensino médio, o coordenador do curso deu um alerta aos alunos: em geral os estudantes agem como se o vestibular fosse o objetivo final, e quando passam têm aquela sensação de “ah! Nunca mais vou precisar estudar!” Mas é depois do vestibular que a coisa começa a ficar […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies