2018-12-19T20:03:30-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
câmbio

Banco Central chama leilão de câmbio para quinta-feira

Operação no mercado à vista oferta até US$ 1 bilhão com vencimento em fevereiro e março de 2019. Será a segunda operação da semana

19 de dezembro de 2018
20:03
Imagem: Shutterstock

O Banco Central (BC) comunicou mais um leilão de linha com compromisso de recompra, o segundo da semana, dentro da estratégia de prover liquidez ao mercado à vista de câmbio neste período de fim de ano.

A oferta será de até US$ 1 bilhão e ocorre entre 12h15 e 12h35, com vencimentos em fevereiro e março de 2019. O anúncio ocorreu um pouco depois do horário normal e também pode ser visto como uma preparação para um dia negativo nos mercados depois da reação à decisão do Federal Reserve (Fed), banco central americano, que subiu os juros e disse que novas altas poderão ocorrer em 2019 a depender da evolução do cenário econômico.

Por aqui, o dólar comercial terminou o dia em baixa 0,39%, a R$ 3,882, mas não reagiu ao Fed, pois as negociações já tinham se encerrado. O Ibovespa que operou em alta durante boa parte do pregão, fechou com queda de 1,08%, aos 85.673 pontos. Em Wall Street, as baixas foram mais acentuadas. Dow Jones caiu 1,49%, Nasdaq cedeu 2,17% e o S&P 500 recuou 1,54%.

Os leilões de linha têm sido usuais desde o fim de novembro e são comuns nos períodos de fim de ano em função do aumento na demanda por moeda à vista pelas empresas que fecham balanços e remetem os recursos para fora do país.

Os dados sobre o fluxo cambial nas duas primeiras semanas de dezembro mostram uma saída de US$ 3,5 bilhões, depois de uma retirada de mais de US$ 6,6 bilhões ao longo do mês de novembro.

O estoque de linhas ofertado ao mercado está em US$ 4 bilhões vincendos em 4 de fevereiro de 2019 e US$ 3,25 bilhões vincendos em 6 de março de 2019. Do total de US$ 7,25 bilhões, US$ 6 bilhões são “linhas novas” colocadas no mercado e US$ 1,25 bilhão é referente à rolagem de operação feita em agosto e que venceria no começo de dezembro.

Além das atuações pontuais no mercado à vista, o BC continua realizando diariamente a rolagem dos contratos de swaps cambiais que vencerão em janeiro de 2019. O swap equivale à venda de dólares no mercado futuro. O lote a vencer soma US$ 10,4 bilhões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança em dia de alta volatilidade pós-Fed e dólar recua hoje

Após a decisão de juros do Fed, os mercados operam voláteis em um forte movimento de ajuste de carteiras hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Mais um alarme de preço baixo, Tesla em queda, bear market do bitcoin, novo fundo do Itaú e outras notícias que mexem com o seu bolso

Apesar de resultados sólidos no quarto trimestre, papéis de construtoras seguem em queda. Confira se é hora de comprar ações do setor e quais informações você precisa levar em conta antes de decidir

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas no exterior tentam se recuperar da queda após decisão do Fed e Ibovespa busca manter ritmo de alta mesmo com risco fiscal no radar

Depois de tocar os 112 mil pontos ontem (26), a bolsa brasileira precisa enfrentar o ajuste de carteiras ao novo cenário de juros altos

Exclusivo

Na “caça aos unicórnios”, Itaú lança fundo para aplicar em gestores de investimentos alternativos

O banco acaba de abrir para captação o Polaris, fundo com objetivo de retorno de até 25% ao ano e foco em investimentos que vão bem além do “combo” tradicional de bolsa, dólar e juros

CONSTRUTORAS COM DESCONTO

Vendas de imóveis em alta, ações em baixa. A queda das incorporadoras abriu uma oportunidade de compra na bolsa?

Os resultados do quarto trimestre mostram que as empresas do setor entregaram desempenhos sólidos, mas as ações caminham na direção contrária