⚽️ Brasil enfrenta a Coreia do Sul na próxima fase; confira os dias dos próximos jogos

Cotações por TradingView
2019-04-04T13:51:38-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Rumo incerto

Relação com China em governo Bolsonaro pode colocar em xeque fusões e aquisições em mineração

Rumos incertos com Pequim pode colocar em espera algumas transações chinesas no país

6 de novembro de 2018
7:30 - atualizado às 13:51
Jair Bolsonaro e Xi Jinping
Imagem: Shutterstock

Os rumos incertos das relações do Brasil com a China no futuro governo de Jair Bolsonaro pode colocar em espera algumas transações de fusões e aquisições, em especial no setor de mineração. A informação é da coluna Broadcast, do Estadão, desta terça-feira, 6.

Uma delas é a da Bahia Mineração (Banim), que há dois anos vem buscando no exterior, em especial na China, um comprador para uma fatia da companhia, movimento colocado como necessário para a empresa seguir com seus planos de expansão.

A empresa manteve reuniões marcadas com potenciais interessados na semana que vem, em Pequim, mas a leitura de envolvidos já é a de que o negócio ficará mais difícil diante desse novo cenário de incertezas. Procurada, a Banim não respondeu até o momento.

Novas aquisições

Nos anos de crise no Brasil, os investimentos da China no país cresceram. Entre as aquisições de grande porte recentes estão, por exemplo, as feitas pelas gigantes chinesas State Grid e China Three Gorges, que levaram, respectivamente, CPFL e Duke Energy

Recado

Na semana passada, em editorial publicado no jornal estatal "China Daily", o governo chinês disse que, se Bolsonaro adotar a linha de Donald Trump,  a economia brasileira sofrerá as consequências.

Segundo o editorial, as exportações brasileiras "não apenas ajudaram a alimentar o rápido crescimento da China" mas também "apoiaram o forte crescimento do Brasil". Para os chineses, portanto, criticar Pequim pode servir para algum objetivo político específico. "Mas o custo econômico pode ser duro para a economia brasileira, que acaba de sair de sua pior recessão da história", diz o editorial.

Nenhum problema

Em entrevista à “TV Bandeirantes” ontem, Bolsonaro disse que não teremos nenhum problema nas relações comerciais com a China. “Pelo contrário, nossa conversa será ampliada”, disse.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

SEU DINHEIRO NA COPA

Brasil segue favorito mesmo após primeira derrota na Copa; confira as seleções queridinhas das oitavas entre os apostadores

3 de dezembro de 2022 - 9:14

Já classificado, Tite escalou um time recheado de reservas que acabou perdendo de 1 x 0 para os camaroneses, que ficaram fora do mundial

Aperta o play!

Copom realiza última reunião do ano na próxima quarta (07); o que esperar para a Selic daqui para frente?

3 de dezembro de 2022 - 8:00

No podcast Touros e Ursos desta semana, falamos sobre as incertezas fiscais que cercam a decisão de juros do Copom e como investir neste cenário

FECHAMENTO DO DIA

Poeira assenta em Brasília e Ibovespa sobe quase 3% na semana; dólar cai a R$ 5,21

2 de dezembro de 2022 - 19:29

Em Nova York, no entanto, o clima foi de cautela. O payroll, o raio-X do mercado de trabalho americano e um dos dados mais importantes para o Federal Reserve na decisão de política monetária, mostrou uma força maior do que a esperada

DINHEIRO NA CONTA

Dividendos: Raízen (RAIZ4) depositará R$ 918 milhões na conta dos acionistas em 2023, mas data de corte é na próxima semana; veja quem terá direito à bolada

2 de dezembro de 2022 - 19:22

A Raia Drograsil anunciou o pagamento de proventos nesta sexta-feira (2): a farmacêutica distribuirá R$ 90 milhões na forma de JCP

TOMA LÁ, DÁ CÁ

Vai causar estrago? Europa fixa valor do barril de petróleo russo em US$ 60 e deve despertar a fúria de Putin

2 de dezembro de 2022 - 18:35

Na decisão de hoje, os europeus detalham que o limite de preço do petróleo russo será revisado regularmente e deve ser “pelo menos 5% abaixo do valor médio de mercado”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies