Menu
2019-04-04T16:02:47-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Tensão EUA-China

Executiva da chinesa Huawei, presa no Canadá a pedido dos EUA, é solta sob fiança

Meng Wanzhou terá de aguardar no Canadá um pedido de extradição para os Estados Unidos, onde é acusada de fraude

12 de dezembro de 2018
6:53 - atualizado às 16:02
Meng Wanzhou
Executiva da Huawei, Meng Wanzhou - Imagem: Huawei/Divulgação

A executiva chinesa da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta por um juiz canadense nessa terça-feira, 11, após pagar fiança de US$ 7,5 milhões (R$ 29,2 milhões).

Meng deve aguardar no Canadá a análise de um pedido de extradição para os EUA, onde é acusada de fraude. A decisão foi tomada horas após autoridades da China prenderem o ex-diplomata canadense Michael Kovrig, consultor da ONG International Crisis Group.

O governo chinês havia ameaçado o Canadá com represálias após a prisão de Meng, mas ainda não está claro se os dois casos têm relação direta. O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, confirmou a prisão do ex-diplomata na segunda-feira à noite e disse que está levando “muito a sério” a situação. “Estamos em contato direto com os chineses”, disse Trudeau.

O ministro de Segurança Pública do Canadá, Ralph Goodale, afirmou que não sabe o motivo da prisão de Kovrig e, por isso, não era possível dizer se a detenção do ex-diplomata tem relação com a prisão da executiva da Huawei.

O Departamento de Estado americano, entretanto, manifestou sua preocupação pela prisão do canadense e acredita que há o risco de a China adotar retaliações contra americanos. Fontes disseram que o governo do presidente Donald Trump estuda emitir um alerta a empresários e turistas americanos que viajam a China.

Pós G-20

A prisão de Meng ganhou grande repercussão pois ocorreu após uma reunião entre Washington e Pequim no G-20 que colocou trégua na guerra tarifária entre as nações.

A empresa de tecnologia chinesa é acusada pelos EUA de violar as sanções americanas contra o Irã por meio da Skycom, uma companhia com sede em Hong Kong - os chineses garantem que a Huawei e a Skycom são empresas diferentes.

A Huawei havia se oferecido para pagar uma equipe de vigilância que garantiria a permanência de Meng no Canadá, caso ela fosse libertada sob fiança. Na audiência de segunda-feira, Meng disse temer por sua saúde. Desde que foi presa, a executiva precisou ser hospitalizada uma vez para tratar de uma crise de hipertensão.

“Ainda me sinto mal e temo que minha saúde se deteriore enquanto eu estiver presa”, disse ela em depoimento. Meng argumenta que sofreu vários problemas de saúde, incluindo uma cirurgia para tratar um câncer de tireoide, em 2011.

“Desejo permanecer em Vancouver para impugnar minha extradição e refutarei as acusações no julgamento nos Estados Unidos, se me entregarem em última instância”, disse.

As autoridades americanas suspeitam que o grupo chinês exportou, desde 2016, produtos de origem americana para o Irã e outros países submetidos a sanções de Washington. A empresa já estava na mira dos serviços de inteligência americanos, que a consideram uma ameaça para a segurança nacional e a associam a espionagem internacional.

Os smartphones a preços acessíveis da Huawei conquistaram uma boa fatia de mercado global, mas a empresa enfrenta diversos reveses em grandes economias ocidentais em razão das preocupações com segurança.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

atenção, acionista

Weg e Lojas Renner anunciam juros sobre capital próprio; confira valores

Empresa de fabricação e comercialização de motores elétricos paga R$ 86,1 milhões; provento da varejista chega a R$ 88 milhões

Alívio no câmbio

Dólar fica abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez em mais de um ano — e o empurrão veio dos BCs

O dólar à vista terminou o dia em R$ 4,96, ficando abaixo dos R$ 5,00 pela primeira vez desde 10 de junho de 2020. O Ibovespa caiu

Constitucionalidade em xeque

Autonomia do Banco Central: STF retoma julgamento no dia 25, mas recesso pode estender votação até agosto

A lei em análise restringe os poderes do governo federal sobre a autoridade máxima da política monetária do País

nos eua

Presidente do Fed descarta elevação preventiva de juros e vê inflação atual como temporária

Jerome Powell atribuiu a alta dos preços à retomada da demanda em quadro de oferta ainda limitada em alguns segmentos

espaço para mais ganhos

Credit Suisse vê Totvs protegida contra inflação e aponta impulso com PIB

Analistas do banco lembram que empresa repassa a alta dos preços para os contratos anuais; papéis TOTS3 já subiram mais de 80% no último ano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies