Menu
2018-09-26T09:25:40-03:00
Luis Ottoni
Luis Ottoni
Jornalista formado pela Universidade Mackenzie e pós-graduando em negócios pela Fundação Getúlio Vargas. Atuou nas editorias de economia nos portais G1, da Rede Globo, e iG.
Menos tarifas

EUA abrem ‘passagem’ para calçados estrangeiros

Nova lei americana reduzirá tarifas de importação sobre calçados; empresas brasileiras já têm planos de aproveitar o benefício

26 de setembro de 2018
9:07 - atualizado às 9:25
Donald Trump
Lei americana reduzirá tarifas de importação sobre calçados; empresas brasileiras já têm planos de aproveitar o benefício - Imagem: Shutterstock

Uma nova lei de comércio exterior nos Estados Unidos deve beneficiar os exportadores brasileiros de calçados. A informação é do jornal "Valor Econômico" desta quarta-feira, 26.

A lei "Miscellaneous Tariff Bill Act 2018", que entrará em vigor em outubro deste ano e tem vigência até 2020, irá reduzir a tarifa de importação de mais de 1,6 mil produtos, entre eles os calçados.

Entram na lista os calçados de couro, tecidos e sintéticos. Até o momento, elas variam de 6% a 37,5%.

Cerca de 60% dos calçados exportado aos EUA já são isentos de tarifa. Agora, os outros 40% devem ter tarifas reduzidas, disse a coordenadora de Inteligência de Mercado da Associação Brasileira das indústrias de Calçados (Abicalçados), Priscla Link, ao "Valor".

Entre as empresas brasileiras do ramo entrevistadas pelo jornal, como a Ramés Soulmade Shoes e a Kidy Calçados Infantis, já há uma expectativa de aumento nos níveis de exportação para os EUA.

Perda de protagonismo

O Brasil vem perdendo espaço no mercado de calçados principalmente para países asiáticos, como a China.

No ano passado, os EUA importaram 2,38 bilhões de pares de calçados, o equivalente a US$ 25,14 bilhões. Cerca de 71% dos pares e 59% do valor foram chineses, ainda de acordo com o "Valor".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em meio à crise

Em reunião com empresários, Bolsonaro defende vacinação e diz não ter preocupação com CPI da Covid

Presidente e ministros participaram de uma videoconferência com o grupo que reúne os 50 maiores grupos privados do País

seu dinheiro na sua noite

Ação da Moura Dubeux caiu 50% desde o IPO. Ficou barata?

O ano de 2020 começou promissor para a economia brasileira e com boas perspectivas para a chegada de novas empresas à bolsa. A temporada de IPOs se iniciou nos primeiros dias de fevereiro, com a estreia da construtora Mitre, seguida da empresa de tecnologia Locaweb. Mais para meados do mês, vimos a abertura de capital […]

ampliação de sortimentos

Lojas Americanas compra Imaginarium e prevê aumentar marcas próprias

Companhia anunciou aquisição do Grupo Uni.co, mas não revelou valores; com negócio, Americanas avança sobre varejo especializado em franquias

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies