Menu
2019-04-04T14:14:52-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Mesmo com guerra tarifária

China promete manter crescimento econômico dentro de ‘faixa razoável’ em 2019

Economistas esperam que Pequim revise para baixo a meta de crescimento para 2019 em meio a conflitos com os Estados Unidos

13 de dezembro de 2018
10:34 - atualizado às 14:14
Centro econômico de Pequim, na China
Distrito financeiro de Pequim, na ChinaImagem: shutterstock

O Politburo, principal órgão decisório do Partido Comunista da China, prometeu manter o crescimento econômico dentro de uma "faixa razoável" no ano que vem, enquanto dá prosseguimento aos esforços do governo para estabilizar o emprego, o comércio e os investimentos.

As autoridades têm de encontrar um equilíbrio entre estabilizar o crescimento econômico, promover reformas, reestruturar a economia, melhorar a qualidade de vida das pessoas e se precaver contra riscos, segundo relatou a agência de notícias estatal Xinhua nesta quinta-feira, citando minutas de uma reunião capitaneada pelo presidente Xi Jinping.

Na ocasião, oficiais de alto escalão do Partido Comunista foram instados a aumentar sua vigilância contra mudanças doméstica e internacionalmente e ter fé na perspectiva econômica.

Economistas esperam amplamente que Pequim revise para baixo a meta de crescimento para 2019 em meio a conflitos com os Estados Unidos. A economia chinesa cresceu 6,7% nos primeiros nove meses do ano, dentro da linha para realizar uma taxa de expansão de 6,5% no ano cheio

Em queda

A China atraiu US$ 13,6 bilhões em investimento estrangeiro direto (IED) em novembro, 27,6% menos do que em igual mês do ano passado, segundo dados publicados hoje pelo Ministério de Comércio do país. Em outubro, o IED havia aumentado 7,3% na comparação anual. No acumulado de janeiro e novembro, o total de IED que ingressou na China foi de US$ 121,3 bilhões, volume 1,1% maior do que no mesmo intervalo de 2017.

Pós G-20

Pequim também disse hoje que sua última rodada de negociações comerciais com os Estados Unidos "progride sem solavancos". Num próximo passo, os americanos são bem-vindos para visitar a China para mais discussões e Pequim também está aberta a enviar delegações para os EUA, afirmou Gao Feng, porta-voz do Ministério do Comércio, em coletiva de imprensa rotineira.

Os gigantes iniciaram a mais recente rodada de conversas na última terça-feira, 11, com uma ligação telefônica envolvendo o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, o Secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, e o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer. Na ocasião, os dois lados trocaram visões para o estabelecimento de um cronograma e de um mapa para dar continuidade ao diálogo, informou o ministério.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Trabalho em equipe?

Biden e oposição tentam acordo para aprovar pacote de infraestrutura

Um dos maiores pontos de divergência entre o presidente e líderes republicanos é o aumento de impostos para financiar a proposta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies