Menu
2019-04-04T13:51:55-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Entrave bilateral

China alerta que economia brasileira sentirá consequências se Bolsonaro seguir ‘linha Trump’

Em editoral para jornal estatal, governo chinês disse que relação bilateral países entre apoiou “o forte crescimento do Brasil”

31 de outubro de 2018
13:26 - atualizado às 13:51
Jair Bolsonaro e Xi Jinping
Imagem: Shutterstock

Depois do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) fazer duras críticas à China durante sua campanha eleitoral, Pequim decidiu fazer um alerta ao futuro mandatário.

Em editorial publicado no jornal estatal "China Daily", o governo chinês disse que, se Bolsonaro adotar a linha de Donald Trump,  a economia brasileira sofrerá as consequências.

Segundo o editorial, as exportações brasileiras "não apenas ajudaram a alimentar o rápido crescimento da China" mas também "apoiaram o forte crescimento do Brasil". Para os chineses, portanto, criticar Pequim pode servir para algum objetivo político específico. "Mas o custo econômico pode ser duro para a economia brasileira, que acaba de sair de sua pior recessão da história", diz o editorial.

O jornal admite que existem especulações sobre o futuro das relações entre os dois países. "Ainda que Bolsonaro tenha imitado o presidente dos EUA ao ser vocal e ultrajante para captar a imaginação dos eleitores, não existe razão para que ele copie as políticas de Trump", alertaram os chineses.

Ao longo de sua campanha, Bolsonaro não poupou ataques aos chineses. Em fevereiro, o então candidato visitou Taiwan, o que deixou Pequim irritada. Sabendo que Bolsonaro poderia ser um forte concorrente para a Presidência, a embaixada chinesa enviou uma carta de protesto. Nela, o governo chinês expressou sua "profunda preocupação e indignação" e alertou que a visita era uma "afronta a soberania e integridade territorial da China" e "causa eventuais turbulências na Parceria Estratégica Global China-Brasil, na qual o intercâmbio partidário exerce um papel imprescindível".

Os chineses ainda disseram que não acreditam que promessas feitas em campanhas eleitorais fiquem apenas pelo caminho antes do voto. "Esperamos que quando ele assumir a liderança da oitava maior economia do mundo, olhe de forma racional e objetiva para o estado das relações Brasil-China", diz o editorial.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Quem não arrisca...

Jive Investments aposta em agentes autônomos e educação para atingir varejo após aporte da XP

Sócio da gestora de investimentos alternativos, Guilherme Ferreira revela os motivos da preferência por operação privada ao invés de abrir capital

Aperto nas contas

Gastos extras vão reduzir ‘folga’ do teto de gastos em 2022, prevê governo

O avanço nas despesas obrigatórias, estimado em R$ 105,2 bilhões, é o que limita o “espaço livre” do governo para novos gastos no próximo ano

Inflação no horizonte

Choque de preços tem causa temporária, mas persistência maior, diz Campos Neto

Em coletiva do RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que os efeitos dos choques de preços têm durado mais que o previsto

De São Roque para o mundo

Aeroporto da JHSF recebe autorização para operar voos internacionais

Com aval das autoridades, São Paulo Catarina se tornará o primeiro aeroporto internacional exclusivamente dedicado à aviação executiva no país

Planos decolando

Eve faz parceria com Blade para disponibilizar eVTOL nos EUA, diz Embraer

A Eve planeja disponibilizar, junto a seus parceiros locais, até 60 aeronaves para uso da Blade pelos EUA a partir de 2026

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies