2019-04-01T11:43:12-03:00
Balanço

Caixa tem alta de 122% no lucro, que vai a R$ 4,8 bilhões no 3º trimestre

Banco teve um lucro líquido de R$ 4,8 bilhões, alta de 122% em relação ao mesmo período do ano passado

14 de novembro de 2018
10:14 - atualizado às 11:43
Agência da Caixa Econômica Federal em São Paulo - Imagem: Itaci Batista/Estadão Conteúdo

A Caixa Econômica Federal divulgou seus resultados para o 3º trimestre nesta terça-feira, 14.

O banco teve um lucro líquido de R$ 4,8 bilhões, alta de 122% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nos nove primeiros meses do ano, foi registrado lucro recorde, de R$ 11,5 bilhões, o que representa alta de 83,7% frente ao mesmo intervalo de 2017. O desempenho supera o resultado esperado para o ano, de R$ 9 bilhões.

Para o presidente da instituição, Nelson de Souza, o resultado reflete melhoria na eficiência operacional, com redução nas despesas administrativas, corte nas despesas administrativas e aumento das receitas com a prestação de serviços.

Já a carteira de crédito ampla da Caixa chegou a R$ 693,8 bilhões no fim do terceiro trimestre, com recuo de 2,6% no acumulado de 12 meses.

O índice de inadimplência ficou em 2,44% ante os 2,72% registrados no mesmo período do ano passado.

O índice de Basileia, que mede a solvência da instituição, subiu 19,8%, sendo que o capital nível 1 ficou em 13,3%, cerca de 3,8% acima do requerido para janeiro do próximo ano.

Captações em queda

O balanço do banco estatal também mostrou uma redução das captações de R$ 1 trilhão no terceiro trimestre do ano passado para R$ 959 bilhões em setembro do ano passado. A retração da carteira de crédito foi o principal motivo para a queda do indicador.

Em coletiva realizada nesta quarta, o vice-presidente de Finanças e Controladoria da instituição, Arno Meyer, informou que, dado o excesso de recursos, o banco reduziu a captação de letras financeiras que têm taxas de juro mais altas. Por outro lado, as captações com poupança subiram 9,1%, assim como resultantes de operações junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Sobre Basileia, Meyer destacou o fato de o banco ter conseguido melhorar o nível do capital nível 1, de 9,5% para 13,3%, em apenas 12 meses e de um nível que era considerado preocupante. "Podemos, então, declarar oficialmente, como já disse o presidente, que resolvemos esse problema. Bancos públicos têm de viver com suas próprias pernas", acrescentou.

*Com Estadão Conteúdo 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Black Friday em números

Varejo cresce 6,3% na Black Friday e vê crescimento de lojas virtuais com e-commerce aquecido; confira dados

Apesar do aumento em relação à Black Friday de 2020, o patamar de faturamento do varejo foi 9,1% inferior ao registrado em 2019

Desdobramentos da crise

Presidente da Latam, Roberto Alvo diz que recusou oferta ‘incompleta’ e ‘insuficiente’ da Azul

O conteúdo dela é confidencial”, afirmou, em entrevista coletiva. Procurada, a Azul não quis comentar

Solana no MB

Exclusivo: Solana (SOL), 5ª maior criptomoeda do mundo, chega Mercado Bitcoin com alta de mais de 12.000% no ano

A quinta maior criptomoeda do mundo vem conquistando o mercado porque se coloca como uma blockchain alternativa ao ethereum (ETH)

Pandemia em curso

Variante ômicron da covid-19 já está em dez países, mas chefe da associação médica da África do Sul vê “sintomas médios” da doença em estudo preliminar

Até o fechamento desta matéria, não haviam informações sobre infecções por essa variante da covid-19 nas Américas