Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-11-26T15:35:29-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Mercado reduz projeção de alta da Selic em 2019

Boletim Focus mostra juro básico em 7,75% no fim do próximo ano, primeira queda desde janeiro. Dentro do Tov Five, prognóstico já recuou para 7%

26 de novembro de 2018
15:35
juromenor-placa
Imagem: Shutterstock

O boletim Focus, do Banco Central, mostra que os agentes de mercado estão projetando um menor ciclo de alta para a taxa básica de juros, a Selic, atualmente fixada em 6,5% ao ano. Boa notícia para ativos de risco, como bolsa de valores, e principalmente para os investidores que estavam aplicados em papéis prefixados, como as LTNs, que você encontra no seu Tesouro Direto.

A mediana das projeções apontava para juro básico de 8% no fim de 2019 desde o começo de janeiro. Agora, o prognostico recuou para 7,75%. Dentro do Top Five, grupo que reúne as casas com maior índice de acerto, a estimativa voltou a cair, de 7,5% para 7% ao ano.

Na semana passada tínhamos falado dessa possibilidade de revisão das projeções para a Selic, pois as médias das projeções dentro do Focus vinham recuando desde o começo de outubro. O comportamento da média serve como um indicador antecedente da mediana.

A revisão na projeção encontra respaldo em um cenário inflacionário mais benigno que o projetado. O IPCA-15 de novembro, por exemplo, surpreendeu para baixo ao marcar alta de 0,19%, menor leitura para o mês em 15 anos.

Além disso, os núcleos de preço, que captam a tendência da inflação, seguem rodando, em alguns casos, no piso da meta para a inflação. Isso quer dizer que as pressões inflacionárias pontuais causadas pela alta de dólar ao longo do período eleitoral não se espalharam para outros segmentos da economia.

O mesmo Focus também mostrou novas reduções nas expectativas de inflação neste e no próximo ano. O prognóstico para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 2018 caiu pela quinta semana seguida, de 4,13% para 3,94%. Considerando o grupo que atualiza suas estimativas com mais frequência, a projeção já está em 3,88%. A meta para este ano é de 4,5%, com banda de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Para 2019, a mediana teve a terceira queda seguida, recuando de 4,2% para 4,12%. A meta para o próximo ano é de 4,25%. Para 2020, a estimativa está em 4%, mesmo valor da meta. Para 2021, a mediana está em 3,86%, contra uma meta de 3,75%.

Quanto maior o horizonte de projeção, menor o impacto das ações de política monetária de curto prazo. Inflação em torno da meta para 2020 e 2021, notadamente, pode ser encarada como mais um indicador de confiança na atuação do Banco Central.

Além da inflação comportada é consenso que há espaço para uma retomada da atividade sem gerar pressão inflacionária adicional, resultado da elevada ociosidade dos fatores de produção, principalmente o desemprego.

Na sexta-feira, dia 30, será conhecido o Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, que deve confirmar uma recuperação depois do fraco desempenho do segundo trimestre, que captou os efeitos da greve dos caminhoneiros.

No Focus, a mediana mostra crescimento de 1,39% para 2018 e aceleração no ritmo para 2,5% em 2019.

Banco Central

O Comitê de Política Monetária (Copom) mantém a avaliação de que a conjuntura prescreve política monetária estimulativa, mas segue alertando que “esse estímulo começará a ser removido gradualmente caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora.”

Quando o BC fala em retirar estímulo, ele está sinalizando que talvez seja preciso deixar a taxa de juros mais próxima da chamada taxa neutra, que é aquela que permite o máximo crescimento com inflação na meta.

Atualmente a taxa real está rodando na casa dos 3% ao ano, considerando o swap de 360 dias descontado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) projetado em 12 meses. Essa taxa neutra ou estrutural é uma variável não observável, mas as estimativas recentes sugerem que ela orbite entre 4% a 4,5% em termos reais.

Como a inflação está bem-comportada e a retomada do crescimento acontece de forma bastante gradual, é possível que o Copom mantenha a Selic em patamar estimulativo (abaixo do patamar neutro) por mais tempo que o previamente esperado. É isso que as projeções do mercado sugerem, além de indicar uma necessidade menor de ajuste na Selic, para que as projeções e expectativas continuem nas metas para os próximos anos.

A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 11 e 12 de dezembro e pode ajudar a confirmar ou refutar essa percepção do mercado.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies