Menu
2018-12-17T09:24:18-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Devagar, quase parando

Atividade fraca reforça expectativa de Selic em 6,5% por mais tempo

Indicador de atividade econômica do Banco Central ficou estável na abertura do terceiro trimestre

17 de dezembro de 2018
9:24
Fachada do Banco Central do Brasil (BC)
Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

O Banco Central (BC) alertou que o elevado nível de ociosidade da economia pode levar a inflação a ficar abaixo do esperado. Risco que se elevou segundo o Comitê de Política Monetária (Copom), que esteve reunido na semana passada. Nesta segunda-feira, o Índice de Atividade Econômica do BC (IBC-Br) ficou praticamente estável em outubro, reforçando essa avaliação que embasa o aceno de Selic em 6,5% ao ano por longo período de tempo.

O IBC-Br teve breve variação positiva de 0,02% em outubro, vindo de uma queda de 0,16% em setembro. No ano, o indicador tem crescimento de 1,4% e sobe 1,54% no acumulado em 12 meses. A mediana da “Projeções Broadcast” era de queda de 0,1%.

Atividade fraca com projeções e expectativas ancoradas nas metas de inflação levaram o BC a mudar sua linguagem e deixar de falar em eventual necessidade de alta de juros.

De fato, iniciamos uma discussão, na semana passada, sobre a possibilidade de eventual corte da taxa básica de juros em função dessa debilidade da atividade econômica, que segue em ritmo fraco de recuperação mesmo com a Selic na sua mínima histórica.

Como temos enfatizado, a manutenção da Selic em 6,5% é favorável aos ativos de risco como bolsa de valores e fundos imobiliários. No mercado de títulos ganham atratividade os prefixados longos e as Notas do Tesouro Nacional Série-B mais longas, que encontramos no Tesouro Direto.

Na terça-feira, teremos uma ideia melhor dos pontos que levaram o Copom a fazer essa mudança de postura, pois será apresentada a ata da reunião da semana passada. Já na quinta-feira, dia 20, saberemos do comportamento das projeções de inflação até 2021 no Relatório de Inflação e se o BC promoveu alguma revisão nos seus prognósticos de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,4% para este ano e de 2,4% em 2019. O relatório será seguido de entrevistas do presidente Ilan Goldfajn e do diretor de Política Econômica, Carlos Viana.

Focus

No boletim Focus desta semana, os agentes consultados pelo BC mantiveram a previsão de crescimento do PIB em 1,3% para 2018. Para 2019, houve breve alta de 2,53% para 2,55%.

Para a taxa Selic, a mediana permaneceu em 7,5%, mas devemos ver novas reduções ao longo das próximas semanas, já que mais analistas passaram a trabalhar com Selic em 6,5% ao longo de todo o ano de 2019. Dentro do Top Five, grupo com maior índice de acertos, a mediana caiu de 7,25% para 7%.

No lado dos preços, as expectativas mostram Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 3,71% para este ano, 4,07% para 2019, 4% para 2020 e 3,75% para 2021. Todas dentro das metas de 4,5%, 4,25%, 4% e 3,75%, respectivamente.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Direto na conta

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial

Nascidos em janeiro receberão nas contas poupança digitais

ESTRADA DO FUTURO

As ações de tecnologia estão caras ou baratas? Saiba como os analistas fazem as contas

Com o tempo, a análise dessas empresas migrou da abordagem de tradicional para um modelo de probabilidades e grandes números

Pandemia

Número de óbitos por covid-19 passa de 434 mil; casos passam de 15,5 milhões

Mais de 2 mil mortes e 67 mil novos casos foram registrados nas últimas 24 horas

Polui menos

Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10

Impacto ambiental do derivado é menor

Acabou a mamata?

Congresso reage a supersalários da cúpula do governo

Medida beneficia diretamente o presidente Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies