Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2019-04-04T13:59:50-03:00
Seu Mentor de Investimentos

Aceno liberal. Tomara!

A poucos dias do segundo turno, Bolsonaro voltou a dar sinais de que fará uma política econômica liberal. E dessa vez o alvo foi o BC

23 de outubro de 2018
15:03 - atualizado às 13:59
jair-bolsonaro
Informação do Estadão aponta que Bolsonaro defende a autonomia do BC - Imagem: Shutterstock

Faltando apenas cinco dias para a eleição de Jair Bolsonaro, o mercado de ações se entusiasmou ontem. O Ibovespa subiu mais de 1,5%. O dólar, por sua vez, fez novas mínimas desde maio.

Ao contrário da semana passada, a alta da Bolsa brasileira se deveu a fatores internos, já que os mercados internacionais emitiram sinais conflitantes.

Enquanto a Bolsa de Valores de Xangai valorizou 4,1%, a maior alta desde o segundo trimestre de 2016, na Europa, os títulos de crédito da Itália foram rebaixados ao nível mais baixo da categoria “grau de investimento”.

Como o Dow Jones caiu meio por cento, a alta brasileira foi tupiniquim mesmo, baseada em fundamentos daqui.

Os institutos de pesquisa de opinião pública continuam apontando uma vantagem de 20 pontos de Bolsonaro para Haddad, com um agravante para o petista: ele agora tem uma rejeição de 52%, contra 38% do adversário.

Com exceção do comportamento da Bolsa chinesa, nada disso é novidade. O que de novo aconteceu foi a informação, dada pela Agência Estado, de que Jair Bolsonaro defende a independência do Banco Central.

Isso sim, é um fundamento bullish. Permitiria ao Brasil captar dinheiro lá fora por taxas muitos menores do que as atuais e prazos mais longos. As taxas de juros internas também poderiam ser mais baixas com o mesmo impacto monetário.

Desde que o BC foi fundado, em 31 de dezembro de 1964, várias vezes a independência foi ventilada. Mas jamais concretizada.

Em 1967, quando o general Artur da Costa e Silva tomou posse, em substituição a Humberto Castelo Branco, levantaram o assunto com ele.

“O Banco Central independente seria o guardião da moeda”.

“O guardião da moeda sou eu”, respondeu Costa e Silva, encerrando o assunto.

Nos últimos tempos, com exceção do governo Dilma Rousseff, que mandou e desmandou no presidente do BC, Alexandre Tombini (Dilma tinha sua política monetária própria; própria e desastrada), o BC teve autonomia operacional.

Essa autonomia era relativa, pois o presidente do Banco Central podia ser substituído ao bel-prazer do chefe de Estado.

Fernando Henrique Cardoso, por exemplo, demitiu Gustavo Franco durante o ataque especulativo ao Real, ocorrido em 1999, por não concordar com a prática de bandas cambiais. Substituiu-o por Armínio Fraga, que passou para o regime de câmbio flutuante que prevalece até hoje.

Lula respeitou na íntegra as decisões de Henrique Meirelles. O mesmo fez Michel Temer com relação a Ilan Goldfajn. Mas a independência formal da autoridade monetária não foi cogitada, tal como parece acontecer agora.

Nos Estados Unidos, o FED (Federal Reserve) é independente desde 1913. Na Grã-Bretanha, isso só começou em 1997.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

O hambúrguer e o câmbio

Está na hora de comprar ou vender dólar? A resposta pode estar no preço do Big Mac

Se levarmos em consideração o preço do sanduíche mais popular do mundo, a moeda norte-americana deveria valer R$ 3,87, segundo o índice calculado pela The Economist

prévias

Eztec tem queda de 48% nas vendas no quarto trimestre

Lançamentos da empresa atingiram R$ 380,8 milhões, chegando a R$ 1,150 bilhão no ano – 85% a mais do que no terceiro trimestre

seu dinheiro na sua noite

2 milhões de mortos, 2 trilhões em estímulos e uma queda de mais de 2%

Se a primeira semana de 2021 nos mercados refletiu o otimismo geral com o novo ano que se iniciava, com perspectivas de vacinação contra o coronavírus e recuperação econômica, na segunda semana do ano, os investidores optaram pela cautela. Por ora, 2020, o ano do qual todos queríamos nos livrar, ainda não ficou para trás. […]

FECHAMENTO

Atritos políticos e covid-19 voltam para assombrar o mercado e Ibovespa recua mais de 2%; dólar sobe forte

Existe uma certa desconfiança de que o plano de US$ 1,9 trilhão apresentado por Biden encontre dificuldades de ser aprovado pelo Congresso, ainda que o democrata tenha conquistado a maioria das duas casas. No Brasil, situação do coronavírus reacende a pressão sobre o cenário fiscal

match com o mercado?

Concorrente do Tinder, Bumble pode levantar US$ 100 milhões em IPO

Ações da empresa estreiam em fevereiro na Nasdaq; companhia, que é dona do Badoo, não deu lucro no ano passado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies