Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2019-05-06T12:28:51+00:00
CARRO DE CORRIDA, JATINHO E JOGOS DO FLUMINENSE

US$ 5 milhões pelo ralo e um velho esbanjador arrependido

Cada vez tenho mais convicção de que os cidadãos brasileiros não poderão contar com o governo. A tendência das aposentadorias é convergir para o salário mínimo e o valor deste encolher. Eu mesmo cometi o erro de pensar apenas no presente.

6 de maio de 2019
12:28
O avião Cessna 180 nos ares
O avião Cessna 180 - Imagem: Shutterstock

Nos últimos artigos que escrevi, tenho batido na tecla da necessidade de poupança. E hoje mesmo vou falar um pouco mais sobre o assunto, sem esgotá-lo, tal sua importância. Cada vez tenho mais convicção de que os cidadãos brasileiros não poderão contar com o governo. A tendência das aposentadorias é convergir para o salário mínimo e o valor deste encolher.

Cito como exemplo minha própria pessoa e a propensão que sempre tive em gastar dinheiro em coisas supérfluas toda vez que meu orçamento ficou folgado. Só após abril de 1995, quando larguei a linha de frente do mercado para viver das letras, é que me tornei mais pão-duro, ou menos esbanjador. Mesmo assim, tive várias recaídas.

Se, desde os 17 anos de idade, quando comecei a trabalhar, tivesse pagado um dízimo à minha velhice, e aplicado em um ativo mais do que seguro (letras do Tesouro – Treasury Bills – dos Estados Unidos, por exemplo), teria hoje facilmente uns cinco milhões de dólares guardados, e essa conta continuaria aumentando a cada mês.

Mas comecemos pelo começo:

Quando, aos 18 anos, eu operava câmbio em Belo Horizonte, o dinheiro chovia em minha conta corrente de pós-adolescente. Pois bem, entre 1958 e 1965, eis para onde ia a grana:

Embora morasse em BH, todos os domingos ia e voltava ao Rio, para ver o Fluminense jogar, ora em minha Berlineta Interlagos, ora em meu Renault 1093, ambos carros de corrida.

Se o torneio era o Rio-São Paulo, e o jogo na capital paulista, eu pegava um avião. Decolava do aeroporto da Pampulha, geralmente num turboélice Viscount da Vasp, descia em Congonhas, assistia à partida e regressava no primeiro voo disponível.

Me encantei com um monomotor Cessna 180, prefixo PP-ATD (Alfa Tango Delta), que entrou para a minha frota.

Nesse período em BH, fiz uma viagem a Montevidéu, Buenos Aires e Bariloche, além de ter assistido à Copa do Mundo de 1962, no Chile. Isso numa época em que passagens aéreas internacionais eram caras pra burro (o governo subvencionava os voos domésticos).

Felizmente nunca me interessei por roupas de grife, relógios Rolex, canetas Mont Blanc e outras frescuras (em meu juízo, é claro). Mas se a grana desse para comprar uma Ferrari, pode o caro amigo leitor apostar que eu teria tido uma.

Pois bem, entre 1965 e 1967, recém-casado pela primeira vez, morei nos Estados Unidos, onde estudei na New York University. Lá tive um padrão de vida um pouco melhor do que meus colegas da NYU; trabalhava nos fins de semana buscando e entregando carros na Costa Leste para a Hertz e para a Avis, além de dispor da grana da venda do Cessna.

Mais salário, mais gastos

De volta ao Brasil, já tendo nascido meu primeiro filho, tive um orçamento sem maiores folgas. Isso até ver meu salário decuplicado da noite para o dia, passando de 10 para 100 salários mínimos.

Jamais conseguiria gastar tanto dinheiro. Aprendi em menos de três meses.

Agora eu assistia a todos os jogos do Fluminense. Podia ser uma partida numa quarta-feira à noite, no estádio da Fonte Nova, na Bahia, ou um amistoso em Huelva, na Espanha, num domingo à tarde, saindo do Galeão na sexta-feira (primeira classe da Varig) e regressando em seguida para o Brasil. Sem contar extravagâncias como ir a Sarajevo, na atual Bósnia (antiga Iugoslávia), apenas para ver uma única partida.

No apartamento que comprei em Ipanema, com vista para o mar, certa ocasião aluguei um Fusca (meus dois outros carros e minha moto estavam na oficina) e o esqueci na garagem durante três meses.

Quando fui interpelado pelo síndico (só tinha vaga para dois automóveis) é que me lembrei do Fusquinha e fui devolvê-lo. Foi um sufoco para convencer o dono da locadora a pagar somente a metade, já que rodara nesse tempo menos de quinze quilômetros.

Se estivesse em um aeroporto com a família, e o avião atrasava muito, mais do que depressa eu alugava um jatinho da Líder.

Praticava esporte. Mais precisamente autobol, que é futebol de automóveis. Tinha de comprar um carro por semana (geralmente táxis velhos Gordini e Volks 1300 4 portas).

Certa ocasião, o Castro (dono da oficina que consertava e pintava os carros com as cores dos times) me disse que meu adversário, o América (eu jogava pelo Fluminense), estava devendo um dinheirão (digamos, uns 25 mil reais em valores de hoje) e não podia liberar os carros para o jogo.

Não pensei duas vezes. Quitei a dívida do oponente e a partida pôde ser realizada.

Um dos caras mais ricos do mercado, amigo meu até hoje, que jogava autobol pelo Botafogo, me deu uma bronca.

“Você gasta dinheiro demais, Ivan. Um dia, vai se arrepender.”

Vindo de quem vinha, o conselho era para assustar. Mas não assustou.

Foi nessa ocasião que comecei a acompanhar corridas de Formula 1 ao redor do mundo, sempre me hospedando numa das melhores suítes do melhor hotel (justamente num fim de semana onde os preços subiam vertiginosamente, por causa da competição).

Quando me mudei de armas e bagagens para os mercados futuros de Chicago e Nova York, havia meses no qual as contas fechavam no vermelho (eu especulava adoidado para mim mesmo). Em outros, ganhava uma nota preta, como, por exemplo, quando acertei o bull market da soja em Chicago (1988).

Mesmo nessas ocasiões mais radiantes, eu não economizava um dólar sequer. Reaplicava tudo em calls, puts, futuros, shorts, spreads e seja lá o que fosse que o cardápio do mercado oferecesse.

Só em 1995, quando me tornei escritor, com todas as limitações financeiras da profissão, tomei vergonha na cara. Não só diminuí os gastos pessoais como passei a economizar.

Em 2008, ao vender, por 200 mil dólares, os direitos de filmagem de Os mercadores da noite, economizei três quartos desse dinheiro, sendo o restante gasto no casamento de minha filha, despesa essa da qual não me arrependo nem um pouco.

Recaída do Ivan gastador

Agora, os direitos autorais estão dando uma folga e estou tendo uma recaída.

Não só passei o Carnaval num resort de luxo, como fiz questão da melhor suíte, que dispunha de uma banheira de hidromassagem, na qual não entrei com medo de não ter forças nem jeito de conseguir sair lá de dentro.

No próximo dia 17, irei passar um fim de semana no interior de São Paulo. Meu voo decola às 09:15 da manhã de uma sexta-feira do Santos Dumont.

Poderia sair daqui de casa numa boa. Mas preferi dormir no melhor hotel do aeroporto. Não num quarto qualquer (diária: 299 reais), mas na Suíte Superior Executiva (com terraço e vista para o mar: R$828,45).

Como ninguém é de ferro, minha mulher e eu jantaremos nesse terraço, acompanhados de um bom vinho (ela) e de um excelente Gentleman Jack ou Double Black (eu). Afinal de contas, nessa noite estarei completando 79 anos.

Como disse o Pedro Cerize durante uma palestra num evento de aniversário da Inversa, “shortear” o Ivan é mau negócio. “Ele não morre”, completou. Não percebi se o tom da voz era de regozijo ou de lamento.

Pois bem, enquanto não morro, acho melhor baixar o facho e voltar a poupar com consistência, tal como iniciei em 1995.

Espero que o caro amigo leitor siga minhas dicas quando o aconselho a investir o que sobra, e sempre fazer com que sobre algum, e jamais saia gastando dinheiro por aí.

Seja o Ivan “unha de fome” e abjure o Ivan perdulário.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Cannabusiness

O dia não tão distante em os supermercados americanos venderão produtos feitos com planta de maconha

Todos querem sua fatia de uma indústria que deve ultrapassar os US$ 2 bilhões nos EUA até o próximo ano, uma vez que pesquisas vêm mostrando que os consumidores estão dispostos a pagar preços mais altos pelos produtos

Reduzindo os gargalos

Judiciário prepara pacote de medidas para acelerar recuperações judiciais

Em média, em São Paulo, são 567 dias (cerca de um ano e meio) entre a Justiça aceitar o pedido de recuperação de uma empresa e apreciar o plano de reestruturação

Seu Dinheiro no sábado

MAIS LIDAS: Esse filme eu já vi

Na semana em que o futuro pareceu repetir o passado, o assunto mais comentado não podia ser outro: o tsumani político que varreu Brasília. O enredo que incluiu derrotas do governo no Congresso, investigações do Ministério Público, manifestações de rua e investidores à beira de um ataque de nervos de fato me trouxe recordações recentes, […]

Pague pelo celular

Após avanço do Itaú, Mercado Pago amplia parcerias com lojas para pagamentos instantâneos

Empresa do site Mercado Livre fecha parceria com redes de farmácia e de alimentos para aceitar pagamentos pelo sistema de “QR Code”, que agora entrou na mira do Itaú

Plano de expansão

Rede de pizzarias Domino’s quer crescer com lojas próprias

Comprada pelo fundo Vinci Partners por R$ 300 milhões, a Domino’s prevê a abertura mais 460 pontos de venda no país – hoje são 241

Aérea em crise

Dono da Avianca é tirado do comando da empresa pela United

A decisão da companhia americana ocorreu após a Avianca divulgar, na quinta-feira, prejuízo de US$ 67,9 milhões no primeiro trimestre de 2019

Combustíveis

Petrobras reduz em R$ 0,09 o preço da gasolina nas refinarias

Para a redução da gasolina chegar na bomba, porém, é preciso que os postos de combustível repassem a queda no preço

Que bolsa é essa?

Vale ainda é uma mina de problemas, mas resultados contam outra história

Depois de algum tempo defendendo que era hora de esperar e, com todo respeito às vítimas das tragédias em Brumadinho e Mariana, acho que está na hora de comprar as ações, desde que você tenha estômago para aguentar a inevitável volatilidade que devemos ter pela frente

Não está sendo fácil

Deu ruim pra Cielo! Empresa retira projeção de lucro e corta dividendos dos acionistas

Projeções de lucro entre R$ 2,3 bilhões e R$ 2,6 bilhões foram extintas, enquanto o percentual de distribuição de dividendos caiu para 30%

Só assim resolve!

Se não aprovar a Previdência, só chamando um ministro da Alquimia, diz Bolsonaro

Segundo presidente, mídia tenta criar atrito, mas casamento com Paulo Guedes segue mais forte que nunca. Ministério da Economia solta nota oficial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements