Menu
2019-08-06T17:15:58+00:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Fintech

Por que o Nubank cresce, mas ainda dá prejuízo?

Com mais de seis milhões de usuários de seu inconfundível cartão de crédito na cor roxa, o Nubank jamais deu lucro. Mas as outras linhas do balanço mostram que essa tendência pode se reverter

31 de março de 2019
12:30 - atualizado às 17:15
Cartão nubank
Cartão nubank - Imagem: shutterstock

Com mais de seis milhões de usuários de seu inconfundível cartão de crédito na cor roxa, o Nubank é de longe o maior caso de sucesso no país entre as novas empresas de tecnologia financeira, as chamadas “fintechs”. Mas desde que entrou em operação há cinco anos, a emissora de cartões e banco digital jamais deu lucro. O que acontece?

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Quando eu comecei a cobrir o setor financeiro como repórter, há mais de uma década, um experiente analista do setor me ensinou uma regra de ouro: banco não pode dar prejuízo.

Com base nessa avaliação, os números do Nubank deveriam preocupar. Em 2018, registrou um resultado negativo de R$ 100,3 milhões. Um pouco melhor que a perda de R$ 117 milhões do ano anterior, é verdade. Mas os prejuízos acumulados desde a criação da fintech que tem apenas cinco anos de vida já somam quase R$ 380 milhões.

De todo modo, o Nubank não pode ser avaliado como um banco qualquer, e sim como uma empresa de tecnologia. Até aqui, os sucessivos prejuízos vêm sendo bancados com aportes de grandes fundos internacionais, que já investiram mais de US$ 700 milhões. Na última rodada, a fintech foi avaliada em quase US$ 3,9 bilhões (mais de R$ 15 bilhões, nas cotações atuais).

Fase de crescimento

Ao investir no Nubank, os fundos miram não a última linha do resultado, que traz o lucro ou prejuízo, mas nas outras linhas do balanço. A grande aposta é que a empresa vai liderar o processo de “disrupção” na oferta de serviços financeiros no Brasil. Isso, aliás, já está acontecendo.

Com seu cartão de crédito sem a cobrança de anuidade, aliado a um aplicativo de celular intuitivo, o Nubank caiu no gosto dos clientes, em particular os jovens da geração “millennial”, que não eram bem atendidos pelos bancos tradicionais.

O Nubank encerrou o ano passado com um total R$ 10,7 bilhões em ativos, um aumento de 128% em relação a dezembro de 2017 e quase o dobro do Banco Inter, outra fintech que também está em crescimento acelerado.

Mas como o Nubank ganha dinheiro se não cobra a anuidade do cartão? As receitas hoje vêm de duas principais fontes: as taxas de intercâmbio, um percentual cobrado dos estabelecimentos comerciais a cada compra feita no cartão, e com os juros nas compras feitas no rotativo ou parcelamento.

Em 2018, a receita total da fintech mais que dobrou e alcançou R$ 1,233 bilhão. Mas ainda não é suficiente para cobrir as despesas operacionais e com provisões para calotes, por isso a empresa ainda opera no vermelho.

Eu ouvi uma vez do Nubank que uma das fontes do prejuízo vem justamente do crescimento acelerado. Isso porque cada novo cliente traz um custo inicial com a emissão do cartão e as inevitáveis fraudes que acontecem no meio do processo.

A boa notícia é que o crescimento das despesas no ano passado foi menor que o aumento das receitas, um sinal de que a proporção entre novos clientes e os "maduros" começa a ser favorável para a empresa.

Vem IPO por aí?

A grande expectativa do mercado é que o Nubank venha em breve, provavelmente ainda neste ano, para a bolsa e faça uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Para isso, o grande desafio do Nubank será mostrar aos investidores que, além de ser bom para o cliente, também pode ser rentável para o acionista.

Os críticos desse modelo argumentam que o negócio de cartões não para em pé da forma como está hoje, já que boa parte da receita de intercâmbio não fica com a empresa, mas com a bandeira (Mastercard).

O maior receio é que a fintech repita a trajetória de empresas como a Netshoes, que conseguiu abrir o capital na bolsa de Nova York, mas não foi capaz de entregar resultados aos acionistas.

Ampliando o portfólio

O Nubank já deu a resposta mostrando que vai muito além das operações com cartões. A empresa lançou em 2017 a NuConta, com a qual ampliou a gama de serviços (e potenciais fontes de receita) e já ultrapassou a marca de 4 milhões de clientes.

Recentemente, também obteve autorização para abrir uma financeira, com a qual passou a oferecer empréstimos pessoais e também poderá emitir letras de câmbio, ampliando as fontes de captação e diminuindo os custos de funding.

E você, o que acha do Nubank? A empresa conseguirá ser lucrativa mantendo a qualidade dos serviços? Deixe seu comentário logo abaixo ou lá no meu Twitter.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Apoio declarado

Em podcast, Maia diz que decisão do governo de transferir Coaf para BC é boa

Presidente da Câmara afirmou também que a Casa irá discutir a proposta de autonomia do Banco Central

Seu Dinheiro na sua noite

Belo, recatado e dólar

Foi Edmar Bacha, um dos criadores do Plano Real, quem ensinou a jamais fazer previsões sobre o dólar. É dele a conhecida frase de que a taxa de câmbio foi criada por Deus apenas para humilhar os economistas. Hoje foi um típico dia de humilhação para quem acompanha o mercado financeiro. Mesmo com o noticiário […]

Google e Facebook na mira

Procuradores dos EUA preparam investigação antitruste de gigantes de tecnologia

Investigações devem se concentrar no uso de algumas plataformas de tecnologia dominantes para ofuscar a concorrência

Dança das cadeiras

Receita confirma substituição do subsecretário-geral João Paulo Ramos Fachada

Servidor de carreira, Fachada era o número dois da Receita e é, na prática, o responsável pela gestão do dia a dia do Fisco

Agilidade

Líder do governo defende votar reforma tributária em 45 dias no Senado

Se executado, o prazo coincidiria com a tramitação da reforma da Previdência na Casa

Grupo das aéreas

Avianca Brasil deixará Star Alliance em setembro

Com o movimento, a rede global de companhias aéreas não terá mais empresas brasileiras entre seus membros

Enquanto isso, no Congresso...

Projeto de Lei que reduz para 1% royalties de campos de petróleo marginais avança no Congresso

PL 4663/2016, de autoria de Beto Rosado (Progressista/RN) propõe cortar de 10% para 1% o royalty sobre a produção de campos marginais

BR Distribuidora na conta

Postos ‘bandeira branca’ ganham força e geração de caixa de gigantes de distribuição decepcionam no 2º tri

No centro do problema, as gigantes do setor BR Distribuidora, Raízen Combustíveis e Ipiranga apontaram um vilão em comum: a crise econômica

Expectativas

Vice-presidente da Toyota Brasil diz que venda direta deve chegar a 50% no país em 2019

Vendas diretas são como o setor chama os veículos vendidos pelas montadoras diretamente para os clientes

Comércio com o exterior

Balança comercial tem superávit de US$ 701 milhões na terceira semana de agosto

Em agosto, o superávit acumulado é de US$ 1,222 bilhão. Já no total do ano, o superávit é de US$ 29,697 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements