Menu
2019-12-11T12:06:55-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Análise

PIB anima, mas foco deve permanecer no ajuste fiscal

Controle do gasto público é fundamental para manutenção da Selic baixa e do protagonismo do setor privado na retomada da atividade

3 de dezembro de 2019
11:24 - atualizado às 12:06
Setas-abaixo-acima
Imagem: Shutterstock

O Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre surpreendeu positivamente e pode ser visto como uma confirmação de que a economia engrena uma recuperação. Os dados serão comemorados pelo mercado e pelo governo, mas o fator fundamental para que esse otimismo se sustente é a continuidade da agenda de reformas fiscais.

Resumindo uma longa história, foi o redesenho da política fiscal brasileira desde 2015/2016 que permitiu a queda nas taxas de juros. Boa parte da alta da bolsa e do resultado das empresas decorre desse menor custo do dinheiro, dessa queda no custo de capital e consequente melhora no “valuation” das empresas (BTG fez um interessante estudo sobre isso).

Tanto o Ministério da Economia quanto o Banco Central (BC) têm falado sobre uma mudança estrutural da economia brasileira, um ambiente de política fiscal restrita e juros mais baixos. Discutimos as implicações disso sobre a taxa de câmbio, mas esse “novo normal” também tem impactos sobre a matriz de crescimento da economia.

Crowding in

Os dados do terceiro trimestre reforçam a tese do governo de que “à medida que se observam esforços para reduzir o tamanho do Estado, o setor privado vai tomando seu lugar, e a economia de mercado passa a ser protagonista do crescimento ao invés das expansões periódicas de gasto público, que se mostraram insustentáveis”.

É chamado efeito “crowding in”, que segundo a própria Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Economia, significa que os investimentos privados passam a substituir os investimentos públicos na economia.

Nesse terceiro trimestre, para dar um dado sobre esse movimento, temos que o consumo das famílias cresceu 0,8%, enquanto as despesas de consumo do governo recuaram em 0,4%. Destaque também para os investimentos privados, que seguem em recuperação.

Isso evidencia uma melhora na qualidade do crescimento. Segundo o governo, um crescimento feito com dinheiro privado resulta em maior produtividade, e a expectativa é que a continuidade desse movimento leve a um crescimento mais sustentado ao longo dos próximos anos.

O fator primordial para a continuidade desse movimento é a persistência no ajuste fiscal, pois é isso que abre a possibilidade de termos juros baixos, notadamente as taxas de longo prazo, por longo período.

A reforma da Previdência foi o primeiro e mais urgente ajuste, mas a trajetória do gasto público segue preocupante. Teremos mais um ano com déficit nominal e dívida bruta rondando a linha dos 80% do PIB.

A melhora do crescimento, que já está contratada, é vetor favorável ao ajuste das contas públicas, mas também pode trazer consigo um risco de complacência da classe política com relação a algumas medidas ainda amargas que precisam ser tomadas.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Injeção de otimismo

Ibovespa abre em alta e dólar cai; mercados reagem bem ao Copom e à S&P

O Ibovespa sobe e recupera os 111 mil pontos, impulsionado pelos sinais do BC em relação à Selic e à visão positiva da S&P Global quanto ao Brasil

Mercado de capitais

IPO de empresas brasileiras no exterior deixa gosto amargo, diz presidente da B3

Com o avanço da tecnologia, o Brasil precisa ter uma regulação flexível senão corre o risco de perder o bonde, segundo Gilson Finkelsztain

Venda de ativos da Ab Inbev na Austrália é questionada por regulador

O órgão de concorrência da Austrália demonstrou preocupação com um acordo da Anheuser-Busch InBev (AB InBev) para vender suas operações no país para a japonesa Asahi, disse a Reuters. A negociação é avaliada em mais de US$ 11 bilhões. Órgão regulador australiano, o ACCC avaliou de maneira preliminar que a venda vai reduzir a concorrência […]

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta quinta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

em busca de recursos

Eneva emite R$ 650 milhões em debêntures

Os recursos obtidos pela empresa vão ser usados para investimento, pagamento futuro ou reembolso relacionados ao projeto Parque dos Gaviões

arrumando as contas

País paga dívida com ONU e banco do Brics

Não pagamento à ONU poderia fazer com que o Brasil, pela primeira vez, perdesse o direito a voto no órgão a partir de 1.º de janeiro

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

Selic a 4,5%: como ficam seus investimentos?

O Banco Central derrubou a taxa básica de juros brasileira para 4,5% ao ano, a nova mínima histórica. Isso mexe com a rentabilidade de aplicações da renda fixa e favorece os investimentos em ações, imóveis e fundos imobiliários. O que você precisa saber hoje: Mercados • A taxa básica de juro brasileiro renovou sua mínima histórica […]

fim do impasse?

Câmara aprova MP que transfere Coaf para o BC; texto segue para Senado

Outra mudança foi a retirada, com a aprovação de um destaque, da atribuição do Coaf de produzir informação para combate ao financiamento do terrorismo

Dinheiro no bolso do acionista

CVC paga R$ 62 milhões em juros sobre capital próprio aos acionistas

Para o pagamento, que será realizado no dia 8 de janeiro, será considerada a posição acionária em 23 de dezembro de 2019, respeitando a negociação realizada no dia

novos ventos

Estrangeiros injetam R$ 161 bilhões em aquisições no Brasil

Depois de um 2018 permeado por incertezas provocadas pela corrida eleitoral, o ambiente voltou a ficar mais favorável para fechar operações de fusões e aquisições no Brasil

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements