Menu
2019-08-19T10:27:13+00:00
olho no rendimento

Parte dos fundos multimercados já rende menos do que a poupança

Levantamento revela que, de janeiro a julho deste ano, mais de 500 fundos multimercados entregaram ao investidor rendimento inferior ao da caderneta

19 de agosto de 2019
10:27
rendimento contas fundos
Taxas de administração dos fundos não caíram e, proporcionalmente, acabam sendo cada vez maiores, porque abocanham parte maior do rendimento. Imagem: Shutterstock

Juros baixos e elevadas taxas de administração têm derrubado a remuneração de fundos de investimento no Brasil. Levantamento feito para o Estadão/Broadcast revela que, de janeiro a julho deste ano, mais de 500 fundos multimercados entregaram ao investidor rendimento inferior ao da caderneta de poupança, que rendeu pouco mais de 2% no período. O mesmo fenômeno ocorre entre os fundos de ações: 110 carteiras não conseguiram surfar na alta de 16% da Bolsa paulista e ficaram atrás da poupança.

Ao contrário do passado, quando o rendimento de 1% ao mês era considerado fácil por muitos gestores, os números mostram que uma nova realidade se impôs à indústria de investimentos do Brasil. De um lado, gestores tentam fugir do menor juro da história com a busca por aplicações seguras e mais rentáveis. De outro, o setor não alterou comissões e taxas e continua cobrando porcentuais muito parecidos com os vistos quando o juro brasileiro estava em dois dígitos.

"O investidor precisa fazer pressão e mudar sua mentalidade. Ele também precisa entender que hoje só a referência do CDI (principal indicador da renda fixa e da indústria de investimento no Brasil) não importa", afirma o coordenador do mestrado em economia da Fundação Getulio Vargas (FGV), Ricardo Rochman, que produziu o estudo, analisando 3.818 fundos multimercados e 1.540 carteiras de ações. Segundo ele, com a tendência de novas quedas nos juros à frente, a vigília por parte dos investidores deve redobrar.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

A taxa Selic está em 6% ao ano e a referência do CDI gira em torno de 5,9% ao ano. Assim, a principal referência para os investimentos no Brasil foi de 3,6% de janeiro a julho de 2019.

Para piorar, as taxas de administração dos fundos não caíram e, proporcionalmente, acabam sendo cada vez maiores, porque abocanham parte maior do rendimento. Com juros de dois dígitos, essa cobrança era mais diluída e menos percebida. Nos fundos multimercados, a taxa mais comum é de 2% de administração acrescida de 20% de taxa de performance - ou seja, um pedágio adicional quando a rentabilidade é maior que a referência.

Uma conta rápida: se o fundo tem boa gestão e consegue pagar 110% do CDI, mas cobra 2% de taxa de administração, o rendimento que sobrará ao investidor será de 3,8% no ano.

O professor da FGV destaca que a melhor forma de o investidor analisar o fundo é manter atenção às taxas de administração e considerar o rendimento, usando como referência o CDI mais a rentabilidade adicional, ou seja: CDI (que hoje está em 5,9% ao ano) + x%. Dessa forma, defende o professor, fica mais fácil visualizar a rentabilidade.

O engenheiro Rodrigo Quaresma trocou os títulos do Tesouro por fundos, um deles é multimercado. Ele admite, porém, que poderia estar mais atento ao investimento. "Eu deveria acompanhar mais, mas falta tempo. Peço que os gerentes ou o pessoal da corretora acompanhe e me sinalize o que for necessário", conta. "Saí do Tesouro em parte porque as taxas não estavam me agradando quando comparadas ao rendimento. Mas é muito recente, ainda não sei se fiz um bom negócio."

Retorno baixo

O coordenador do Centro de Estudos em Finanças da FGV, William Eid Júnior, avalia que o principal problema é a baixa rentabilidade de uma grande parcela dos fundos e não as taxas cobradas em si.

De qualquer modo, ele reconhece que muitos gestores cobram a administração sem entregar nenhum diferencial. "Essas taxas só se justificam quando oferecem um retorno diferenciado. Se o fundo está entregando apenas o CDI, é melhor o investidor comprar o ETF (fundos negociados na Bolsa que buscam replicar uma carteira de ações que compõem determinado índice de mercado), que tem um custo baixo", comenta.

A consultora de investimentos da Órama, Sandra Blanco, afirma que o Brasil deverá seguir os passos já observados nos Estados Unidos, onde fundos multimercados e de ações começaram a reduzir as taxas de administração. Por aqui, o movimento começou nos fundos de renda fixa, com algumas casas zerando taxas de carteiras com papéis do Tesouro. No entanto, ela reconhece que é justificável a cobrança de 2% para fundos que trabalham com maior volatilidade, visto que é esse capital que remunera a gestora.

Ajuste

O vice-presidente da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), Carlos André, pondera que é natural que em determinado período uma parcela dos fundos não tenha desempenho positivo. Por isso, uma análise tem de ser feita utilizando uma janela maior de tempo, diz.
Em relação às taxas, André afirma que o mercado tende a se ajustar e uma mudança em relação às cobranças é decisão de cada participante e não da associação. (Colaborou Talita Nasciment)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Olho na Vale

Polícia apresentará em breve acusações criminais por Brumadinho, diz fonte

Autoridades devem acusar formalmente entre oito e 12 pessoas pelo crime de falsa representação na primeira de uma série de acusações

Seu Dinheiro na sua noite

Sobre a bolsa, datas e fatos relevantes

No dia 17 de setembro de 2010, o Ibovespa fechou aos 67.089 pontos, em queda de 0,85%. Me arrisco a dizer que nada muito digno de nota tenha acontecido nesse pregão específico da bolsa. Mas para mim ocorreu um fato mais do que relevante: o nascimento da minha filha mais nova. Voltei à redação dias […]

Fica pra próxima

Sem acordo, senadores recuam em projeto que beneficiaria partidos

Relator da proposta no Senado, Weverton Rocha (PDT-MA), retirou todos os demais trechos do texto em uma nova versão de seu parecer

Linha VIP

Bradesco e Itaú preparam crédito imobiliário ajustado pelo IPCA para endinheirado

Bancos privados correm atrás da concorrente Caixa Econômica Federal, que ofereceu a modalidade para o público em geral

Grana solta

Onyx anuncia liberação de R$ 8,3 bilhões em recursos do Orçamento

Informações do ministro mostram que, do total desbloqueado, R$ 1,9 bilhão ficará para a Educação

De olho nas cotações

Preocupações com a alta do petróleo diminuem após declarações de ministro saudita

O ministro de Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, afirmou que a oferta do petróleo voltou ao nível visto antes do ataque

Leilão em outubro

17 empresas se inscrevem para 16ª rodada de petróleo, diz ANP

Entre as inscritas, 15 são estrangeiras. Na 16ª Rodada de Licitações, vão ser oferecidos 36 blocos de pós-sal

De olho nos bons modelos

Por que Elon Musk acha que a Tesla tem que ser mais parecida com a Amazon?

Em uma ligação, Musk sugeriu que a Amazon não sobreviveria se utilizasse um modelo de entregas similar ao que a Tesla utiliza

boas novas

Desde lançamento, 20% dos financiamentos pela Caixa foram IPCA, diz CEO da Tecnisa

Linha de crédito atualizada pela inflação vale para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e no Sistema Financeiro Imobiliários (SFI)

Dicas valiosas

5 coisas que os ultrarricos estão fazendo (e que você deveria fazer) para proteger seu patrimônio

Pauta de uma recessão financeira entrou de vez na lista de grandes especialistas e proteger o seu patrimônio deve ser uma de suas prioridades

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements