Menu
2019-06-03T10:49:08+00:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ranking

Os melhores e piores investimentos de abril: ativos de risco se destacam por incrível que pareça

Ranking dos melhores investimentos do mês foi liderado por dólar e bolsa; títulos públicos de longo prazo atrelados à inflação tiveram desempenho negativo

1 de maio de 2019
5:33 - atualizado às 10:49
Medalhas de primeiro, segundo e terceiro lugar
Imagem: kovop58/Shutterstock

Em abril, o mercado financeiro brasileiro variou de tenso a parado. Mas, apesar disso, os ativos de risco, por incrível que pareça, foram os melhores investimentos do mês. Dentre os ativos e índices acompanhados pelo Seu Dinheiro, o dólar, o IFIX (índice que acompanha o desempenho dos fundos imobiliários negociados em bolsa) e o Ibovespa tiveram as maiores altas de abril.

Na outra ponta do ranking apareceram os títulos públicos de longo prazo atrelados à inflação. Enquanto os juros futuros mais curtos apresentaram queda, valorizando os prefixados e indexados à inflação de curto e médio prazos, os juros longos tiveram leve alta, penalizando os títulos com vencimento num futuro mais distante. Mesmo assim, os juros futuros não se mexeram muito em abril.

Aplicações de renda fixa conservadora aparecem no meio da lista, com a poupança antiga na liderança, seguida do CDI - taxa de juros que baliza o retorno dos investimentos de baixo risco. A poupança nova e o título público atrelado à Selic tiveram retorno bem mais modesto.

Confira o ranking, que inclui apenas os títulos públicos ainda disponíveis para compra via Tesouro Direto:

Os melhores investimentos de abril de 2019

Melhores investimentos de abril de 2019

Mês de aprovação da reforma da Previdência na CCJ

Abril foi o mês em que a reforma da Previdência, após muito sofrimento, finalmente passou na Comissão de Constituição de Justiça da Câmara (CCJ), apenas a primeira etapa de um longo e tortuoso caminho pelo qual a proposta terá que passar.

Também houve o episódio da intervenção do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras, em razão da alta do preço do diesel, que penalizou fortemente as ações da estatal. Ruídos políticos também abundaram em um mês em que a bolsa esteve muito sujeita ao cenário político.

Mesmo assim, a caminhada da reforma da Previdência e o noticiário corporativo, com a temporada de balanços, fizeram o Ibovespa se mover positivamente.

A Selic baixa também contribui para o brilho dos ativos de risco, notadamente dos fundos imobiliários, muito procurados em cenários em que a renda fixa passa a apresentar baixo retorno por conta da taxa básica de juros reduzida.

A reação fraca da atividade econômica contribui para que os ativos de risco se mantenham atrativos perante a renda fixa, uma vez que altas nos juros não estão à vista. Mas o embate em torno da aprovação da reforma da Previdência, que contribui para a economia meio parada, também não ajuda os juros futuros a caírem mais, por ora.

Quem brilhou na bolsa

Entre as ações, os papéis de companhias de alimentos focadas em proteína animal lideraram as altas do mês: BRF (BRFS3), JBS (JBSS3) e Marfrig (MRFG3) tiveram altas de dois dígitos frente às perspectivas de a China passar a comprar mais carne brasileira.

Melhores ações de abril de 2019

Na outra ponta, as ações da Cielo (CIEL3) foram as que mais sofreram, com a concorrência acirrada no setor de pagamentos, que já foi apelidada de "guerra das maquininhas".

Piores ações de abril de 2019

*Atualizado em 02/05/2016 com correção da variação do dólar PTAX.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

MAIS UMA

Bolsonaro afirma que governadores do Nordeste tentam manipular eleitor

O uso de um termo pejorativo para se referir aos nordestinos provocou a reação de governadores da região, que manifestaram “espanto e profunda indignação”

BNDES

Com BNDES menor, pode faltar crédito para investimento

O patamar de desembolsos em torno de R$ 70 bilhões por ano, sinalizado pelo novo presidente, equivale a 1% do Produto Interno Bruto, menor nível em 20 anos.

Boa notícia

Risco volta ao nível de quando país tinha selo de bom pagador

Além do avanço na reforma previdenciária, contribuiu para a redução do risco país o cenário de um mercado internacional mais calmo

Bandeira eleitoral

Tema “corrupção” perde espaço no Twitter de Bolsonaro

Depois de assumir o poder, o assunto perdeu espaço em sua timeline e, segundo levantamento no perfil do presidente, apareceu em apenas 1,4% das postagens.

Uma dose de realismo

Bilionários garantem: este é o melhor momento para se estar vivo

Bill Gates, Warren Buffett, Elon Musk e Barack Obama são categóricos: se você pudesse escolher qualquer momento na história para nascer, seria este.

Promessa é dívida

MAIS LIDAS: Oi e FGTS foram as grandes promessas da semana

São elas: a liberação do saque do FGTS pelo governo Bolsonaro e o plano da diretoria da Oi de tirar a empresa do buraco. Confira

Dá para se arrepender?

Opção do saque do FGTS será reversível

A ideia é que a nova opção de saque permita ao trabalhador resgatar uma parcela em troca de abrir mão da retirada de todo o fundo caso seja demitido sem justa causa

o novo sempre vem

Novo Mercado, nível 1 ou 2: Diga-me a governança da ação e eu te digo quais são os direitos do investidor

Segmento da B3 estabeleceu maior nível de governança entre as empresas e amenizou conflitos entre minoritários e controladores; são hoje 142 empresas no Novo Mercado

De olhos bem abertos

Dez bancos serão investigados por supostos abusos na oferta de consignado a idoso

As empresas têm dez dias para apresentar defesa e, posteriormente, se confirmados os indícios de infração, poderão ser multadas em até R$ 9,7 milhões. As notificações estão formalizadas no Diário Oficial da União (DOU) em despachos do DPDC, órgão da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Seu Dinheiro na sua noite

E o Oscar vai para…

As histórias que mexeram com seus investimentos hoje

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements