Menu
2019-10-14T14:22:37+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
na segunda

Na véspera do discurso de Bolsonaro na ONU, Brasil fica isolado da discussão sobre meio ambiente

Tema tem causado desgaste para o governo brasileiro no exterior e deve ser central na fala do presidente na abertura do encontro

24 de setembro de 2019
8:26 - atualizado às 14:22
Presidente da República Jair Bolsonaro
Presidente da República Jair Bolsonaro - Imagem: Marcos Corrêa/PR

Na véspera do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil ficou isolado do principal foro de discussão sobre meio ambiente. O tema tem causado desgaste para o governo brasileiro no exterior e deve ser central na fala do presidente na abertura do encontro da ONU em Nova York.

Nesta segunda-feira, 23, líderes internacionais, entre eles o presidente francês, Emmanuel Macron, debateram os rumos das florestas tropicais no mundo - incluindo a Amazônia, a maior delas - sem a presença de representantes do governo brasileiro.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Desembarque

A Assembleia-Geral da ONU se tornou o maior teste de política externa para Bolsonaro, que desembarcou na tarde desta segunda na cidade americana.

Conforme a tradição, o presidente do Brasil é o responsável pelo discurso de abertura, mas o que difere dos anos anteriores é a atenção que tem sido dispensada ao País. Pouco menos de um mês antes do evento, imagens da Amazônia em chamas foram parar nas manchetes dos principais jornais estrangeiros e as queimadas na floresta viraram assunto de líderes mundiais.

Nesta segunda-feira, enquanto Bolsonaro viajava de Brasília a Nova York, presidentes de diversos países anunciavam, em reunião da Cúpula do Clima da ONU, a liberação de US$ 500 milhões do Banco Mundial, do Banco Interamericano de Desenvolvimento e da ONG Conservação Internacional para ajudar a proteger as florestas tropicais do mundo.

O encontro foi liderado por Macron, com quem Bolsonaro travou em setembro uma queda de braço em torno da questão ambiental. Apenas o governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), representou o País, e sem espaço de fala, após uma oposição feita pela Colômbia. A articulação para barrar a manifestação de Góes foi feita pelo Itamaraty, conforme o jornal O Estado de S. Paulo apurou.

Crise diplomática

O governo brasileiro tenta fazer dos corredores das Nações Unidas um palco para gestão da crise diplomática que teve como fator de combustão as falas de Bolsonaro - durante a campanha e já na cadeira de presidente - sobre política ambiental e a exploração da floresta.

Bolsonaro terá 20 minutos para seu discurso. Deverá defender a soberania do País e os compromissos ambientais. Nos Estados Unidos há seis dias, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tem concedido entrevistas à imprensa internacional para afirmar que as queimadas estão dentro de uma média dos últimos 15 anos.

O Planalto tem contestado o que chama de tentativa de intervenção e de ferir a soberania brasileira. Com base neste argumento, Macron já foi alvo de ataques. No evento desta segunda, o francês quis se mostrar aberto ao diálogo, mas criticou a ausência do Brasil, que detém mais de 60% de todo o bioma amazônico, dividido com oito países.

"Riscos? Francamente, tem um primeiro... Todo mundo pergunta: como vai fazer sem o Brasil? O Brasil é bem-vindo, eu acho que todos devem trabalhar com o Brasil, com os Estados da região. É bom que isso aconteça de forma respeitosa. As próximas semanas permitirão uma solução política que será um avanço", disse Mácron.

Fundo

O presidente francês, que vem se indispondo desde a reunião do G-7 com Bolsonaro, questionou o posicionamento do País sobre o Fundo Amazônia. "A gente se reúne, tem números, palavras, mas nada de resultado.

Quando eu olho para as coisas, o que me inquieta é o Fundo Amazônia, que foi suspenso porque o Brasil não cumpriu a integralidade dos critérios que foram definidos", disse Macron se referindo à suspensão de parte dos repasses por Noruega e Alemanha, os dois principais colaboradores do fundo.

Ao Estado, Góes, que estava representando os Estados da região como presidente do Consórcio da Amazônia Legal, afirmou achar uma "pena" não ter tido a chance de se pronunciar. "É um debate importantíssimo, vimos pessoas do mundo inteiro se posicionando sobre a Amazônia e não teve ninguém do governo brasileiro falando."

Apesar de liberação de US$ 500 milhões para ajudar a proteger as florestas tropicais do mundo, o governo brasileiro tem rejeitado ajuda internacional que venha com o selo dos europeus. Cerca de uma hora depois do evento, Salles foi alertado por um assessor de que Macron estava a poucos metros de distância dele, em uma antessala de conferências da ONU.

O ministro do Meio Ambiente buscou o francês com o olhar, mas preferiu não ir até ele. Questionado pela reportagem sobre o anúncio da nova verba, Salles respondeu: "É por semana ou por mês que irão pagar isso?". O ministro não se manifestou sobre a ausência do Brasil no encontro.

Já o chanceler Ernesto Araújo, que tinha na agenda uma reunião do Grupo de Lima sobre Venezuela, trocou o debate sobre o país vizinho por um encontro protagonizado pelo governo americano sobre proteção às liberdades religiosas.

Trump

Bolsonaro não contou com um aceno de boas-vindas do presidente americano, Donald Trump. Apesar de dizer, no corredor da ONU, que o brasileiro "é um bom homem", Trump não teve um encontro com Bolsonaro. O americano esteve no hotel onde Bolsonaro está hospedado, em reuniões, mas os dois não se viram. Trump deixou o hotel Intercontinental por volta das 18h40, duas horas depois de Bolsonaro chegar ao local.

Segundo assessores, Bolsonaro chegou cansado do voo, no qual sentiu desconforto, e evitou compromissos. Pela primeira vez, o presidente usou um quarto privado no avião presidencial para descansar. Ainda há possibilidade de uma reunião entre os dois nesta terça-feira, 24.

Trump tem sido o maior fiador do brasileiro no cenário internacional, diante dos sinais do Planalto e do Itamaraty de que o governo Bolsonaro quer inaugurar uma "nova era" nas relações entre Brasil e EUA.

Bolsonaro debateu o texto do discurso com Araújo, com o ministro de Segurança Institucional, Augusto Heleno, com o assessor de Relações Internacionais do Planalto, Filipe Martins, e com seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira que o presidente Jair Bolsonaro deverá falar em seu discurso na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) que o Brasil não está se negando a resolver os problemas das queimadas na Amazônia.

"Me deu a impressão de que ele vai fazer um discurso mostrando tudo o que o Brasil teve de avanços, que o Brasil tem problemas, mas que não está se negando a resolver o problema das queimadas em área ilegal.

Em área ilegal, todos nós brasileiros somos radicalmente contrários a qualquer tipo de desmatamento ou queimada", disse Maia, em Curitiba. Os dois se encontraram no sábado, quando Maia visitou Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

*Com informações do jornal O Estado de S. Paulo e Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Entrevista

Com juro baixo “estrutural”, Paineiras está otimista com bolsa e título de longo prazo

Gestora que tem 12 anos de história avalia que Selic baixa veio para ficar e que dólar acima de R$ 4 não é impeditivo para valorização do Ibovespa

A Bula do Mercado

Mercado olha para o que vem depois da Previdência

Investidor confia na agenda econômica positiva, com nova pauta das reformas, leilões e privatizações

Dia histórico?

Novela da Previdência deve acabar hoje com final mais feliz que o esperado

Senado termina de votar emendas pela manhã e texto da reforma vai para o segundo turno de votação à tarde

Seu Dinheiro na sua noite

Um novo recorde na maratona da bolsa

No dia 12 de outubro, o queniano Eliud Kipchoge atingiu uma marca considerada por muito tempo impossível para um ser humano: correr os 42 quilômetros da maratona em menos de duas horas. O campeão olímpico dos Jogos do Rio cruzou a linha de chegada em uma prova não-oficial realizada em Viena, na Áustria, com o […]

Mudanças no funcionalismo público

Maia quer iniciar reforma administrativa até a próxima semana na Câmara

Estratégia traçada pelo presidente da Câmara, porém, ainda depende do aval de lideranças e também da equipe econômica

Só falta um passo

Sem mudanças no radar, conclusão da reforma da Previdência pode se estender até quarta-feira

O texto da reforma que será votado prevê uma economia fiscal de R$ 800 bilhões em dez anos

O poder das redes

Facebook, de Mark Zuckerberg, pega Rússia e Irã tentando intervir nas eleições dos EUA em 2020

Notícia vem em meio a uma ofensiva que a gigante das redes sociais tem feito para combater ataques nas eleições mundo afora

Dinheiro na mão mais cedo

Caixa antecipa saque imediato do FGTS. Tudo será pago em 2019

Calendário de saque para não correntistas que iria até março de 2020 foi antecipado. Assim, todo impacto da liberação, estimada em R$ 40 bilhões, acontecerá em 2019

chegando no gigante asiático

Tesla recebe sinal verde para fabricar veículos na China

Ministério da Indústria da China concedeu à montadora do bilionário Elon Musk a autorização para operar

Negócios da educação

Yduqs ganha nova cara e cresce em quantidade e qualidade com compra da dona do Ibmec

Aquisição de R$ 1,92 bilhões é a maior da história da antiga Estácio Participações, que passa a contar com um total de 680 mil alunos, e coloca as ações da Yduqs entre as maiores altas do Ibovespa. Saiba o que os analistas disseram sobre o negócio

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Pular para a barra de ferramentas