Menu
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Efeito da mudança da embaixada de Israel

Líder árabe diz que embargo saudita à carne brasileira é retaliação ao governo Bolsonaro

Amr Moussa afirmou que países árabes estão enfurecidos com a decisão de Bolsonaro de mudar a embaixada de Israel para Jerusalém; ações da BRF caem forte na bolsa

22 de janeiro de 2019
16:53 - atualizado às 20:03
Sauditas anunciaram o descredenciamento de 33 unidades exportadoras de carne de frango do Brasil - Imagem: Shutterstock

A decisão da Arábia Saudita de suspender a compra de carne de frango do Brasil seria uma retaliação à ideia estudada pelo governo Bolsonaro de mudar a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém. A informação foi divulgada pelo secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, durante as reuniões do Fórum Econômico Mundial em Davos.

Segundo Moussa, "o mundo árabe está enfurecido (com o Brasil), e essa é uma expressão de protesto contra uma decisão errada por parte do país". O secretário árabe também disse que "os países árabes seguem sem entender o motivo pelo qual o novo presidente do Brasil trata o mundo árabe desta forma". Para ele, a única forma de evitar pautas hostis como a decisão saudita é o governo brasileiro desistir da ideia.

Barrados na fronteira

O governo saudita anunciou nesta terça-feira, 22, ter descredenciado 33 unidades habilitadas a exportar carne de frango para o país, de um total de 58. No Brasil, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) esclareceu que das 58 plantas 30 estavam de fato exportando o produto para os sauditas. E destas 30, 25 continuam habilitadas.

O movimento teve forte impacto na bolsa, sobretudo sobre a BRF e a Marfrig. Ações ordinárias da Marfrig lideravam as perdas do Ibovespa nesta tarde e caíam 4,31% às 16h30. No mesmo momento, papéis da BRF perdiam 4,16%.

Vale lembrar que, há poucas semanas, a Liga Árabe decidiu aumentar a pressão sobre o governo de Bolsonaro e aprovou, no Cairo, uma resolução pedindo que o Brasil "respeite o direito internacional" e que abandone a ideia de mudar a embaixada do País de Tel-Aviv para Jerusalém.

Outra decisão anunciada por Cairo foi o envio de uma "delegação de alto escalão" ao Brasil para lidar com a crise e para informar ao novo governo de Bolsonaro da necessidade de "cumprir o direito internacional" no que se refere à situação de Jerusalém.

Governo reage

Membros do governo Bolsonaro também reagiram à fala do secretário-geral da Liga Árabe. O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, afirmou que "não dá para saber se decisão dos sauditas teve viés ideológico".

Já o presidente em exercício, Hamilton Mourão, disse que a intenção do presidente Jair Bolsonaro de mudar a embaixada em Israel não deveria ser motivo para um embargo saudita, à medida que ainda não foi concretizada.

"A embaixada não está mudada ainda, o pessoal está se antecipando ao inimigo", declarou Mourão, quando perguntado se a suspensão seria uma retaliação.

*Com Estadão Conteúdo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
"Acordo muito bom"

Trump sinaliza otimismo com a China ao dizer que Estados Unidos estão “muito próximos” de um acordo comercial

Em pronunciamento presidente norte-americano voltou a dizer que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas

Caso Coaf

Investigação sobre Queiroz vai para grupo de combate à corrupção do Ministério Público

Na prática, a mudança na condução do processo indica um aprofundamento nas apurações

Para colocar fim à crise

Bolsonaro decide que vai manter Bebianno em seu governo

Ministro foi pivô de uma crise política depois de ter sido chamado publicamente de mentiroso pelo presidente e seu filho Carlos Bolsonaro

Mudanças no radar

Governo está revendo o Rota 2030, mas não há proposta alternativa, diz secretário

Projeto começou a ser discutido pelo governo Temer com representantes do setor automotivo em 2017 e foi aprovado no fim do ano passado

Bilhões e mais bilhões

Lucro dos grandes bancos passa dos R$ 73 bilhões em 2018 e supera gasto com calotes

No ano passado, o lucro líquido consolidado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil subiu 12,77% em relação a 2017

Caso Bebianno volta a assombrar

Para Alcolumbre, tensão política no governo não deve atrapalhar o andamento da reforma da Previdência

Crise entre Bolsonaro e Gustavo Bebianno ocorre no momento em que o Planalto tenta manter coesão para as negociações da reforma no Congresso

Depois do pente fino

Impacto fiscal da reforma da Previdência deve recuar em até R$ 600 bilhões no Congresso

Previsão é de Christopher Garman, diretor da consultoria de risco político Eurasia. Para ele, negociações devem limitar o projeto

Nova gestão

Grupo Heineken no Brasil terá, pela primeira vez, um brasileiro no comando

Mauricio Giamellaro começou na empresa há cerca de sete anos, e desde então havia atuado como vice-presidente de vendas e distribuição.

medidas antidumping

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro, mas isenta 14 empresas

De acordo com anúncio do Ministério do Comércio local, os importadores do frango brasileiro deverão pagar tarifas de 17,8% a 32,4% a partir do próximo domingo, 17

Por valor não reconhecido

Usiminas diz que continuará com trâmites judiciais sobre dívida da Eletrobras

Empresa conseguiu reverter a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e da Cofins, cobranças que foram questionadas pela empresa na Justiça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu