Menu
2019-11-14T15:04:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Tem que melhorar

Fitch mantém nota de crédito do Brasil em grau especulativo

Ainda falta um bocado de consolidação fiscal e crescimento econômico para o país retomar o almejado grau de investimento

14 de novembro de 2019
14:10 - atualizado às 15:04
Crise no Brasil
Crise no Brasil - Imagem: Shutterstock

Apesar da torcida do mercado e de indicadores positivos como risco-país e taxas de juros, ainda falta um bocado de consolidação fiscal e crescimento econômico para o país retomar o almejado grau de investimento.

Nesta quinta-feira, a agência de classificação de risco Fitch manteve a nota do Brasil em “BB-”, três degraus abaixo do “investment grade”. Além disso, a Fitch sinalizou que uma mudança de nota deve demorar mais um pouco, já que manteve a perspectiva estável para sua avaliação.

Esse "selo de bom pagador" é exigido por grandes investidores internacionais, como fundos de pensão, para alocar recursos em um determinado país. Mas mais do que essa chancela prática, o grau de investimento é o reconhecimento na comunidade financeira internacional de que o país é civilizado o suficiente em termos macroeconômicos para receber parcela da poupança mundial.

Em comunicado, a Fitch diz que a nota brasileira é restringida por um elevado e crescente endividamento do governo; uma rígida estrutura fiscal e baixo potencial de crescimento econômico. Além disso, o cenário político é “difícil”, incluindo um Congresso fragmentado e escândalos de corrupção que dificultam uma aprovação tempestiva das reformas fiscais e econômicas.

Nem tudo é crítica na avaliação, pois a Fitch reconhece a importância da aprovação da reforma da Previdência e também da venda de ativos e desinvestimentos feitos pela Petrobras e bancos públicos.

A agência também chama atenção para o pacote de reformas “Mais Brasil”, que tenta melhorar o gerenciamento da política fiscal, ampliar a flexibilidade orçamentária e redesenhar a relação fiscal entre União, Estados e municípios. Mas pondera as dificuldades de aprovação.

Sem superávit, sem grau de investimento

Em sua nota, a Fitch chama atenção para elevada dívida sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, que está na linha de 79%, contra uma mediana de 46,7% dos demais países que estão no grupo de nota “BB”.

Mais importante que isso é que nas condições atuais, a Fitch avalia que esse endividamento continuará crescendo ao longo da próxima década. A conta é simples, gastando mais do que arrecada, o governo seguirá se endividando. Para a agência, bateremos nos 80% do PIB em 2020. A dívida não é ainda maior em função da devolução antecipada dos empréstimos feitos ao BNDES.

Para a Fitch, o superávit primário necessário para estabilizar (veja bem, estabilizar) a relação dívida/PIB seria de 3 pontos percentuais do Produto, hoje temos déficit ao redor de 1%.

Para dar uma melhor dimensão dessa trajetória do endividamento, quando o Brasil recebeu a classificação de “grau de investimento”, em 2008, o percentual estava ao redor dos 56%. Mas mais importante que o patamar era a trajetória de queda. Em 2013, a dívida estava em 51,5% do PIB. O que temos é que desde então, a dívida sobre o PIB aumentou quase 30 pontos do PIB (pergunta: qual foi o benefício disso para a sociedade?).

Considerando o gasto com juro (que está caindo junto com a Selic), o déficit nominal está na linha dos 7%, ainda elevado em comparação com os pares de nota “BB”, que apresentam um buraco fiscal de 3% do PIB. Para o período 2020/2021, a Fitch estima que esse déficit vai recuar marginalmente para 6% do PIB e pondera que o resultado pode ser melhor caso o governo obtenha mais receitas não recorrentes, “embora isso não represente melhor estrutural”.

A Fitch trabalha com crescimento do PIB de 0,8% em 2019 e 2% em 2020, que também está abaixo da média dos países “BB”, de 3% e 3,2%. Para a agência, o andamento da agenda de reformas será crucial para impulsionar uma recuperação ainda maior.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

momento de tensão

Ações da Oi e da Vivo caem após nova fase da Lava Jato

Por volta das 12h desta terça-feira, os papeis ON da Oi (OIBR3) recuavam 2,15%, enquanto os papéis PN da Vivo (VIVT4) caíam 1,09%

polícia nas ruas

Lava Jato investiga relação de repasses da Oi para Gamecorp/Gol

Procuradoria identificou movimentação de R$ 40 milhões entre a Movile Internet Móvel, empresa do grupo Telefonica/Vivo, e a Editora Gol entre 15 de janeiro de 2014 e 18 de janeiro de 2016

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta terça-feira

As taxas do Tesouro Direto abriram com sinais mistos nesta terça-feira (10). O Tesouro IPCA+ 2024 (NTN-B Principal) é negociado com taxa de 2,24% ao ano mais IPCA, por um valor mínimo de R$ 58,86. O Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais 2050 (NTN-B) é negociado com taxa de 3,47% ao ano mais IPCA e aplicação […]

Um acordo no fim do túnel?

EUA e China planejam adiar tarifas programadas para o dia 15, dizem fontes

Nos últmos dias, autoridades em Washington e Pequim têm sinalizado que domingo não é a data final para fechar a chamada “fase 1” de um acordo comercial

Mercados hoje

Ibovespa opera em queda, em meio à cautela no exterior; dólar sobe a R$ 4,14

O possível fechamento de um acordo para que os EUA posterguem a aplicação de novas sobretaxas sobre produtos chineses dá ânimo às bolsas globais e faz o Ibovespa se afastar das mínimas

polícia nas ruas

Lava Jato mira corrupção e lavagem em contratos de telefonia e internet

Ação é um desdobramento da 24ª etapa da Lava Jato, que, em março de 2016, levou de forma coercitiva o ex-presidente Lula para depor

Exile on Wall Street

Uma tentativa de Teoria das Cordas, aplicada às finanças

Eu trabalho muito. Tenho uma dedicação apaixonada e até mesmo obsessiva com a Empiricus. Nem sei se isso é bom. Mas é o que é

Em busca da alta renda

BB lança crédito imobiliário com correção pelo IPCA

Taxas de juros começam em 3,45% ao ano mais IPCA e variam conforme o prazo da operação e o nível de relacionamento do cliente com o BB

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: IPO da XP e Mourão na posse do presidente argentino

Sai hoje o preço das ações da XP Investimentos que serão ofertadas na bolsa americana Nasdaq. Hoje também será definido quem conseguirá entrar na oferta. Será que os fundos brasileiros vão ganhar um pedacinho deste bolo?   No lado político, o destaque é uma espécie de trégua do governo de Jair Bolsonaro com o presidente eleito […]

Mais uma oferta no exterior

Madero deve desembarcar nos EUA em junho com o seu IPO, diz jornal

Segundo informações do Valor Econômico, a rede de hamburgueria já contratou o Bank of American e J.P. Morgan para coordenarem a oferta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements