Menu
2019-10-30T16:26:29+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
juros

Fed corta juros e indica pausa para avaliação

Decisão do BC americano foi novamente dividida. Com dois diretores votando pela estabilidade. Powell diz que atual instância da política monetária deve seguir apropriada

30 de outubro de 2019
15:05 - atualizado às 16:26
Jerome Powell, presidente do Fed
O presidente do Fed, Jerome Powell, está pronto para atuar visando manter a expansão da economia americana. - Imagem: Fed

O Federal Reserve (Fed), banco central americano, fez novo corte de juro, o terceiro seguido, trazendo a taxa básica para o intervalo entre 1,5% e 1,75% ao ano, de 1,75% a 2%. Como das outras vezes, a decisão não foi unânime, com dois votos pela manutenção.

A reação dos mercados foi comedida. Pouco antes da divulgação, os principais índices acionários operavam com leve baixa e seguiram assim após a decisão. Mas no decorrer da entrevista de Jerome Powell, que acenou um Fed "em pausa", mas sem fechar completamente a porta para novas reduções, os compradores apareceram. Por volta das 16 horas, o Ibovespa tinha leve alta de 0,27%, enquanto o dólar caía 0,10%, a R$ 3,9987. Em Wall Street, Dow Jones subia 0,20%. Veja aqui a cobertura dos mercados.

No comunicado apresentado após a decisão, o Fed afirma que vai continuar monitorando os dados enquanto avalia o caminho adequado para as taxas de juros. O Fed deixou de falar que iria atuar de maneira apropriada para sustentar a expansão da economia, expressão que vinha servindo como uma senha para novas reduções. A próxima reunião acontece nos dias 10 e 11 de dezembro.

Sobre atividade, o Fed mantém avaliação de crescimento em ritmo moderado com forte mercado de trabalho. A inflação medida sob diversas formas segue rodando abaixo da meta de 2%. O Fed também reduziu o juro sobre as reservas bancárias que são depositadas junto à instituição para 1,55% de 1,8%.

Fala Powell

Em sua apresentação inicial, o presidente Jerome Powell, disse que o Fed avalia que atual instância da política monetária deve seguir apropriada, desde que os dados econômicos mantenham consistência com o cenário-base, de crescimento moderado, mercado de trabalho forte e inflação rumando para meta de 2%.

"Acreditamos que a política monetária está em um bom ponto para atingir esses resultados", disse.

Falando do rumo futuro da política monetária, Powell ressaltou que o Fed seguirá monitorando os dados, bem como os efeitos dos cortes já realizados, que ainda terão efeito pleno sobre o lado real da economia.

Powell também disse que o Fed responderá a qualquer evento que cause uma "reavaliação material" do cenário-base.

O corte de juros, segundo Powell, foi feito diante das incertezas trazidas pelo menor crescimento global e tensões comerciais. Com esse ajuste da política, o Fed acredita que deu um significativo suporte à economia americana, que entra no seu 11º ano de expansão.

O presidente também voltou a afirmar que a compra de títulos do Tesouro e as operações de mercado aberto, para manter a liquidez no sistema financeiro, não devem ser confundidas com ações de política monetária. São, medidas técnicas, que serão mantidas até o segundo trimestre de 2020. O Fed também estuma medidas que estimulem o próprios bancos a atuar no mercado interbancário, provendo liquidez.

Na sessão de perguntas, Powell explicou que o Fed monitora de perto três riscos principais. Redução do crescimento mundial, incertezas comerciais, que têm mostrado reflexos negativos sobre confiança e investimento, e inflação persistentemente abaixo de 2%.

Sem bolhas

Questionado sobre o comportamento do preço dos ativos e estabilidade financeira, Powell disse que se olharmos para o preço dos ativos, alguns estão altos, mas não é algo generalizado. "Não vemos bolhas ou coisas do tipo", disse.

O presidente ponderou, no entanto, que o Fed observa com atenção o endividamento e alavancagem das empresas, que está em patamar historicamente elevado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Prós e contras

Vale a pena optar pelo saque aniversário do FGTS?

Nova modalidade permite ao trabalhador ter acesso a uma parte dos recursos do fundo de garantia ainda que não se enquadre em outros pré-requisitos, mas é preciso abrir mão de sacar o fundo em caso de demissão sem justa causa

Nova modalidade

Você já pode optar pelo saque aniversário do FGTS; confira as regras atualizadas

Opção de saque de parte do FGTS anualmente já pode ser feita desde outubro e não é obrigatória; também não há prazo

A Bula do Mercado

Mercado tem ajuste positivo na volta do feriado

Recorde triplo em Nova York, em meio à otimismo com negociações comerciais entre EUA e China, contrata ajuste positivo no mercado doméstico

A Bula do Mercado

A Bula da Semana: Os sinais da economia

Varejo e serviços no Brasil crescem acima do esperado em setembro, sinalizando expansão mais forte do PIB no 3T19

Fusão no horizonte

O megainvestidor Carl Icahn está dando uma mãozinha para a Xerox comprar a HP

Em meio às notícias de que a Xerox estaria interessada em comprar a HP, o megainvestidor Carl Icahn resolveu entrar no jogo para viabilizar a operação

Contrato fechado

Embraer recebe seis novos pedidos por aeronaves; encomendas somam US$ 374 milhões

A companhia aérea nigeriana Air Peace e a arrendadora egípcia CIAF Leasing acertaram novos pedidos de aeronaves à Embraer

Depois da Previdência...

Reforma tributária pode sair em março, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem planos para dar encaminhamento à reforma tributária ainda no primeiro trimestre de 2020

Seu Dinheiro no domingo

O fim do mundo como o conhecemos — ao menos, na renda fixa

Com os juros cada vez mais baixos, é hora de buscar alternativas às opções tradicionais de investimento em renda fixa: eis o tema da pensata de hoje, enviada primeiro aos assinantes da newsletter do Seu Dinheiro

Uma gigante chega ao mercado

A Saudi Aramco quer levantar até U$ 25,5 bi com seu IPO e quebrar o recorde da Alibaba

Considerada uma das empresas mais rentáveis do mundo, a petroleira Saudi Aramco divulgou a faixa de preço e a quantia de ações a serem emitidas em seu IPO

O SEGUNDO MAIS RICO DO BRASIL

Jorge Paulo Lemann: conheça a trajetória do bilionário dos resultados

Como o carioca revolucionou o capitalismo brasileiro, comprou grandes ícones americanos como Budweiser, Burger King e Kraft Heinz, e acumulou uma fortuna de US$ 22,4 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements