Menu
2019-08-08T18:16:04+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Olho no gringo

Campos Neto: Fluxo de dólares tem sido menor que o esperado

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também afirmou que o jogo começa agora, após aprovação da Previdência, com medidas mais fáceis e positivas para a população

8 de agosto de 2019
11:08 - atualizado às 18:16
Campos Neto presidente BC
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto - Imagem: Print Youtube

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, avalia que o ambiente global de juro baixo favorece o fluxo de recursos aos mercados emergentes, mas ponderou que esse fluxo tem sido menor que o esperado.

Em evento no BTG Pactual, Campos Neto explicou que os fluxos de capital têm apresentado uma característica diferente da observada em outros momentos. Com menos dinheiro para ativos de risco e maior alocação em renda fixa de melhor qualidade. “Tem movimento de liquidez, mas ela é mais seletiva”, disse.

Por aqui, temos visto um pouco disso nos dados do próprio BC. O fluxo cambial, medido em 12 meses até julho, mostra uma saída de US$ 32,351 bilhões, volume de perda não visto desde 1999. A conta financeira, que capta justamente ingressos para portfólio e investimentos, tem saída de US$ 58 bilhões em 12 meses.

Mas olhando o lado do investimento estrangeiro direto (IDP), visto com um capital de maior qualidade, o país tem conseguido manter patamares elevados, na casa dos 4% a 5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 12 meses.

Além disso, os dados do Tesouro mostram que os estrangeiros voltaram a comprar dívida brasileira neste primeiro semestre. O ingresso líquido ficou em US$ 53,7 bilhões, maior volume desde a perda do grau de investimento em 2015.

De volta à fala de Campos Neto, o presidente reforçou que esse fluxo decorrente do juro baixo no mundo favorece “quem está fazendo a lição de casa”. “Temos de entender que essa é uma janela de oportunidade para fazer o dever de casa”, disse.

Na visão do presidente do BC, embora esse cenário seja positivo no curto prazo, temos de pensar em prazos mais longos, quando ocorrer a reversão desse ambiente de juro zero ou negativo.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Intervenção cambial

Questionado sobre a estratégia de intervenção no dólar, Campos Neto voltou a enfatizar que o BC não tem preconceito em utilizar os diferentes instrumentos, como swaps, linhas ou mesmo à vista (spot). O ponto é atender à demanda onde ela estiver.

“Temos de fazer intervenção que custe o mínimo possível ao BC. Atender onde está a demanda. Tem demanda de spot? Atendo o spot. Se tem pré-pagamento, ofereço mais linha. Como tenho capacidade de identificar a demanda, não tem preconceito entre os instrumentos, que serão usados para atender demanda”, explicou.

Toda a vez que o dólar chega próximo dos R$ 4, como nos últimos dias, cresce a ansiedade no mercado com relação à possibilidade de atuação do BC. Agora em agosto, o BC está fazendo a rolagem dos swaps que vencem em outubro, se mantendo neutro no mercado.

No fim de julho, o BC fez operações de linha com compromisso de recompra, atendendo demanda no mercado à vista, onde está acontecendo um aumento de demanda por dólares por empresas que estão fazendo o pagamento antecipado de compromissos externos e tomando empréstimos no mercado local.

Reformas

Para Campos Neto, o jogo começou agora, após a aprovação da reforma da Previdência, que teve sua tramitação concluída na Câmara dos Deputados, e segue para o Senado.

“Em nenhum momento achávamos que ia passar a reforma da Previdência e acabou o jogo. O jogo começou agora e podemos fazer medidas mais fáceis, no setor microeconômico, com pouca resistência, por não causar dor no sentido de afetar a população. Afeta de forma positiva”, disse.

O presidente voltou a enfatizar a importância da agenda de reformas microeconômicas, como melhora de garantias, novos produtos de crédito e facilidade de se fazer negócios.

Essa agenda micro também tem impacto na taxa neutra ou estrutural (aquela que permite máximo crescimento com inflação nas metas). Em outras palavras, quanto mais avançarem as reformas, maior a chance de termos uma Selic cada vez mais baixa e estável ao longo do tempo.

A íntegra da apresentação feita do Campos Neto está neste link.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Seu Dinheiro no domingo

Liberais não fazem pacotes

Dentro de mais alguns dias conheceremos o Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre. O resultado será magro e há quem fale em recessão técnica. Na sequência veremos uma nova onda de críticas e demandas na linha: “o governo tem quem fazer alguma coisa! Tem que impulsionar a demanda! Esse BC está errado!”. Sinto desapontar […]

Trilhando caminhos

Jovens precisam ter resiliência e iniciativa, dizem executivos sobre ser um novo empresário

Executivos falam sobre os comportamentos que um jovem ingressante numa grande empresa deve ter para trilhar um caminho profissional de sucesso

Crise partidária

Pedro Simon, ex-governador do RS: ‘existe o risco de o MDB desaparecer’

Em entrevista ao Estadão, o filiado ao MDB desde 1965 diz que seu partido precisa fazer uma “profunda reflexão”

Barrado na embaixada?

Consultoria do Senado diz que indicação de Eduardo Bolsonaro configura nepotismo e senadores se articulam para rejeitar seu nome

Parecer foi embasado no entendimento da Súmula Vinculante nº 13, do Supremo Tribunal Federal, que trata sobre nepotismo

Analisando a situação dos hermanos

Crise Argentina, feitiço do tempo

Os grandes desafios econômicos de Maurício Macri também parecem reimpressões de velhos e bem conhecidos problemas argentinos

O HOMEM MAIS RICO

Jeff Bezos: paciência para esperar o lucro da Amazon fez o maior bilionário do mundo

Como o empresário transformou uma pequena livraria online em uma das maiores varejistas do mundo e desbancou Bill Gates da lista da Forbes com uma fortuna estimada em US$ 148 bilhões.

Demissão anunciada

Ministro da Fazenda da Argentina renuncia ao cargo e traz novas turbulências ao mercado internacional

Anúncio foi feito por meio de uma carta enviada a Mauricio Macri em que Nicolás Dujóvne justifica a necessidade de uma renovação na área econômica

Bandeira branca no radar?

EUA devem estender licença da chinesa Huawei para atender clientes do país

Movimento dos EUA pode ser visto como positivo para o fim da guerra comercial com a China já que a companhia foi um dos focos de tensões entre os gigantes

Governador de Minas

‘Governo entra em pautas minúsculas’, avalia Romeu Zema

Em entrevista, governador de MG nega que esteja sendo “tutelado” pelo partido Novo e avaliou que o presidente Jair Bolsonaro deveria “focar em coisas maiores, grandiosas”

Corrida contra o tempo

Tarifa de importação do Mercosul pode cair já em 2020

Com receio de que o grupo político da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner volte ao poder, o governo brasileiro tem pressa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements