Menu
2019-07-25T15:31:15-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Olho no gringo

Estrangeiro vende dívida pública em junho, mas semestre tem maior ingresso desde 2015

Venda feita no mês passado foi a primeira do ano, mas no semestre saldo é positivo em R$ 53,7 bilhões. Tesouro classifica retirada como movimento pontual, tendência é de entrada de estrangeiro

25 de julho de 2019
14:57 - atualizado às 15:31
Dinheiro real
Imagem: shutterstock

Depois de cinco meses seguidos de compra, o investidor estrangeiro fez uma breve venda de títulos públicos brasileiros em junho, coisa de R$ 3,96 bilhões. Ainda assim, olhando o semestre, o saldo do gringo é positivo em R$ 53,67 bilhões, melhor primeiro semestre desde 2015 (R$ 86,6 bilhões), ano que marcou a perda do grau de investimento.

Em valores nominais, o estoque fechou o mês em R$ 472,08 bilhões, contra R$ R$ 476,04 bilhões em maio. Em junho do ano passado, estava em R$ 430,5 bilhões. Em termos percentuais, a fatia do não residente equivale a 12,34% da dívida que soma R$ 3,826 trilhões. Sempre é válido lembrar que entre 2014 e 2015, a participação rondava os 20%, mas a perda do grau de investimento mudou o padrão de participação.

"Dada essa tendência de elevação de estoque dos estrangeiros e dinâmica benigna dos mercados, vemos que essa redução ou saída líquida reflete algo bastante pontual. Pode ser antecipação de rolagem do vencimento de julho, algo quase sazonal. Não é uma quebra de tendência", disse o coordenador de Operações da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Roberto Lobarinhas.

Ainda de acordo com Lobarinhas, esse acumulo de recursos feito pelos estrangeiros no semestre supera o registrados pelos demais principais detentores.

Os fundos de investimento lideram o quadro de financiadores, com pouco mais de R$ 1 trilhão em títulos da dívida, ou 26,85% do total em junho (26,6% em maio). Na sequência estão as instituições de Previdência, com R$ 914 bilhões, ou 23,91%, seguidas pelos bancos, com R$ 886 bilhões, ou 23,17%.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Queda de juros

Segundo Lobarinhas, junho marcou mais um mês de queda na curva de juros brasileira. Tal movimento é explicado por três fatores, segundo ele:

  • Mercado passou a acreditar em corte da Selic ainda neste ano, suportado pelos dados de inflação e atividade
  • Perspectiva de aprovação da reforma da Previdência ganhou contorno ainda mais forte
  • Perspectiva de corte de juros em economias desenvolvidas (EUA e Europa).

Lobarinhas chamou atenção para a queda nas taxas dos títulos prefixados, que terminaram maio na casa de 8,47% e estavam em 7,47% no fim de junho. Além disso, o juro real de todas as NTN-Bs caiu abaixo de 4%.

Esse movimento de melhora, diz o coordenador, continuou agora em julho. Ele lembrou que o CDS (termômetro de risco de calote) caiu para o menor patamar desde o fim de 2014, na linha de 125 pontos, antes da perda do grau de investimento.

Questionado sobre a possibilidade de o país voltar a ter o selo de bom pagador, Lobarinhas disse que não existe prazo ou perspectiva nesse sentido.

"O que acreditamos é que estamos na direção correta ao ver essa melhora de taxas e percepção de risco, consolidação das reformas e redução de incertezas. Acreditamos que esse é o caminho certo para recuperar o grau de investimento", disse.

Comparando as taxas externas brasileiras com a de outros países com grau de investimento, como México, "pagamos taxas compatíveis com esses países".

Carregando a montanha

O Tesouro também atualiza mensalmente o custo de carregar esses trilhões de dívida. O custo médio acumulado em 12 meses foi de 8,99% em junho, recuando de 9,38% em abril.

Já o custo médio de emissão voltou a cair e marcou 7,12% no mês passado, menor valor da série histórica iniciada em 2010. O custo de emitir uma NTN-B fechou o mês em 9,1%, contra 10,11 de maio. Para dar um parâmetro, no fim de 2015 esse custo passava dos 17%.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

A bolsa sobe mais?

Será que a bolsa sobe mais, sobe mais um pouquinho hoje? Se depender do cenário externo, o caminho está livre (mas o dia só está começando). A conferir. O otimismo permanece aqui no Brasil. Já tem gestor falando em Ibovespa a 250 mil pontos em 2022. Se for isso mesmo, é mais que o dobro […]

olho no indicador

Disparada no preço da carne faz inflação acelerar para 0,51% em novembro

Alta nos preços do Item aconteceu por conta de maior demanda da China e valorização do dólar; avanço do IPCA é o maior para mês desde 2015

China decide isentar parte da soja e da carne de porco dos EUA de tarifas

Em comunicado, o ministério chinês não indicou os volumes desses produtos americanos que ficarão isentos de tarifação

impasse em brasília

Congresso trava R$ 23 bilhões de ministérios

Para garantir o recurso extra, parlamentares precisam aprovar uma lista de 24 projetos que estão no meio de um impasse entre deputados e senadores

De mala cheia

Brasil dobra para US$ 1 mil limite de compra no exterior

Limite valerá para todas as compras feitas em viagens ao exterior por meio aéreo ou marítimo. O pedido para aumento foi feito pelo próprio governo brasileiro

atenção acionista

Copel paga R$ 643 milhões em juros sobre capital próprio

Data do pagamento será definida em assembleia até abril de 2020. Recebem os benefícios acionistas com posição em 23 de dezembro

De olho neles

CPI pede indiciamento de Itaú e Safra por suposta fraude fiscal

Integrantes da CPI também pediram o indiciamento de 13 diretores e membros do conselho do Safra. Todos são acusados por suposta prática de crime contra a ordem tributária e organização criminosa

Follow on

Aliansce Sonae levanta R$ 1,19 bi em oferta de ações com papéis a R$ 43

As ações da administradora de shoppings começam ser negociadas na B3 no próximo dia 9, com liquidação no dia seguinte.

dinheiro na mão

Nascidos em setembro e outubro sem conta na Caixa podem sacar FGTS

Saques podem resultar em uma liberação de cerca de R$ 40 bilhões na economia até o fim do ano

Novos recordes à vista?

Gestores de fundos falam em Ibovespa em até 250 mil pontos em 2022

Desde o início do atual ciclo de alta, a bolsa brasileira praticamente triplicou de valor. Mas o movimento ainda pode estar longe do fim, segundo os gestores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements