Menu
2019-05-21T06:23:41+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado monitora disputas de poder

Queda de braço entre governo e Congresso pelo protagonismo na reforma da Previdência e temor de retaliação da China contra os EUA mantêm a cautela entre os investidores

21 de maio de 2019
5:38 - atualizado às 6:23
disputadepoder
Por ora, mercado respira aliviado com indulto temporário de Washington e chance menor de projeto alternativo da Previdência

Os dois temas de maior relevância para o mercado financeiro - a saber, reforma da Previdência e guerra comercial - continuam ditando o rumo dos ativos. A disputa entre Executivo e Congresso pela “paternidade” da proposta de novas regras para aposentadoria soma-se à batalha entre Estados Unidos e China, que vai muito além do comércio. Ambos os confrontos elevam a cautela entre os investidores.

Enquanto lá fora crescem os temores de que Pequim possa retaliar a decisão do governo Trump que afeta diretamente a Huawei; por aqui, a queda de braço entre o governo e o Legislativo na busca pelo protagonismo na reforma da Previdência tende a potencializar as incertezas em relação ao timing e à diluição da proposta. E qualquer novidade sobre esses assuntos tem repercussão direta nos preços dos ativos.

Aparentemente, tanto a China quanto o governo Bolsonaro parecem posicionados para “dobrar a aposta”, mantendo o clima beligerante. Lá fora, o governo chinês pode suspender negócios com os fornecedores que concordaram em revogar contratos com a Huawei, taxando empresas norte-americanas, como a Apple, e deixando de contribuir para o desenvolvimento de ferramentas tecnológicas do Google.

Segundo o fundador e executivo-chefe da gigante chinesa, Ren Zhengfei, os EUA subestimam a “força” da Huawei, que, para ele, irá liderar a tecnologia 5G em poucos anos. Em contrapartida, Washington decidiu aliviar temporariamente as restrições à exportação da Huawei, isentando alguns fornecedores e clientes de duras penas durante um prazo de 90 dias. Para Ren, tal medida é “insignificante”, pois a empresa tem estocado chips.

Nos mercados

As bolsas na Ásia encerraram a sessão de hoje de forma mista, em meio aos relatos envolvendo o governo Trump e a Huawei. Hong Kong e Tóquio fecharam com perdas moderadas, de -0,45% e -0,15%, enquanto Xangai subiu 1,23%. Em Wall Street, os índices futuros das bolsas de Nova York apontam para uma sessão positiva, respirando aliviados com o indulto temporário concedido pelo governo Trump às exportações da Huawei.

Outras empresas norte-americanas, como as gigantes esportivas Nike e Under Armour, escreveram uma carta ao presidente dos EUA, Donald Trump, pedindo a retirada do setor de calçados da lista de tarifas sobre as importações chinesas. A carta é assinada por mais de 200 empresas do segmento e diz que a taxação de 25% sobre os produtos será uma “catástrofe” aos consumidores, às empresas e à economia dos EUA como um todo.

Na Europa, as principais bolsas da região iniciaram a sessão no terreno positivo. Entre as commodities, o petróleo avança, enquanto o ouro recua. Nas moedas, o dólar segue firme, ganhando terreno das rivais de países desenvolvidos, como o euro e a libra, e de moedas correlacionadas às commodities. Essa recuperação ensaiada pelos mercados no exterior abre espaço para uma continuidade do alívio visto nos negócios locais ontem, principalmente na Bolsa brasileira, mas as atenções por aqui seguem na cena política.

Nova proposta?

Já na cena política nacional, a desarticulação do governo e a falta de diálogo com os parlamentares têm colocado em risco a aprovação da proposta de reforma da Previdência apresentada pela equipe econômica do ministro Paulo Guedes. Com isso, não se sabe o quanto da versão original sobre a estrutura para a aposentadoria (idade mínima, tempo de contribuição e regra de transição) e a economia fiscal será preservado.

Ainda que não seja um projeto substitutivo, mas mudanças em alguns pontos, o assunto é um foco de tensão no mercado financeiro, que tem preferência pela proposta de Guedes. Afinal, mesmo que a Previdência seja tocada pelo Congresso, os investidores sabem que o Executivo não terá condições de impor nada ao Legislativo, diante do desgaste no relacionamento entre os dois poderes.

Esse sentimento pode ficar mais tenso à medida que se aproximar a data para os atos pró-governo. A meta dos aliados do presidente Jair Bolsonaro é de levar mais gente às ruas pelo país no domingo do que a paralisação nacional contra cortes na educação, na semana passada. A expectativa é saber se as manifestações serão um “tiro no pé”, com um número reduzido de apoiadores, ou se irão piorar ainda mais o clima político no país.

A estratégia “morde-assopra” do governo, que ora “demoniza” os outros dois poderes; ora, valoriza o Parlamento, é uma aposta arriscada. A atitude do presidente flerta com o desejo por instalar um caos institucional, declarando guerra ao establishment e à “classe política”, colocando em risco as futuras tratativas do governo no Congresso e a agilidade para outras reformas, como a tributária.

Agenda segue fraca

Enquanto isso, a agenda econômica desta terça-feira segue fraca, no Brasil e no exterior. Aqui, o calendário do dia traz apenas os dados prévios sobre a confiança do empresário na indústria neste mês (8h). Lá fora, saem a leitura preliminar do sentimento do consumidor na zona do euro e números do setor imobiliário norte-americano, ambos às 11h.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Startup no banco dos réus

STJ vai decidir se condomínios podem proibir aluguéis por aplicativos como Airbnb

Tribunal julga recurso para anular uma decisão que proibiu um casal de Porto Alegre de alugar um apartamento por meio do aplicativo Airbnb

Santiago em chamas

Chile põe Exército nas ruas após protestos que deixaram três mortos

Manifestantes saíram às ruas contra o aumento de preço do metrô de Santiago, que passaria do equivalente a US$ 1,12 para US$ 1,16. Ontem, o governo anunciou a suspensão do reajuste

Seu dinheiro no domingo

Bancão X Fintech, um duelo que vi ao vivo

Você pode apostar comprando ou vendendo ações dos bancos e fintechs na bolsa. A batalha está longe de acabar, mas já temos o ganhador, o cliente

Varejo

Compras pela internet devem crescer 18% na Black Friday deste ano

Expectativa para a Black Friday de 2019 no e-commerce é de faturamento acima de R$ 3 bilhões. O dia de promoções no varejo neste ano será em 29 de novembro

Disputa política

Eduardo Bolsonaro publica vídeo com campanhas do PSL que citam presidente

No vídeo, protagonistas da nova crise, como os deputados Delegado Waldir (PSL-GO) e Joice Hasselmann (PSL-SP), pedem votos para si próprios mencionando Bolsonaro

Débito e crédito

Luiz Frias: o empresário da mídia que virou bilionário com as maquininhas

Conheça o herdeiro da Folha de S.Paulo e entusiasta da internet que revolucionou mercado de meios de pagamentos no Brasil com a PagSeguro

Ações para uma vida

Conheça os 5 maiores investimentos da carteira do bilionário Warren Buffett

Em junho deste ano, a holding de Warren Buffett detinha na carteira ações de 47 companhias. Mas cinco delas representavam 69% do total em valor de mercado. Confira quais são as queridinhas do “oráculo de Omaha”

QUER GANHAR DINHEIRO?

5 estratégias para lucrar na bolsa olhando apenas os gráficos

Quem souber interpretar esses movimentos pode ter insights valiosos sobre a tendência de preços.

Impasse sem fim

Hoje não? Hoje sim. Parlamento britânico volta a adiar votação sobre acordo do Brexit

Foi um duro golpe para primeiro-ministro Boris Johnson, que poderá se ver obrigado a pedir à União Europeia o adiamento da saída do Reino Unido

Sócios na bolsa

Banco do Brasil atrai mais de R$ 7 bilhões em recursos de pessoas físicas em oferta de ações

Uma parcela de 30% da emissão do Banco do Brasil foi destinada ao varejo, embora a demanda fosse suficiente para cobrir o total da oferta, de R$ 5,8 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements