Menu
2019-05-21T06:23:41+00:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Mercado monitora disputas de poder

Queda de braço entre governo e Congresso pelo protagonismo na reforma da Previdência e temor de retaliação da China contra os EUA mantêm a cautela entre os investidores

21 de maio de 2019
5:38 - atualizado às 6:23
disputadepoder
Por ora, mercado respira aliviado com indulto temporário de Washington e chance menor de projeto alternativo da Previdência

Os dois temas de maior relevância para o mercado financeiro - a saber, reforma da Previdência e guerra comercial - continuam ditando o rumo dos ativos. A disputa entre Executivo e Congresso pela “paternidade” da proposta de novas regras para aposentadoria soma-se à batalha entre Estados Unidos e China, que vai muito além do comércio. Ambos os confrontos elevam a cautela entre os investidores.

Enquanto lá fora crescem os temores de que Pequim possa retaliar a decisão do governo Trump que afeta diretamente a Huawei; por aqui, a queda de braço entre o governo e o Legislativo na busca pelo protagonismo na reforma da Previdência tende a potencializar as incertezas em relação ao timing e à diluição da proposta. E qualquer novidade sobre esses assuntos tem repercussão direta nos preços dos ativos.

Aparentemente, tanto a China quanto o governo Bolsonaro parecem posicionados para “dobrar a aposta”, mantendo o clima beligerante. Lá fora, o governo chinês pode suspender negócios com os fornecedores que concordaram em revogar contratos com a Huawei, taxando empresas norte-americanas, como a Apple, e deixando de contribuir para o desenvolvimento de ferramentas tecnológicas do Google.

Segundo o fundador e executivo-chefe da gigante chinesa, Ren Zhengfei, os EUA subestimam a “força” da Huawei, que, para ele, irá liderar a tecnologia 5G em poucos anos. Em contrapartida, Washington decidiu aliviar temporariamente as restrições à exportação da Huawei, isentando alguns fornecedores e clientes de duras penas durante um prazo de 90 dias. Para Ren, tal medida é “insignificante”, pois a empresa tem estocado chips.

Nos mercados

As bolsas na Ásia encerraram a sessão de hoje de forma mista, em meio aos relatos envolvendo o governo Trump e a Huawei. Hong Kong e Tóquio fecharam com perdas moderadas, de -0,45% e -0,15%, enquanto Xangai subiu 1,23%. Em Wall Street, os índices futuros das bolsas de Nova York apontam para uma sessão positiva, respirando aliviados com o indulto temporário concedido pelo governo Trump às exportações da Huawei.

Outras empresas norte-americanas, como as gigantes esportivas Nike e Under Armour, escreveram uma carta ao presidente dos EUA, Donald Trump, pedindo a retirada do setor de calçados da lista de tarifas sobre as importações chinesas. A carta é assinada por mais de 200 empresas do segmento e diz que a taxação de 25% sobre os produtos será uma “catástrofe” aos consumidores, às empresas e à economia dos EUA como um todo.

Na Europa, as principais bolsas da região iniciaram a sessão no terreno positivo. Entre as commodities, o petróleo avança, enquanto o ouro recua. Nas moedas, o dólar segue firme, ganhando terreno das rivais de países desenvolvidos, como o euro e a libra, e de moedas correlacionadas às commodities. Essa recuperação ensaiada pelos mercados no exterior abre espaço para uma continuidade do alívio visto nos negócios locais ontem, principalmente na Bolsa brasileira, mas as atenções por aqui seguem na cena política.

Nova proposta?

Já na cena política nacional, a desarticulação do governo e a falta de diálogo com os parlamentares têm colocado em risco a aprovação da proposta de reforma da Previdência apresentada pela equipe econômica do ministro Paulo Guedes. Com isso, não se sabe o quanto da versão original sobre a estrutura para a aposentadoria (idade mínima, tempo de contribuição e regra de transição) e a economia fiscal será preservado.

Ainda que não seja um projeto substitutivo, mas mudanças em alguns pontos, o assunto é um foco de tensão no mercado financeiro, que tem preferência pela proposta de Guedes. Afinal, mesmo que a Previdência seja tocada pelo Congresso, os investidores sabem que o Executivo não terá condições de impor nada ao Legislativo, diante do desgaste no relacionamento entre os dois poderes.

Esse sentimento pode ficar mais tenso à medida que se aproximar a data para os atos pró-governo. A meta dos aliados do presidente Jair Bolsonaro é de levar mais gente às ruas pelo país no domingo do que a paralisação nacional contra cortes na educação, na semana passada. A expectativa é saber se as manifestações serão um “tiro no pé”, com um número reduzido de apoiadores, ou se irão piorar ainda mais o clima político no país.

A estratégia “morde-assopra” do governo, que ora “demoniza” os outros dois poderes; ora, valoriza o Parlamento, é uma aposta arriscada. A atitude do presidente flerta com o desejo por instalar um caos institucional, declarando guerra ao establishment e à “classe política”, colocando em risco as futuras tratativas do governo no Congresso e a agilidade para outras reformas, como a tributária.

Agenda segue fraca

Enquanto isso, a agenda econômica desta terça-feira segue fraca, no Brasil e no exterior. Aqui, o calendário do dia traz apenas os dados prévios sobre a confiança do empresário na indústria neste mês (8h). Lá fora, saem a leitura preliminar do sentimento do consumidor na zona do euro e números do setor imobiliário norte-americano, ambos às 11h.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

O CLIMA ESQUENTOU

Bolsonaro ameaça demitir Levy por nomeação de diretor que trabalhou no governo PT

Na sexta-feira, 14, durante café da manhã com jornalista, Bolsonaro demitiu o presidente dos Correios, general Juarez Cunha

RALI

Nada de Bitcoin: criptomoeda que valorizou 330% em 2019 tem outro nome

Segundo analistas, há pelo menos duas razões claras para o movimento de alta do Litecoin. Entenda o que está causando esse fenômeno

ENTREVISTA

“Não vou impor uma solução e destruir a reforma”, diz Samuel Moreira

Relator da proposta conta ter abdicado inclusive de convicções próprias em favor da construção de um texto com apoio suficiente das lideranças

NOS TRILHOS

Rumo avaliará participar de Fiol e Ferrogrão

Ferrovias estão entre os mais importantes projetos ferroviários para o escoamento de commodities, como grãos e minério de ferro, do Brasil

BOMBOU NA SEMANA

MAIS LIDAS: Sai da minha aba, Estado

O Estado é aquele gigante metido que mais atrapalha do que ajuda. Os empreendedores precisam tirar ele do seu caminho. Confira as mais lidas da semana no Seu Dinheiro

O FRUTO DA CANNABIS

Cofres cheios de verde: Colorado atinge US$ 1 bilhão em arrecadação com maconha

Pioneiro na legalização do comércio da erva, estado americano comemora cifra e quer atrair empresas para expandir e lucrar ainda mais com o setor

MAIS UM PRA CONTA

Bolsonaro demite terceiro militar em uma semana

Segundo o presidente, Cunha “foi ao Congresso e agiu como sindicalista” ao criticar a privatização da estatal e tirar fotos com parlamentares da oposição

"Cash is king"

O risco “oculto” que deixa até famílias ricas sem dinheiro para pagar as contas

Já pensou ter milhões em imóveis, mas nem um tostão para o dia a dia? A falta de liquidez é um vilão até para os mais ricos. Saiba como fugir dessa armadilha

Olha ele aí

Michael Klein confirma compra de 1,6% de ações da Via Varejo em leilão da B3

Com o movimento, Klein agora se torna o maior acionista de referência da companhia de varejo

De costas para o ministro

Ramos: não nos contaminaremos pela fala de Guedes num momento bom da reforma

Ministro da Economia, Paulo Guedes, fez críticas nesta sexta-feira, 14, aos deputados depois da apresentação do relatório da reforma

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements