Menu
2019-10-14T14:21:49-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Fed e Copom reúnem-se em meio à expectativa de mais alívio monetário

Investidores esperam corte nos juros tanto nos EUA quanto no Brasil, onde taxa deve renovar piso histórico

18 de setembro de 2019
6:16 - atualizado às 14:21
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam a quarta-feira envoltos na cautela que tradicionalmente precede a reunião de política monetária do Federal Reserve Bank (Fed) em meio a algumas dúvidas pontuais quanto à possibilidade de o banco central norte-americano voltar a cortar sua taxa de juro de referência em um momento no qual investidores de todo o mundo pressionam por mais alívio monetário.

Ainda que a cautela dê o tom, os investidores respiram aliviados com a afirmação de autoridades sauditas de que a produção de petróleo do país será restabelecida em duas ou três semanas depois dos ataques rebeldes do último sábado contra sua infraestrutura.

Um dia depois de o petróleo ter registrado a maior alta da história em apenas um dia, o preço do barril devolveu parte considerável dos ganhos já na sessão de ontem, dando espaço para que os investidores finalmente pudessem concentrar o foco no Fed e, localmente, na decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Fed teme queimar etapas

Na véspera do anúncio da decisão do juro pela autoridade monetária dos Estados Unidos, previsto para as 15h, uma disparada nas taxas de curto prazo por lá levou o Fed regional de Nova York a promover uma recompra emergencial de US$ 75 bilhões em títulos para fornecer liquidez ao mercado. Foi a primeira ação do gênero em uma década.

No meio do rebu, o mercado chegou a sinalizar uma possível manutenção na taxa de referência pelo Fed. Entretanto, agentes do mercado financeiro agora mostram-se praticamente unânimes quanto à expectativa de um corte “preventivo” de 0,25 ponto porcentual (pp) na taxa de juro nos EUA.

A expectativa maior diz respeito às sinalizações - seja no comunicado ou na entrevista coletiva do presidente do Fed, Jerome Powell, prevista para logo depois do anúncio - quanto à possibilidade de cortes futuros.

Ainda que o Fed esteja sob intensa pressão dos agentes do mercado e até mesmo do presidente dos EUA, Donald Trump, a autoridade monetária norte-americana está claramente preocupada com o risco de queimar etapas. Diretores do Fed temem que a interferência preventiva no juro deixe o banco central sem instrumentos adequados para agir quando for realmente necessário.

Selic deve registrar novo piso histórico

Às 18h, quando os mercados financeiros já estiverem fechados, o Copom anunciará sua decisão de juro. E surpresa haverá se não houver corte, ou se este vier abaixo de 0,50 pp. Praticamente não há dúvidas entre os investidores de que a taxa Selic será conduzida a um novo piso histórico, baixando dos atuais 6,00% para 5,50% ano.

Na avaliação dos especialistas do mercado, o Copom encontra-se num beco sem saída, uma vez que a inflação oficial segue em nível confortável e a atividade econômica brasileira continua fraca.

E enquanto os investidores aguardam as decisões de juro do Fed e do Copom, a cautela deve dar o tom nos negócios no Ibovespa e nos mercados de câmbio, enquanto ajustes pontuais podem ocorrer nos contratos futuros de juros.

Na Ásia, os mercados de ações fecharam com oscilações estreitas. As bolsas de valores europeias, por sua vez, abriram com um leve viés positivo, enquanto os indicadores futuros de Nova York sinalizam leve baixa.

No mundo dos indicadores, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulga às 8h a segunda prévia de setembro do IGP-M, que pode trazer mais elementos a respeito da falta de pressão inflacionária

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Voltou atrás

Governo recua e não vai mais distribuir 100% do lucro do FGTS a trabalhadores

Medida só valeria para a distribuição de lucros a partir deste ano, a serem pagos no ano que vem.

Mercados hoje

Acordo entre Estados Unidos e China fortalece os mercados e Ibovespa bate máxima; dólar renova mínima

China e Estados Unidos anunciam acordo de primeira fase e bolsas globais voltam a atuar no campo positivo

em são paulo

Natura conclui maior instalação de painéis solares orgânicos

Foram colocados 1.580 painéis numa área de aproximadamente 1.800 metros quadrados, capazes de gerar 201 KWh por dia, segundo a companhia

Títulos públicos

Veja os preços e as taxas do Tesouro Direto nesta sexta-feira

Confira os preços e taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra e resgate

impasse

China ainda não confirmou acordo comercial com EUA

Comunicado mostra imprevisibilidade de um processo de negociação que abala os mercados financeiros mundiais desde meados do ano passado

melhora no indicador

‘Prévia’ do PIB avança 0,17% em outubro

IBC-Br considera a trajetória das variáveis da agropecuária, indústria e serviços, além de impostos sobre produtos

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

No radar: 33º recorde na bolsa e fraude na Via Varejo

O Ibovespa bateu seu 33º recorde neste ano ontem e o dólar fechou abaixo de R$ 4,10. Entre as empresas o destaque é a Via Varejo, que deixou todo mundo de cabelo em pé ao confirmar uma fraude bilionária. Combina bem com o clima de sexta-feira 13. O que você precisa saber hoje: Mercados • O […]

Hora de dar tchau

BNDES avalia vender sua fatia na Petrobras em oferta que pode chegar a R$ 24 bi

Intenção do banco é vender toda a fatia que detém hoje da petroleira, ou seja, 10% do total de ações ordinárias emitidas pela Petrobras via oferta pública de ações

avanço no paraná

Ânima compra UniCuritiba por R$ 130 milhões

Dono de conceito máximo do MEC (nota 5) e prestes a completar 70 anos de história, o UniCuritiba é a quinta maior instituição privada da região Sul

voltando atrás

Sob pressão, relator propõe reduzir fundo eleitoral para R$ 2 bilhões

Comissão Mista do Orçamento, formada por deputados e senadores, aprovou na semana passada relatório de Domingos Neto que prevê R$ 3,8 bilhões para o fundo usado para financiar as campanhas eleitorais

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements