Menu
2019-10-14T14:21:49+00:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
a bula do mercado

Fed e Copom reúnem-se em meio à expectativa de mais alívio monetário

Investidores esperam corte nos juros tanto nos EUA quanto no Brasil, onde taxa deve renovar piso histórico

18 de setembro de 2019
6:16 - atualizado às 14:21
selo bula do mercado
Imagem: Seu Dinheiro

Os ativos financeiros globais iniciam a quarta-feira envoltos na cautela que tradicionalmente precede a reunião de política monetária do Federal Reserve Bank (Fed) em meio a algumas dúvidas pontuais quanto à possibilidade de o banco central norte-americano voltar a cortar sua taxa de juro de referência em um momento no qual investidores de todo o mundo pressionam por mais alívio monetário.

Ainda que a cautela dê o tom, os investidores respiram aliviados com a afirmação de autoridades sauditas de que a produção de petróleo do país será restabelecida em duas ou três semanas depois dos ataques rebeldes do último sábado contra sua infraestrutura.

Um dia depois de o petróleo ter registrado a maior alta da história em apenas um dia, o preço do barril devolveu parte considerável dos ganhos já na sessão de ontem, dando espaço para que os investidores finalmente pudessem concentrar o foco no Fed e, localmente, na decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil (BCB).

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Fed teme queimar etapas

Na véspera do anúncio da decisão do juro pela autoridade monetária dos Estados Unidos, previsto para as 15h, uma disparada nas taxas de curto prazo por lá levou o Fed regional de Nova York a promover uma recompra emergencial de US$ 75 bilhões em títulos para fornecer liquidez ao mercado. Foi a primeira ação do gênero em uma década.

No meio do rebu, o mercado chegou a sinalizar uma possível manutenção na taxa de referência pelo Fed. Entretanto, agentes do mercado financeiro agora mostram-se praticamente unânimes quanto à expectativa de um corte “preventivo” de 0,25 ponto porcentual (pp) na taxa de juro nos EUA.

A expectativa maior diz respeito às sinalizações - seja no comunicado ou na entrevista coletiva do presidente do Fed, Jerome Powell, prevista para logo depois do anúncio - quanto à possibilidade de cortes futuros.

Ainda que o Fed esteja sob intensa pressão dos agentes do mercado e até mesmo do presidente dos EUA, Donald Trump, a autoridade monetária norte-americana está claramente preocupada com o risco de queimar etapas. Diretores do Fed temem que a interferência preventiva no juro deixe o banco central sem instrumentos adequados para agir quando for realmente necessário.

Selic deve registrar novo piso histórico

Às 18h, quando os mercados financeiros já estiverem fechados, o Copom anunciará sua decisão de juro. E surpresa haverá se não houver corte, ou se este vier abaixo de 0,50 pp. Praticamente não há dúvidas entre os investidores de que a taxa Selic será conduzida a um novo piso histórico, baixando dos atuais 6,00% para 5,50% ano.

Na avaliação dos especialistas do mercado, o Copom encontra-se num beco sem saída, uma vez que a inflação oficial segue em nível confortável e a atividade econômica brasileira continua fraca.

E enquanto os investidores aguardam as decisões de juro do Fed e do Copom, a cautela deve dar o tom nos negócios no Ibovespa e nos mercados de câmbio, enquanto ajustes pontuais podem ocorrer nos contratos futuros de juros.

Na Ásia, os mercados de ações fecharam com oscilações estreitas. As bolsas de valores europeias, por sua vez, abriram com um leve viés positivo, enquanto os indicadores futuros de Nova York sinalizam leve baixa.

No mundo dos indicadores, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulga às 8h a segunda prévia de setembro do IGP-M, que pode trazer mais elementos a respeito da falta de pressão inflacionária

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Perto do fim

CCJ do Senado marca reunião para analisar emendas do 2º turno da reforma da Previdência

Até o momento, senadores apresentaram nove sugestões de alteração, que mexem na redação da proposta

Seu Dinheiro na sua noite

Quando a realidade se impõe

Groucho Marx dizia que jamais faria parte de um clube que o aceitasse como sócio. Durante muito tempo os brasileiros trataram erroneamente a bolsa de valores como o tipo de clube desprezado pelo lendário comediante. Mas essa realidade começa a mudar. Quem decidiu ingressar no clube da renda variável no início do ano obteve um […]

De olho no gráfico

S&P vai, não vai, fez que vai…

Apesar da recente alta em um dos principais índices da bolsa de Nova York, Fausto Botelho ainda projeta um ciclo de queda

Dados do Tesouro

União honra R$ 442,6 milhões e dívidas de governos estaduais em setembro

Nos primeiros nove meses de 2019, o governo federal precisou desembolsar R$ 5,695 bilhões para honrar dívidas garantidas pela União de quatro Estados

Papo reto

Para Sabesp, metas definidas pelo relator no marco do saneamento são difíceis de atender

Entre os pontos tidos como difíceis de cumprir está o limite de 25% para subdelegações pelo prestador de serviços

Falando em projetos...

Na reforma da Previdência dos militares, contribuições devem aumentar mais rápido que o proposto pelo governo

Segundo relatório da Câmara, a cobrança que hoje é de 7,5% passará a 9,5% já no ano que vem, chegando a 10,5% em 2021

Gestoras

JGP lista 6 fatores que devem impulsionar a economia e empurrar a bolsa para cima em 2020

Gestora acredita que migração de renda fixa para ações vai continuar dando força ao Ibovespa. Carta de setembro também faz uma defesa do teto de gastos

novidade lá fora

Google anuncia Pixel 4, celular que promete controle por gestos sem tocar na tela

Em evento nos EUA, companhia apresentou uma série de produtos novos, incluindo a segunda geração de seu alto-falante inteligente, o Nest Mini, e o notebook Pixelbook Go; ações sobem

no topo

PAN, BMG e Bradesco lideram ranking de reclamações contra bancos do BC

Pan registrou índice de 149,58. Em segundo lugar, aparece o BMG (82,33) e, em terceiro, o Bradesco (24,16)

vamos fala das teles

Na esteira de notícias sobre possível venda da Oi, presidente da dona da Vivo diz que ficarão no Brasil as teles capazes de investir

Christian Gebara reiterou o plano trienal de investimentos da Telefônica, que prevê chegar a aportes de R$ 9 bilhões em 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements