Menu
2018-10-28T20:49:50+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Eleições 2018

Bolsonaro defende emprego, renda e ajuste fiscal em discurso

Presidente eleito destacou defesa da constituição, da democracia e da liberdade

28 de outubro de 2018
20:49
bolsonaro
Jair Bolsonaro é carregado durante evento de campanha - Imagem: Shutterstock

Em seu discurso da vitória, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, destacou que seu governo será defensor da constituição, da democracia e da liberdade e que essa não é uma promessa de partido, mas um juramento a Deus.

Bolsonaro fez dois discursos em curto espaço de tempo, um em rede social, e outro em rede de televisão, onde agradeceu a Deus, aos médicos que o socorreram após o atentado, ao povo e aos internautas. Foram discursos “olhando para frente”. No lado econômico, Bolsonaro falou, nesta ordem, em compromisso com emprego, renda e equilíbrio fiscal.

O discurso feito na TV mostrou um tom de moderação em comparação com as últimas manifestações. Bolsonaro destacou que a liberdade é um principio fundamental e citou diferentes “liberdades”, com a de ir e vir, de empreender, política, religiosa, de informar, de ter opinião e de ser respeitado pelas suas escolhas.

Falou, ainda, em defender um Brasil de diversas opiniões, cores e orientações, que cumpre seus deveres e leis e que as leis são para todos.

Economia e reformas

No lado econômico, reafirmou o compromisso com as reformas como forma de “criar um novo futuro”. Nessa parte falou em união nacional ao dizer que “não tem brasileiro do Sul e do Norte. Somos um só país e uma só nação democrática”.

Ao falar no Estado Democrático de Direito, reafirmou o direto a propriedade como principio fundamental e fundador de nações.

Bolsonaro falou em sair do ciclo vicioso de aumento da dívida e entrar em um ciclo virtuoso de dívida em queda, déficits cadentes e juros mais baixos. Isso, segundo o presidente eleito, vai estimular o crescimento e o emprego. Também se comprometeu em converter o déficit primário em superávit primário o mais rápido possível.

“Juntos, governo e sociedade, vamos construir um futuro melhor”, disse, emendando que para que o Brasil cresça, o governo federal dará um passo atrás, reduzindo estruturas e privilégios para que as pessoas deem um passo à frente.

“Vamos desamarrar o Brasil”, disse, ao falar de desburocratização e simplificação, buscando maior liberdade para o cidadão construir o seu futuro.

Bolsonaro também fez um aceno aos Estados e municípios ao falar em respeitar a federação, enviando diretamente recurso para os entes federados. “Colocaremos de pé a Federação brasileira. Mais Brasil e menos Brasília”, disse.

Bolsonaro dedicou parte de sua fala aos jovens, grande parte de seu eleitorado, dizendo que essa parcela da população enfrenta incerteza e estagnação e que eles estão sendo testados em sua capacidade de resistir. “Isso vai mudar. Vamos governar com olhos nas futuras gerações e não nas próximas eleições", disse.

Também falou em libertar o Brasil e o Itamaraty das relações com viés ideológico e que vai buscar relações bilaterais para agregar valor aos produtos brasileiros.

Disse que em seu governo cabem todos que “tem o mesmo projeto que o nosso” e que trabalhará para entregar um governo decente que atuará para todos os brasileiros.

“Somos um grande país e, agora, vamos junto transformar esse país em uma grande nação, livre democrática e prospera”, finalizou.

Perguntado sobre as indicações para seu governo, Bolsonaro não anunciou novos nomes, e disse que com tempo e cautela vai anunciar os nomes da equipe que “conduzirá o Brasil para um local de destaque no mundo”.

Rede Social

No discurso feito em rende social, Bolsonaro assumiu um tom mais voltado a seus apoiadores e também falou que tem condições de governabilidade e que os compromissos assumidos serão cumpridos, com cada uma das bancadas e com o povo em cada local que esteve presente

Também nessa fala, Bolsonaro comentou sobre suas condições de sua campanha “com grande parte da grande mídia, o tempo todo, criticando e me colocando em situação próxima a situação vexatória”

Segundo o candidato, o povo entendeu a “verdade” e passou a “acreditar na gente e passou a ser sim integrante de um grande exército que sabia para onde o Brasil estava marchando e clamava por mudanças. Não poderíamos mais continuar flertando com o socialismo, com o comunismo e com o populismo e com o extremismo da esquerda. Todos nós sabíamos para onde o Brasil estava indo”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

A Bula do Mercado

Mercado divide atenção entre indicadores e política

Agenda do dia traz dados de atividade nos EUA e na China, enquanto racha no PSL ganha novos contornos

Análise

O que o ‘Lula Livre’ tem a ver com o seu bolso?

Supremo Tribunal Federal (STF) volta a julgar prisão em segunda instância e desdobramentos têm chances de chegar aos mercados, mesmo que indiretamente

Reviravolta na trama

Após uma temporada no mundo invertido, a Netflix voltou a brilhar no terceiro trimestre

A Netflix reportou um crescimento surpreendente no lucro líquido e uma recuperação no total de novos assinantes pagos — resultados que agradaram o mercado

Voos mais altos

Azul vai expandir rotas internacionais, mas não anuncia agora por causa do dólar

O executivo frisou, porém, que o foco da Azul está no mercado doméstico – a intenção é “elevar” o nível do Brasil em termos de conectividade aérea

De olho no crédito

BC lança nova página sobre informações do mercado imobiliário

O Banco Central explica que a nova publicação é resultado da compilação de informações recebidas pelo Banco Central através do Sistema de Informações de Créditos (SCR), Sistema de Informações Contábeis (Cosif), Direcionamento dos Depósitos de Poupança (RCO) e dados das entidades de depósito e registro de ativos

Colocando os pingos nos "is"

Não houve pressão para capitalizar companhia, diz presidente da Eletrobras

Ele defendeu que, se o governo efetivamente quisesse os recursos da Eletrobras, seria mais fácil realizar diretamente a capitalização dos cerca de R$ 4 bilhões de Adiantamentos para Futuro Aumento de Capital (AFACs) e com esse recurso pagar os dividendos, alternativa em que a União receberia um volume maior de recursos

Juros

Selic abaixo de 4%? Itaú Asset acredita em 3,75% em 2020

Descontando a inflação esperada dessa projeção para a Selic, temos juro real próximo de zero. Na verdade, um toquinho de 0,14% ao ano

Vai que vai

É hora delas? Bradesco BBI aposta alto nos números de Unidas e Movida

No setor de locação, todos os três papéis (Localiza, Unidas e Movida) estão com recomendações de compra pela casa, mas a Localiza não está na lista das preferidas do analista Victor Mizusaki

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements