Menu
2019-03-11T17:40:27+00:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Reformas

Até quando dura esse renovado otimismo com a Previdência?

Sentimento do mercado melhorou desde o fim da semana passada, mas é só isso, sentimento

11 de março de 2019
12:51 - atualizado às 17:40
Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro ao lado do Presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia - Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Depois de enxergar o copo meio vazio com relação à reforma da Previdência, os mercados abrem a semana enxergando o copo meio cheio. Mas é só isso mesmo, uma questão de percepção, de “sentimento de mercado”, já que nada de concreto aconteceu e revezes na tramitação do texto são inevitáveis.

A melhora de percepção partiu do que parece ser uma mudança de postura do presidente Jair Bolsonaro, que usou suas redes sociais e uma live no “Facebook” para defender o texto em sua integralidade.

Depois, o ministro da Fazenda, Paulo Guedes, deu importante contribuição com entrevista ao “Estadão”. O ponto que mais chamou atenção foi a menção aos 48 votos que faltariam e também a sinalização que outras medidas serão tomadas, como a revisão do pacto federativo.

Sobre esses dois pontos, alguns amigos de mercado com os quais conversei têm elogios e reparos. A atuação de Bolsonaro é, sem dúvida, positiva, mas o presidente é uma “metralhadora” no “Twitter”, intercalando pontos relevantes da agenda econômica, com questões da sua agenda de costumes e ataques à imprensa. Assim, fica difícil, por ora, estimar um resultado dessa atuação.

Já a contagem de votos de Guedes pode ser vista como um “número aleatório”, pois a percepção é que essa etapa nem sequer começou, tento em vista que as comissões necessárias ao andamento da reforma não foram formalizadas. E, mesmo com isso, é difícil ainda montar um “mapa de forças” entre partidos e bancadas, em função dos muitos grupos de interesse que vão atuar contra e favoravelmente aos mais de 80 pontos distintos abordados no texto.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

É a política

No lado mais prático da coisa, o “Estadão” também nos informa que após reunião no sábado, Bolsonaro autorizou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) a organizar e encaminhar pedidos de nomeação para o segundo escalão do governo. A exigência a Maia seria que os nomes tenham boa reputação.

Esse é um ponto importante, pois parece colocar em choque a ideia de “velha política” com a “nova política” pregada por Bolsonaro na sua campanha. O assunto também esteve presente na entrevista de Paulo Guedes, que falou que a “nova política terá de valorizar os partidos”, mas eles não podem ser “mercenários”, mas sim temáticos e programáticos.

O ministro fala, ainda, desse “choque do antigo com o novo e não adianta acusar o governo de não querer fazer política como antigamente”. Ele reitera que “fomos eleitos para não fazer”, pois o jeito antigo está na cadeia e perdendo eleição. Mas assume, também, que ainda “não sabemos” qual é esse jeito novo, que “vamos aprender juntos”.

Guedes também afirma que está certa a ideia de valorizar os partidos, mas que negociar cargos “não está certo se for isso”.

É dessa curva de aprendizagem de uma pretendida “nova política” que devem surgir os revezes ao andamento não só para Previdência, mas de toda a agenda do governo. O Congresso dá sinais claros de que quer seguir no “velho modelo” e está ganhando essa disputa, pois Maia vai negociar cargos.

A questão é até que ponto o governo vai ceder, pois parece claro que as opções eram ceder algo ou partir para uma “ruptura” com o “velho modelo”, podendo resultar em total paralisia da agenda do governo.

Por outro lado, se ceder demais, o presidente vai contra os anseios da base que o elegeu e, aí sim, poderíamos ver a pressão das redes que o elegeram atuando em direção contrária.

No meio desse impasse de Palácios e gabinetes está a economia real, que continua patinando e sofrendo revisões para baixo nas estimativas de crescimento, e a massa de desempregados.

Esses conflitos envolvendo um governo que tenta formar uma base, um mercado que "quer acreditar", mas precisa ver uma estabilização da questão fiscal, com o lado real da economia, vão se intensificar, com reflexo direto no preço dos ativos financeiros.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Siga o dinheiro

Fuga de dólares bate US$ 40 bilhões em 12 meses. Surpreso? Não deveria…

Saída de recursos é a maior desde que abandonamos o regime de bandas cambiais em 1999. Desde abril, o BC vem alertando para uma mudança estrutural no mercado de câmbio

Boas novas

Juro baixo faz BlackRock ampliar aposta no Brasil

A projeção é que a Selic baixa empurre investidores para ativos de mais risco, incluindo investimentos no exterior, que ainda engatinham por aqui

dinheiro no bolso

36,9 milhões de correntistas da Caixa já sacaram recurso do FGTS

Saque de até R$ 500 por conta ativa ou inativa do fundo tem sido feito de forma escalonada, dependendo da data de aniversário de trabalhador

novas funções

Relator de MP que permite saque do FGTS vai ampliar forma de aplicação do fundo

Hoje, a lei só permite que o dinheiro seja usado para financiar moradias, saneamento e infraestrutura

todo mundo no azul

Bolsonaro assina MP que promete estimular regularização de dívidas

Texto foi chamado de MP do Contribuinte Legal e, segundo o governo, é alternativa mais justa do que parcelamentos especiais (Refis)

Exile on Wall Street

Há salvação para o investidor?

Escolhemos hoje, sobre resultados que só acontecerão no futuro. E não adianta tentar, no presente, penetrar o futuro. Há razão objetiva para serem tempos verbais diferentes. Afinal, ora, são coisas diferentes. Se fossem a mesma, teriam o mesmo nome.

Manda mais

Governo envia a Congresso mais 8 projetos de lei pedindo aval para crédito

As propostas se somam a outros dez projetos de lei pedindo autorização para a liberação de crédito extra também enviados formalmente na terça, conforme avisou a edição regular do Diário Oficial de terça-feira.

juntas

Governo dá mais um passo para aproximar Correios e Telebras do setor privado

Ambas foram incluídas no Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI)

racha

Bolsonaro diz que não quer tomar PSL, mas cobra abertura dos gastos do partido

Perguntado se deseja a saída do presidente do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE), Bolsonaro disse que não defende “nada”

Memória

Estilo madrugador de Lázaro Brandão ajudou a forjar a cultura do Bradesco

Depois de 75 anos dando expediente religiosamente a partir das 7 da manhã, “seu Brandão” manteve dedicação ao banco mesmo após deixar as funções executivas. Eu conto algumas ocasiões em que estive com o lendário banqueiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements