Menu
2019-04-04T14:42:11+00:00
Diálogo aberto

Após reunião, Trump aponta progresso em negociações comerciais entre Estados Unidos e China

Líder americano se mostrou otimista quanto à possibilidade de um acordo ser firmado até o prazo de 1º de março

31 de janeiro de 2019
20:21 - atualizado às 14:42
Donald Trump e Xi Jinping
Trump voltou a afirmar que pretende se encontrar com o presidente da China, Xi Jinping - Imagem: Shutterstock

A reunião entre equipes de alto escalão dos Estados Unidos e da China sobre as relações comerciais entre os dois países terminou há pouco, com o presidente americano, Donald Trump, se mostrando otimista quanto à possibilidade de um acordo ser firmado até o prazo de 1º de março. De acordo com o republicano, a extensão da data limite não foi alvo de discussão na conversa que durou dois dias. A delegação chinesa foi comandada pelo vice-primeiro-ministro do país asiático, Liu He, enquanto a delegação americana contou com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e com o representante comercial, Robert Lighthizer.

No Salão Oval da Casa Branca, Trump voltou a afirmar que pretende se encontrar com o presidente da China, Xi Jinping, e ressaltou que um acordo pode ser firmado entre os dois líderes. Além disso, o americano comentou que nenhuma data foi marcada para uma reunião entre ele e Xi, embora tenha enfatizado que as negociações comerciais terão continuidade. Lighthizer e Mnuchin devem ir à China "em breve" para saber o nível em que estão as conversas entre as duas maiores economias do globo.

Em comunicado emitido após o fim da reunião e durante a conversa de Trump com repórteres, a Casa Branca afirmou que aprecia "a preparação, diligência e profissionalismo demonstrados ao longo desses encontros" por Liu He e sua equipe. Além disso, o documento traz as questões que foram discutidas durante as reuniões. Entre elas, estão as transferências de tecnologia de empresas americanas para companhias chinesas; a necessidade de maior proteção e aplicação de direitos de propriedade intelectual em solo chinês; as barreiras tarifárias enfrentadas por empresas dos EUA na China; danos resultantes de roubo cibernético da China de propriedades comerciais americanas; os subsídios estatais chineses a empresas estatais; a necessidade de remoção de barreiras e tarifas a produtos manufaturados, serviços e agricultura; e o papel das moedas nos EUA.

De acordo com a Casa Branca, tanto as autoridades chinesas quanto as americanas "mostraram boa disposição para se engajar em todas as questões importantes, e as sessões de negociação apresentaram discussões produtivas e técnicas sobre como resolver nossas diferenças". Além disso, o governo dos EUA ressaltou que, apesar do progresso, "muito trabalho ainda precisa ser feito". Trump também comentou que a questão envolvendo a gigante de telecomunicações chinesa Huawei não foi discutida nos encontros, mas ressaltou que esse será um tópico abordado em outras reuniões.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Economia aquecida?

Empresários esperam queda na inadimplência e mais investimentos até o fim do ano

Pesquisa também mostra que 55% das empresas têm a intenção de aportar recursos em novos produtos e serviços, 53% querem dar um upgrade tecnológico e 46% capacitar seus profissionais

Seu Dinheiro na sua noite

O elefante na loja de cristais dos mercados

No seu livro Princípios – leitura obrigatória (ao lado do meu romance Os Jogadores, é claro…) –, Ray Dalio afirma que o importante para quem investe não é prever o futuro, mas captar mudanças no ambiente econômico enquanto elas estão acontecendo. O bilionário gestor do maior “hedge fund” do mundo sabe que é natural os […]

Sete blocos envolvidos

MPF entra com ação para impedir leilão de petróleo ao lado de Abrolhos

MPF na Bahia sustenta que blocos não deveriam ir a leilão sem os devidos estudos ambientais prévios

Papel passado

Bolsonaro sanciona com vetos MP da liberdade econômica

Presidente disse durante a cerimônia de sanção que o governo avalia projeto para incentivar a abertura de empresas

OUÇA O QUE BOMBOU NA SEMANA

Podcast Touros e Ursos: A Selic caiu novamente. E agora, como ficam os seus investimentos?

Repórteres do Seu Dinheiro trazem em podcast semanal um panorama sobre tudo o que movimentou os seus investimentos nesta semana

A grana tá solta

Governo libera R$ 12,459 bilhões do Orçamento de 2019 e educação leva a maior fatia do bolo

Parte desse dinheiro não poderá ser distribuída livremente já que, do total, R$ 2,6 bilhões vêm das receitas recuperadas por meio da Operação Lava Jato

Tesourada no governo também

Ministério da Economia corta projeção da Selic em 2019 de 6,2% para 5,9%

Projeção para o câmbio médio deste ano passou de R$ 3,8 para R$ 3,9. Já a estimativa para a alta da massa salarial passou de 5,5% para 4,9%

Meio ambiente em jogo

Amazon entra na onda verde e assina acordo ambicioso para combater mudanças climáticas

Como parte do plano, Bezos disse ainda que vai adquirir 100 mil vans de entregas elétricas da startup de veículos elétricos Rivian e que elas vão começar a rodar a partir de 2021

O céu é o limite?

Ações da Braskem disparam na bolsa após notícias sobre venda pela Odebrecht

Construtora teria recontratado a empresa Lazard para dar continuidade às negociações de venda da sua participação na Braskem

Nova tecnologia

Tim prepara novos polos de testes do 5G no Brasil

“Queremos disponibilizar a tecnologia o quanto antes para que os desenvolvedores comecem a projetar aplicações. Quando o 5G chegar, elas já estarão disponíveis”, explicou, em entrevista ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements