🔴 CHANCE DE MULTIPLICAR O SEU CAPITAL POR 7,5X COM 1 CLIQUE – CONHEÇA A FERRAMENTA

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
PAPEL QUE RELUZ

Ouro nas alturas: Metal precioso já subiu 15% em 2024 e valorização abre oportunidade para se tornar sócio desta gigante da mineração

Segundo o BTG Pactual, este é o “tão esperado ponto ideal” para quem quer se tornar sócio desta mineradora canadense; descubra qual é o papel

Camille Lima
Camille Lima
17 de junho de 2024
16:16 - atualizado às 13:26
Cenário da bolsa de valores, com operadores olhando para uma pilha de ouro no centro, com um facho de luz iluminando o ouro
Imagem: DAll E / ChatGPT

O aumento das incertezas no mercado financeiro em 2024 fez os investidores se voltarem ao ouro em busca de proteção. Considerado um porto seguro para os investimentos, o metal precioso já subiu 15% desde janeiro — e a escalada abriu oportunidade para abocanhar um outro ativo no setor de mineração, segundo o BTG Pactual.

Na avaliação do banco, este é o “tão esperado ponto ideal” para quem quer se tornar sócio da mineradora canadense Aura Minerals.

“Vemos a Aura como uma boa oportunidade para diversificação de portfólio, ao mesmo tempo em que proporciona crescimento adicional e retornos sólidos ao longo do tempo”, escreveu o BTG, em relatório. 

Os analistas mantiveram recomendação de compra para os papéis AURA33, com preço-alvo de R$ 68 para os próximos 12 meses, o que implica em um potencial de valorização de 38,6% frente ao último fechamento. 

Vale lembrar que a empresa possui ações listadas na bolsa de Toronto e BDRs (recibos de ações) negociados na B3 sob o ticker AURA33. No ano, os papéis acumulam ganhos de 39% na bolsa brasileira.

  • VOCÊ JÁ DOLARIZOU SEU PATRIMÔNIO? A Empiricus Research está liberando uma carteira gratuita com 10 ações americanas pra comprar agora. Clique aqui e acesse.

O que o BTG Pactual vê na Aura Minerals (AURA33)?

Na visão dos analistas, os BDRs da Aura Minerals são atualmente uma boa pedida para quem quer investir no setor de mineração — especialmente tendo em vista o “plano agressivo de crescimento” da companhia.

“A instabilidade operacional da Aura impediu que os investidores apreciassem totalmente seu potencial de crescimento e a vissem como um bom veículo para exposição ao ouro”, disse o BTG, referindo-se ao desempenho da companhia desde 2022. 

Isso porque as ações da Aura tiveram desempenho significativamente inferior aos preços do ouro à vista nos últimos dois anos. 

“Nos últimos trimestres, observamos sinais encorajadores de que a administração retomou o controle das operações”, disseram os analistas, que citaram que a maioria dos contratempos, como os campos de San Andres e Apoena, já parece ter sido resolvida.

“As estrelas agora parecem mais alinhadas para um desempenho superior contínuo das ações, com um sólido momentum operacional e preços de ouro entre US$ 2.300 e US$ 2.400 a onça-troy ainda longe de serem precificados.”

Ouro que reluz

O BTG Pactual acredita que, apesar da valorização de 15% neste ano, o ouro tem espaço para avançar ainda mais em 2024.

“Não estamos sugerindo que o ouro será sustentado nos níveis atuais a longo prazo, mas talvez nossa estimativa anterior de US$ 1.650 a onça-troy esteja se mostrando um pouco conservadora demais”, disse o banco.

A visão mais otimista está ligada à recente desvinculação do desempenho da commodity metálica dos rendimentos (yields) dos Treasurys, os títulos de dívida do governo dos EUA, e da performance do dólar. 

Segundo os analistas, a descorrelação pode ser explicada por fatores como o aumento do risco geopolítico, com guerras na Ucrânia e no Oriente Médio, e maiores tensões comerciais entre a China e os EUA e Europa, além do movimento de desdolarização da economia global.

Todos os olhos na produção da Aura (AURA33)

Depois de dois anos sem divulgar projeções financeiras (guidance), a Aura Minerals (AURA33) já definiu a meta dos próximos anos: aumentar a produção.

Para este ano, a estimativa é de uma produção entre 245 mil e 292 mil onças equivalentes de ouro (GEO). Por sua vez, a perspectiva para 2025 é de cerca de 450 mil GEO.

Na visão do BTG Pactual, o potencial da Aura não está sendo precificado pelo mercado — e atualmente os investidores que compram as ações levam os projetos da mineradora quase que “de graça”.

“Os investidores estão pagando apenas pelas reservas da Aura e zero pelos recursos, o que nos parece um pouco agressivo demais, já que a empresa tem consistentemente convertido seus recursos em reservas e substituído tonelagem esgotada”, afirmou o banco.

“De qualquer forma que você olhe para isso, você descobrirá que as ações parecem excessivamente descontadas e não incorporam todo o potencial da empresa”, acrescentou.

De onde virá o aumento de produção?

Para os analistas, o aumento de produção deve vir através do desenvolvimento dos projetos de Borborema (no Rio Grande do Norte) e Matupá (Mato Grosso), além do crescimento contínuo de Almas (Tocantins). 

A expectativa é que a Borborema entre em produção já no primeiro trimestre do ano que vem, com entrega entre 80 mil onças a 90 mil onças ao ano nos primeiros anos de operação.

Segundo o BTG Pactual, as novas metas da companhia podem levá-la a quase dobrar a produção nos próximos anos com projetos “bastante incrementais”. 

“Calculamos que o projeto adiciona R$ 10/ação em valor presente líquido (VPL), o que ainda acreditamos não ser precificado pelo mercado.”

Além disso, os analistas enxergam um maior potencial no projeto quando a empresa for capaz de converter sua base de recursos completa em reservas nos próximos anos. Atualmente, essa conversão é de aproximadamente 40%.

Nos cálculos do banco, isso poderia mais que dobrar o valor da Borborema, aumentando o VPL do projeto para R$ 20 a R$ 25 por ação.

Compartilhe

A MALA TÁ FEITA

Com data para deixar a B3, Cielo (CIEL3) recebe aval dos membros independentes do conselho para OPA

18 de julho de 2024 - 20:02

Leilão marcado para o dia 14 de agosto tem como objetivo vender 902.247.285 ações ordinárias da companhia a R$ 5,60

PERTO DO LIMITE?

Ambipar (AMBP3): Mercado faz contas e especula se controlador pode ser obrigado a fazer OPA

18 de julho de 2024 - 19:13

No entendimento de parte do mercado, Tércio Borlenghi Júnior já ultrapassou o limite de um terço das ações em circulação da Ambipar (AMBP3) em compras

FUSÕES E AQUISIÇÕES

De olho no sucesso de óculos inteligentes, Meta quer um pedaço da EssilorLuxottica, dona da Ray-Ban

18 de julho de 2024 - 17:00

Companhia de Mark Zuckerberg negocia a aquisição de 5% da empresa, participação avaliada em cerca de US$ 5 bilhões

VALE A PENA?

A ação da Vale (VALE3) está barata? Papel está descontado em relação a gigantes gringas; saiba se é hora de aproveitar

18 de julho de 2024 - 15:47

O Itaú BBA calcula um preço-alvo de US$ 14 para os ADRs da mineradora, o que representa um potencial de valorização de 24,8% sobre o fechamento de quarta-feira (17)

IA EM FOCO

Depois da tempestade, setor de chips e semicondutores de Inteligência Artificial (IA) respira após balanço da TSMC

18 de julho de 2024 - 13:48

Empresa taiwanesa ampliou lucro em 36% no segundo trimestre e superou as expectativas, com forte demanda por chips

AQUISIÇÃO

De olho nas importações, BTG Pactual (BPAC11) adquire capital social da Sertrading, empresa de patrimônio de quase R$ 400 milhões

18 de julho de 2024 - 9:46

De acordo com o comunicado enviado à CVM, em quatro anos, o volume transacionado em operações de comércio exterior passou de R$ 5 bilhões para R$ 19 bilhões

EMPREENDEDORISMO

Novo visual e mudança de nome: as apostas da Grendene (GRND3) para conquistar franqueados e abrir mais lojas da Melissa

18 de julho de 2024 - 9:09

Um ano após internalizar a gestão de franquias, a marca famosa por suas sandálias de plástico com aroma de tutti-frutti também lançará novos formatos de lojas

APÓS A CRISE

Lemann e sócios recalculam a rota: Americanas (AMER3) adia publicação do balanço após laudo de investigação independente

18 de julho de 2024 - 7:33

A publicação dos resultados ficou para o dia 14 de agosto, quando também serão divulgados os números do período até 30 de junho

MAIS UM PASSO

Agora vai? Grupo de credores da Americanas (AMER3) adere ao plano de recuperação judicial e abre caminho para novas emissões e pagamentos

17 de julho de 2024 - 20:27

Segundo a varejista, os credores titulares da maioria dos créditos quirografários — aqueles sem garantia — aderiram às deliberações sobre o plano de recuperação judicial do grupo, homologado em 26 de fevereiro de 2024

VALE A PENA VER DE NOVO

Guerra na Vale (VALE3)? Mineradora volta a falar sobre a sucessão do CEO em meio a boatos de divisão interna

17 de julho de 2024 - 19:48

No início do mês, o jornal o Globo noticiou uma divisão dentro da mineradora, que poderia levar a uma tentativa de implosão do atual conselho e comprometer a escolha do novo comandante da empresa

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar