🔴 META: ATÉ R$ 3.000 POR DIA COM 2 OPERAÇÕES – CONHEÇA O INDICADOR X

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Com susto de inflação, Wall Street perde apetite ao risco e Ibovespa cai abaixo dos 128 mil pontos; dólar sobe

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
14 de março de 2024
7:20 - atualizado às 17:18

RESUMO DO DIA: Na reta final da semana, os mercados acionários reagiram com cautela à agenda recheada de dados de atividade econômica, e o principal índice da bolsa brasileira não sustentou os 128 mil pontos da véspera.

O Ibovespa teve baixa de 0,25%, aos 127.689 pontos. Já o dólar fechou a R$ 49870, com alta de 0,22% no mercado à vista.

Por aqui, os investidores repercutiram os dados do varejo de janeiro, que vieram acima do consenso do mercado. Na visão de analistas, a alta sugere que a economia pode avançar mais do que o esperado no primeiro semestre.  

Lá fora, o foco do dia foi a inflação ao produtor (PPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, que veio levemente acima do esperado e reduziu a chance de corte dos juros em junho pelo Federal Reserve (Fed).

Confira o que movimentou os mercados nesta quinta-feira (14):

MAIORES ALTAS E QUEDAS DO IBOVESPA

Na ponta positiva do Ibovespa, as ações da Embraer lideraram os ganhos, com alta maior que 10%.

O movimento repercutiu a elevação do preço-alvo para os recibos de ações (ADRs) da companhia pelo Morgan Stanley. O banco elevou de US$ 19,50 para US$ 40, uma potencial alta de 86% em relação ao fechamento de ontem.

Já as ações da São Martinho foram beneficiadas pela aprovação do projeto "combustível do futuro" na Câmara dos Deputados, na noite de ontem (13).

Confira as maiores altas do Ibovespa:

CÓDIGONOMEULTVAR
EMBR3Embraer ONR$ 29,3710,21%
SMTO3São MartinhoR$ 27,795,07%
CRFB3Carrefour Brasil ONR$ 12,563,29%
MRFG3Marfrig ONR$ 10,263,22%
VIVT3Telefônica Brasil ONR$ 53,152,19%

Na ponta negativa, as companhias de siderurgia e mineração acompanharam a forte queda do minério de ferro na China..

Em destaque, Hypera recuou em reação aos resultados do quarto trimestre, que vieram "pior que o esperado" na análise do mercado.

Confira as maiores quedas do Ibovespa hoje:

CÓDIGONOMEULTVAR
CMIG4Cemig PNR$ 11,10-4,15%
CSNA3CSN ONR$ 15,64-3,87%
HYPE3Hypera ONR$ 32,88-3,41%
GGBR4Gerdau PNR$ 21,20-3,02%
DXCO3Dexco ONR$ 8,21-2,73%
FECHAMENTO DO IBOVESPA

O Ibovespa teve queda de 0,25%, aos 127.689,97 pontos.

O principal índice da bolsa brasileira interrompeu a sequência de altas e fechou em baixa com cautela das bolsas de Nova York, ingerências políticas na Petrobras e em Vale, além da forte queda do minério de ferro.

O avanço do petróleo, que atingiu o maior nível em quatro meses, a US$ 85 o barril não foi suficiente para drenar a aversão ao risco.

Por aqui, as vendas do varejo avançaram 2,5% em janeiro ante dezembro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com janeiro de 2023, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 4,1% em janeiro.

As vendas do varejo restrito — que excluem veículos, materiais de construção e atacarejo — acumularam crescimento de 4,1% no ano, que tem como base de comparação o mesmo período do ano anterior. No acumulado em 12 meses, houve alta de 1,8%, ante avanço de 1,6% até dezembro.

Na visão do Itaú, o forte crescimento das vendas do varejo em janeiro sugere que a economia pode avançar mais do que o esperado no primeiro trimestre.

FECHAMENTO DE NOVA YORK

A cautela voltou a Wall Street após dados acima do esperado, que colocaram em risco o corte de juros pelo Federal Reserve (Fed) em junho.

  • S&P 500: -0,29%, aos 5.150,48 pontos;
  • Dow Jones: -0,35%, aos 38.905,66 pontos;
  • Nasdaq: -0,30%, aos 1.128,53 pontos.

O grande holofote do dia foi o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês), que avançou 0,6% em fevereiro ante janeiro nos Estados Unidos. A alta da inflação ficou acima dos 0,3% esperados.

Além disso, as vendas no varejo dos Estados Unidos subiram 0,6% em fevereiro ante janeiro, a US$ 700,7 bilhões, segundo dados com ajustes sazonais divulgados hoje pelo Departamento do Comércio. O resultado veio abaixo das expectativas de analistas consultados pela FactSet, que previam avanço de 0,7% no período.

Por fim, os número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos teve uma leve baixa de 1 mil na semana encerrada em 9 de março, a 209 mil. O resultado ficou acima da expectativa de analistas consultados pela FactSet, que previam 219 mil pedidos.

FECHAMENTO DO DÓLAR

O dólar terminou o dia com alta de 0,22%, a R$ 4,9870, no mercado à vista.

A moeda norte-americana ganhou força apoiada pelo avanço da inflação ao produtor (PPI, na sigla em inglês) de fevereiro nos Estados Unidos.

Vale lembrar que, na véspera, a inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) para o mesmo mês também veio acima do esperado. Sendo assim, os investidores reduziram as apostas de corte nos juros da maior economia do mundo, pelo Federal Reserve, (Fed) em junho.

Em reação, os rendimentos (yields) dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos também renovaram máximas intradiária se aproximando da marca psicológica de 5%.

Ações do Ibovespa: as quatro apostas do BTG Pactual para a carteira do índice em maio

A cada quatro meses a B3 reavalia a carteira teórica do Ibovespa, fazendo o rebalanceamento dos ativos que fazem parte do índice. A próxima vez que isso deve acontecer é em 6 de maio e o BTG Pactual não acredita em uma dança das cadeiras das ações dessa vez. 

Vale lembrar que, antes dessa data, a bolsa brasileira divulgará três prévias com possíveis mudanças: em 1 e 16 de abril e 2 de maio.

Segundo o BTG, Caixa Seguridade ON (CXSE3), Marcopolo ON (POMO4), Auren ON (AURE3) e Vivara ON (VIVA3) devem fazer parte do Ibovespa nesse rebalanceamento de carteira. O banco não projeta nenhuma exclusão para maio. Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados.

“VIVA3 tem grandes chances de ingressar no índice, os outros três estão mais próximos da linha d’água”, diz o BTG em relatório.

Leia mais.

CASINO FORA DO CONTROLE

O grupo francês Casino anunciou que não está mais no controle do Grupo Pão de Açúcar (GPA; PCAR3).

Em comunicado, a empresa disse que, após o aumento de capital do GPA em R$ 704 milhões, o Casino passou a deter participação de 22,5% e deixa de estar no controle;

Mesmo assim, o Casino manterá dois membros no conselho do GPA.

BC: FLUXO CAMBIAL

O Brasil registrou fluxo cambial positivo de US$ 5,312 bilhões em 2024, até 8 de março, informou o Banco Central nesta quinta-feira, 14. Em 2023, o resultado foi positivo em US$ 11,491 bilhões.

No acumulado do ano até a semana passada, o canal financeiro apresenta saídas líquidas de US$ 3,880 bilhões. Isso é o resultado de aportes no valor de US$ 110,986 bilhões e retiradas no total de US$ 114,866 bilhões.

O segmento reúne os investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

No comércio exterior, o saldo em 2024 é positivo em US$ 9,193 bilhões, com importações de US$ 42,045 bilhões e exportações de US$ 51,238 bilhões. Nas exportações, estão incluídos US$ 5,249 bilhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC), US$ 10,175 bilhões em Pagamento Antecipado (PA) e US$ 35,815 bilhões em outras entradas. [Estadão Conteúdo]

FECHAMENTO DO PETRÓLEO

Sem previsão de trégua no conflito no Oriente Médio e com a continuidade da guerra entre a Ucrânia e a Rússia, o petróleo tem operado em constante volatilidade — e aumentado a cautela dos investidores sobre o mercado de commodities. 

Isso porque o petróleo é um dos termômetros de aversão ao risco em escala global. Nesta quinta-feira (14), o óleo chegou ao maior nível em quatro meses, com alta superior a 2% e barril na casa dos US$ 85. 

Os contratos mais líquidos do petróleo Brent para maio — que é referência para o mercado internacional — terminaram o dia com avanço de 1,65%, a US$ 85,42 o barril, na Internacional Exchange (ICE).

Já os futuros do petróleo West Texas Intermediate (WTI) — referência apenas para o mercado dos Estados Unidos — fecharam com alta de 1,93%, a US$ 81,26 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex).

Leia mais.

JUROS FUTUROS AVANÇAM

Os juros futuros (DIs) abrem em toda a curva, na esteira do forte avanço dos rendimentos dos Treasurys após a inflação ao produtor vir acima do esperado.

Confira o desempenho dos DIs agora:

CÓDIGONOME ULT FEC
DI1F25DI Jan/259,90%9,86%
DI1F26DI Jan/269,81%9,70%
DI1F27DI Jan/2710,04%9,91%
DI1F28DI Jan/2810,34%10,21%
DI1F29DI Jan/2910,54%10,41%
DI1F30DI Jan/3010,70%10,56%
DI1F31DI Jan/3110,79%10,66%
DI1F32DI Jan/3210,81%10,71%
DI1F33DI Jan/3310,90%10,76%
FECHAMENTO DA EUROPA

As bolsas europeias encerraram o pregão, majoritariamente, em queda, em dia de agenda local mais esvaziada e avanço da inflação ao produtor nos Estados Unidos.

Confira o fechamento dos principais índices:

  • DAX (Frankfurt): -0,11%, aos 17.942,04 pontos;
  • FTSE 100 (Londres): -0,37%, aos 7.743,15 pontos;
  • CAC 40 (Paris): +0,29%, aos 8.161,42 pontos;;
  • Stoxx 600: -0,18%, aos 506,40 pontos.

BTG REBAIXA AS AÇÕES DA WEG (WEGE3) — E REVELA OS QUATRO PAPÉIS FAVORITOS NO SETOR PARA COMPRAR AGORA

A fábrica de bilionários da B3 parece estar prestes a desacelerar o ritmo em 2024. Depois de um balanço acima das expectativas do mercado no quarto trimestre de 2023, o BTG Pactual agora prevê um passo mais lento de crescimento para a Weg (WEGE3).

Com uma maior cautela no horizonte, o banco rebaixou a recomendação para as ações, de “compra” para “neutro”, mas manteve o preço-alvo de R$ 50 — implicando em um potencial de valorização de 32%.

A revisão para baixo dos papéis vem na esteira da atualização de estimativas dos analistas para o universo de bens de capital e para a indústria de automóveis.

Para os analistas, a perspectiva é mais positiva para o segmento de veículos pesados no Brasil, como a Iochpe-Maxion (MYPK3).

Leia mais.

DESCE DO IBOVESPA

Na ponta negativa, as ações da PetroReconcavo caem mais de 5% e lideram as baixas do Ibovespa.

A companhia zerou os ganhos da semana com rumores sobre a fusão da petroleira com a 3R Petroleum.

Já as companhias de mineração e siderurgia recuam mais um dia na esteira da queda de mais de 2% do minério de ferro na China.

Confira as maiores quedas do Ibovespa até agora:

CÓDIGONOMEULTVAR
RECV3PetroReconcavo ONR$ 21,36-5,07%
CSNA3CSN ONR$ 15,73-3,32%
NTCO3Natura ONR$ 18,16-3,15%
CMIG4Cemig PNR$ 11,24-2,94%
AZUL4Azul PNR$ 12,38-2,83%
SOBE DO IBOVESPA

Na ponta positivo do Ibovespa, as ações da Embraer lideram os ganhos, com alta maior que 6%.

O movimento deve-se a elevação do preço-alvo para os recibos de ações (ADRs) da companhia pelo Morgan Stanley. O banco elevou de US$ 19,50 para US$ 40, uma potencial alta de 86% em relação ao fechamento de ontem.

Já as ações da São Martinho são beneficiadas pela aprovação do projeto "combustível do futuro" na Câmara dos Deputados, na noite de ontem (13).

Confira as maiores altas do Ibovespa até agora:

CÓDIGONOMEULTVAR
EMBR3Embraer ONR$ 28,396,53%
SMTO3São MartinhoR$ 27,323,29%
TIMS3Tim ONR$ 19,032,75%
MRFG3Marfrig ONR$ 10,192,52%
CRFB3Carrefour Brasil ONR$ 12,462,47%
COMO ANDAM OS MERCADOS

Em dia orientado por dados, as bolsas operam em tom negativo.

Por aqui, as vendas do varejo subiram 2,5% em janeiro na comparação de dezembro, com ajuste sazonal, acima das expectativa de avanço de 1,7%. O avanço "surpresa" pressiona os juros futuros (DIs) em toda a curva brasileira.

Os investidores locais mantêm uma postura cautelosa também de olho nos dados dos Estados Unidos, que também vieram acima do esperado e derrubam os índices em Wall Street.

Entre os dados da maior economia do mundo está a inflação ao produtor, maior que o previsto. O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) avançou 0,6% em fevereiro ante janeiro nos Estados Unidos. A alta da inflação foi acima dos 0,3% esperados.

Sendo assim, o Ibovespa cai 0,15%, aos 127.811 pontos.

O dólar sobe a R$ 4,9830 no mercado à vista, com ganhos de 14% em relação ao fechamento anterior.

EMBRAER (EMBR3) AMEAÇA AIRBUS E BOEING? ESTE BANCÃO DIZ QUE SIM — AÇÃO LIDERA ALTAS DO IBOVESPA

Diz a lenda grega, que Ícaro foi um dos primeiros homens a voar, usando asas de plumas coladas com cera. Porém, desobedecendo o pai, ele chegou muito perto do sol, derretendo a cera e ele, ao cair, morreu afogado. Diferente de Ícaro, o investidor que comprar Embraer agora pode ver a ação “voar voar, subir subir”.

O Morgan Stanley elevou o preço-alvo dos ADRs da Embraer de US$ 19,50 para US$ 40 — o que representa um potencial de valorização de 86% em relação ao último fechamento — e ainda elegeu ainda o papel como o favorito do setor aeroespacial.

Por volta de 12h30, a ação da EMBR3 negociada na B3 liderava os ganhos do Ibovespa, com alta de 6,42%, cotada a R$ 28,36. 

Em Nova York, os ADRs da Embraer avançavam 6,25%, a US$ 22,78. Acompanhe nossa cobertura ao vivo dos mercados

Leia mais.

SÃO MARTINHO (SMTO3) EM ALTA

As ações da São Martinho (SMTO3) operam entre as maiores altas do Ibovespa, com ganhos de quase 3%.

O movimento de alta acontece após a Câmara dos Deputados aprovar, na noite de ontem (13), o projeto "combustível do futuro"

O texto aprovado na Câmara prevê um aumento gradual da mistura de biodiesel no óleo diesel de forma não automática, mas com metas. O piso previsto de 13% e o teto de 25%.

Sendo assim, o projeto é visto como um "vento favorável" para produtoras de etanol.

SMTO3 sobe 2,80%, a R$ 26,26, no Ibovespa.

BALANÇO DA MOURA DUBEUX (MDNE3) AGRADA ANALISTAS, MAS AÇÕES DESPENCAM NA B3

Quem vê o desempenho das ações da Moura Dubeux (MDNE3) nesta quinta-feira (14) pode achar que o balanço do quarto trimestre da construtora está repleto de problemas. Afinal os papéis caíam forte, cerca de 3,9%, por volta das 12h.

Mas esse não foi é o caso, ao menos segundo os analistas de duas casas: Genial e XP avaliaram como positivos os números da companhia e esperavam uma reação neutra do mercado. Além disso, ambas reiteraram a recomendação de compra para os papéis.

Vale relembrar que a construtora, líder de mercado na região Nordeste, reportou ontem que o lucro líquido disparou 230% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, para R$ 33,7 milhões. No consolidado anual, a alta foi mais modesta, de 48,1%, a R$ 155,6 milhões.

Já a margem líquida, um indicador importante para o setor pois releva qual é a porcentagem de lucro em relação às receitas da Moura Dubeux, terminou o ano em 13,5%, praticamente estável ante os 13,1% registrados em 2022.

Leia mais.

GIRO DO MERCADO

A Eletrobras reverteu o seu prejuízo de 2022, registrando um lucro líquido de R$893 milhões no 4T23. A empresa propôs a distribuição de dividendos no valor de R$ 1,296 bilhão referentes aos resultados.

O analista Ruy Hungria, da Empiricus Research, comenta a proposta de distribuição de dividendos referentes ao resultado de 2023 e as perspectivas para 2024.

A Iguatemi (IGTI11) anunciou um investimento de R$ 236 milhões para a expansão do shopping Iguatemi Brasília,

O analista Pedro Niklaus explica como está a companhia até agora e revela suas perspectivas para o ano.

Acompanhe:

O Ibovespa tenta recuperar as perdas e retomar o território positivo. O índice sobe 0,01%, aos 127.990 pontos.

TREASURYS EM ALTA

Os rendimentos (yields) dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, os Treasurys, operam nas máximas em reação aos dados de atividade econômica divulgados mais cedo.

Entre eles, a inflação ao produtor avançou 0,6% em fevereiro ante janeiro nos Estados Unidos. A alta da inflação foi acima dos 0,3% esperados.

Os juros projetados da dívida pública para 10 anos operam em alta a 4,280% e para 30 anos sobem a 4,426%.

DÍVIDAS DOS ESTADOS

O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco, afirmou há pouco que o Legislativo aguarda um projeto de lei sobre as dívidas dos Estados com a União.

"Esperamos que nos próximos dias, a Fazenda encaminhe o projeto da dívida dos Estados. Na próxima semana, vou me reunir com o [ministro da Fazenda, Fernando] Haddad para fixar um prazo de apresentação do programa", disse Pacheco.

O ministro da Fazenda vem fazendo reuniões com os governadores dos Estados para tratar do assunto. Ontem (13), Haddad esteve em São Paulo, em encontro com o governador Tarcísio de Freitas.

EMBRAER (EMBR3) SOBE 6%

As ações da Embraer (EMBR3) lideram os ganhos do Ibovespa, com alta maior que 6%.

O movimento deve-se a elevação do preço-alvo para os recibos de ações (ADRs) da companhia pelo Morgan Stanley. O banco elevou de US$ 19,50 para US$ 40, uma potencial alta de 86% em relação ao fechamento de ontem.

EMBR3 sobe 6,12%, a R$ 28,28, no Ibovespa.

ELETROBRAS (ELET3) REVERTE PREJUÍZO NO 4T23 E ANUNCIA DIVIDENDOS

Em mais um resultado marcado por melhorias operacionais e provisões para lidar com passivos dos tempos em que era estatal, a Eletrobras (ELET3) registrou lucro líquido de R$ 893 milhões no quarto trimestre, revertendo o prejuízo de R$ 479 milhões do mesmo intervalo de 2022.

Com isso, a administração da empresa também aproveitou o momento para anunciar a distribuição de dividendos no valor de R$ 1,296 bilhão. 

Assim, no consolidado de 2023, o lucro somou R$ 4,395 bilhões, alta de 21% ante os R$ 3,638 bilhões do ano anterior.

O resultado parece ter animado os investidores nesta quinta-feira (14). Os papéis ELET3 avançavam 1,61% por volta das 10h40, cotados a R$ 44,05. No mesmo horário, o Ibovespa operava próximo da estabilidade, com queda de 0,05%, aos 127.951 pontos.

Leia mais.

MERCADOS AGORA

Com os investidores digerindo dados nos Estados Unidos, as bolsas de Nova York zeraram os ganhos da abertura, com reflexo na bolsa brasileira.

O Ibovespa cai 0,29%, aos 127.640 pontos.

Já o dólar à vista retomou força e sobe 0,07%, a R$ 4,9795.

ABERTURA DE NOVA YORK

As bolsas de Nova York abriram em alta, enquanto os investidores digerem dados de atividade econômica e de inflação. Confira o desempenho dos índices após a abertura:

  • S&P 500: +0,15%;
  • Dow Jones: +0,17%;
  • Nasdaq: +0,38%.

As vendas no varejo dos Estados Unidos subiram 0,6% em fevereiro ante janeiro, a US$ 700,7 bilhões, segundo dados com ajustes sazonais divulgados hoje pelo Departamento do Comércio. O resultado veio abaixo das expectativas de analistas consultados pela FactSet, que previam avanço de 0,7% no período.

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos teve uma leve baixa de 1 mil na semana encerrada em 9 de março, a 209 mil. O resultado ficou acima da expectativa de analistas consultados pela FactSet, que previam 219 mil pedidos.

Por fim, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) avançou 0,6% em fevereiro ante janeiro nos Estados Unidos. A alta da inflação foi acima dos 0,3% esperados.

SOBE E DESCE DA ABERTURA

Confira as maiores altas:

CÓDIGONOMEULTVAR
EMBR3Embraer ONR$ 27,513,23%
ELET3Eletrobras ONR$ 44,251,98%
ENEV3Eneva ONR$ 12,691,85%
ELET6Eletrobras PNBR$ 49,121,38%
PETR4Petrobras PNR$ 36,881,37%

E as maiores quedas do Ibovespa após a abertura:

CÓDIGONOMEULTVAR
HYPE3Hypera ONR$ 32,45-4,67%
YDUQ3Yduqs ONR$ 21,19-1,72%
NTCO3Natura ONR$ 18,48-1,44%
COGN3Cogna ONR$ 2,83-1,39%
LWSA3LWSA ONR$ 5,82-1,36%
ABERTURA DO IBOVESPA

O Ibovespa estende os ganhos da sessão anterior e tenta emplacar a terceira alta consecutiva na semana.

O índice opera com alta de 0,09%, aos 128.125 pontos, após a abertura.

Os investidores locais repercutem os dados de venda no varejo de janeiro. A polêmica e os desdobramentos sobre os dividendos da Petrobras (PETR4) seguem sendo monitorados pelo mercados.

O destaque do ambiente corporativo é o balanço do quarto trimestre da Eletrobras (ELET3,ELET6).

ADRS DE VALE E PETROBRAS

Os recibos de ações (ADRs) de Vale e Petrobras operam em alta no pré-mercado em Nova York e acompanham o desempenho dos índices futuros.

  • Petrobras (PBR): +1,01%, a US$ 14,96
  • Vale (VALE): +0,08%, a US$ 12,30
MERCADO DE COMMODITIES

O mercado de commodities operam sem direção única, em mais um dia de forte queda das commodities metálicas.

O minério de ferro terminou as negociações com queda de 2,62%, a US$ 111,01 a tonelada, em Dalian.

Já os contratos mais líquidos do petróleo Brent operam com alta de 0,63%, a US$ 84,53 o barril.

A CULPA É DO LULA?

Seis dias depois da retenção dos dividendos extraordinários da Petrobras (PETR4), o presidente da companhia, Jean Paul Prates, posicionou-se publicamente sobre o assunto.

Na noite de quarta-feira (13), Prates recorreu a sua conta no X (antigo Twitter) para rebater os questionamentos à medida aprovada pelo conselho de administração.

O presidente da estatal reiterou que a direção da empresa apenas adiou o pagamento e depositou o dinheiro em sua reserva de lucro.

Prates também confirmou que o pedido para que os dividendos extraordinários ficassem retidos partiu do Palácio do Planalto.

Leia mais.

EUA: INFLAÇÃO AO PRODUTOR

O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) avançou 0,6% em fevereiro ante janeiro nos Estados Unidos. A alta da inflação foi acima dos 0,3% esperados.

O núcleo do PPI, que exclui itens mais voláteis como alimentos e energia, teve alta de 0,3% no período, acima também da expectativa de avanço de 0,2%.

Na comparação anual, o PPI subiu 1,6%, ante a previsão de 1,1%. Já o núcleo subiu 2% na mesma base de comparação, acima dos 1,9% esperados.

ABERTURA DO JUROS FUTUROS

Os juros futuros (DIs) operam com viés de alta em toda a curva, na esteira dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, os Treasurys.

Os DIs devem refletir a reação dos investidores aos dados de atividade no Brasil e nos Estados Unidos, além da inflação ao produtor no mercado norte-americano.

Confira como abriram os DIs hoje:

CÓDIGONOME ABE FEC
DI1F25DI Jan/259,86%9,86%
DI1F26DI Jan/269,72%9,70%
DI1F27DI Jan/279,94%9,91%
DI1F28DI Jan/2810,22%10,21%
DI1F29DI Jan/2910,42%10,41%
DI1F30DI Jan/3010,60%10,56%
DI1F31DI Jan/3110,66%10,66%
DI1F32DI Jan/3210,72%10,71%
DI1F33DI Jan/3310,76%10,76%
VENDAS NO VAREJO

As vendas do varejo avançaram 2,5% em janeiro ante dezembro, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação com janeiro de 2023, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 4,1% em janeiro.

As vendas do varejo restrito — que excluem veículos, materiais de construção e atacarejo — acumularam crescimento de 4,1% no ano, que tem como base de comparação o mesmo período do ano anterior. No acumulado em 12 meses, houve alta de 1,8%, ante avanço de 1,6% até dezembro.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção, de veículos e de atacado alimentício, as vendas subiram 2,4% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal.

Na comparação com janeiro de 2023, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram alta de 6,8% em janeiro.

As vendas do comércio varejista ampliado acumularam avanço de 6,8% no ano. No acumulado em 12 meses, houve alta de 2,9%, ante avanço de 2,4% até dezembro.

MATHEUS SPIESS: MERCADO EM 5 MINUTOS

A LINHA TÊNUE DO MERCADO: FELICIDADE COM A ATIVIDADE E PREOCUPAÇÃO COM A INFLAÇÃO

O otimismo continua a marcar presença em Wall Street, onde as ações americanas estão sendo negociadas perto de seus picos históricos, com o S&P 500 atravessando o seu período mais estável desde 2018, sem registrar quedas de pelo menos 2%.

A atenção dos investidores se volta agora para os indicadores econômicos que serão divulgados nesta quinta-feira, incluindo a inflação ao produtor e as vendas no varejo.

Seguindo uma tendência positiva observada na inflação ao consumidor, espera-se que os preços ao produtor apresentem elevação, especialmente devido à recuperação dos preços da energia.

Ainda mais crítico é o impacto desses dados nos componentes que influenciam o índice de Preço de Gastos de Consumo Pessoal (PCE), considerado o indicador preferido de inflação pelo Federal Reserve.

Esses componentes devem manter um certo impulso de crescimento desde janeiro, indicando potenciais pressões inflacionárias ascendentes nas previsões principais do PCE.

Esses serão os últimos dados antes da importante reunião de política monetária do Fed na próxima semana.

Enquanto isso, os mercados europeus experimentam uma alta nesta manhã, refletindo um movimento similar aos ativos americanos.

O dia foi menos animador na Ásia, onde a maior parte das ações mostrou um desempenho modesto, e o mercado japonês registrou perdas pelo quarto dia consecutivo, devido a preocupações contínuas com as políticas do Banco do Japão.

Além disso, declarações de autoridades monetárias europeias previstas para hoje podem oferecer mais clareza sobre os futuros passos do Banco Central Europeu.

No segmento das commodities, o minério de ferro enfrenta mais uma jornada de declínio, aproximando-se cada vez mais do patamar de US$ 100 por tonelada, enquanto o petróleo observa uma recuperação, rondando os US$ 85 por barril.

Esse aumento vem na esteira de um ataque de drone ucraniano a uma das maiores refinarias russas, combinado com uma diminuição nos estoques de petróleo e gasolina nos Estados Unidos.

A ver…
00:58 — Tentando diluir os atritos

Ontem, o mercado brasileiro teve mais um dia de avanço, levando o Ibovespa a ultrapassar a marca dos 128 mil pontos durante uma sessão marcada pelo vencimento de opções sobre o índice. Esse impulso ocorreu mesmo diante de um cenário externo desafiador e das preocupações em torno da Petrobras e da Vale.

O apoio veio especialmente do setor de frigoríficos, impulsionado pela notícia da concessão de novas licenças de exportação para a China, e das instituições financeiras, à exceção do Banco do Brasil, que sofreu com a crescente visão negativa sobre o governo.

Na agenda econômica de hoje, destaca-se o adiamento do anúncio dos resultados da Eletrobras para esta manhã, uma mudança em relação à previsão inicial de divulgação ontem à noite.

Além disso, será apresentado o desempenho das vendas no varejo de janeiro, esperando-se uma recuperação após a retração de dezembro.

Ainda hoje, o Ministério da Fazenda deve revelar as expectativas de mercado para o resultado primário das contas públicas.

Será interessante observar a reação do mercado à comunicação da Petrobras, que tenta tranquilizar os investidores quanto à distribuição futura de dividendos, indicando que a postergação é temporária.

Essa perspectiva faz sentido, considerando a necessidade governamental por esses recursos.

01:49 — E os produtores?

A marcação de um novo recorde pelo S&P 500 nos EUA terá que aguardar, já que o índice registrou queda em um dia de movimentações relativamente tranquilas no mercado, destacando-se pela falta de grandes anúncios econômicos.

Nesse cenário de menor atividade, os investidores permaneceram ocupados avaliando os resultados da inflação divulgados na terça-feira, ao passo que se preparavam para os novos dados sobre as vendas no varejo e o índice de preços ao produtor, esperados para hoje.

A expectativa predominante é de que os consumidores tenham retomado os gastos no último mês, embora a intensidade desse movimento ainda seja uma incógnita que deverá ser esclarecida com os anúncios do dia.

Antecipa-se um crescimento de 0,7% nas vendas do varejo, uma recuperação em relação à contração de 0,8% observada do mês de dezembro para janeiro. Já as projeções do Federal Reserve de Chicago sugerem um aumento mais modesto, de 0,4% nas vendas.

Resultados acima das expectativas poderão influenciar a trajetória das taxas de juros. Além disso, os olhares se voltam para o índice de preços ao produtor, com uma alta esperada de 0,3% para fevereiro.

Apesar de ser considerado menos crucial do que os dados de inflação ao consumidor divulgados anteriormente, esse índice ainda é relevante e poderá impactar negativamente o mercado caso apresente um resultado superior ao antecipado.

Apesar dessas incertezas, o dia inicia-se sob uma perspectiva positiva.

02:37 — O provável início do fim para o TikTok nos EUA…

Ontem, como antecipei há alguns dias, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou, com uma ampla maioria de 352 a 65 votos, uma proposta legislativa que visa à proibição do TikTok em território americano, a não ser que a ByteDance, empresa chinesa detentora do aplicativo, concorde em vendê-lo. Essa decisão coloca o futuro do aplicativo, que conta com 170 milhões de usuários nos EUA, nas mãos dos 100 membros do Senado.

O Presidente Joe Biden, que já havia expressado sua disposição em ratificar a medida caso aprovada, encontra-se em uma situação delicada, considerando a recente adoção do TikTok pela sua campanha de reeleição e o potencial impacto na percepção do eleitorado jovem, às vésperas de um novo embate eleitoral contra Donald Trump.

Uma eventual aprovação da lei não apenas intensificaria as tensões sino-americanas, mas também representaria uma medida legislativa sem precedentes no que concerne à restrição de uma plataforma social, alimentada pela percepção de que o governo chinês poderia exercer influência sobre a ByteDance e, consequentemente, sobre o TikTok, utilizando-o como instrumento de propaganda.

As preocupações se acentuam diante dos riscos à segurança nacional que a manipulação de dados e softwares por parte de entidades estrangeiras poderia representar, especialmente se tais informações estivessem ao alcance do governo chinês.

Além disso, há temores de que a ByteDance possa manipular seu algoritmo para disseminar conteúdo alinhado aos interesses de Pequim, influenciando os usuários.

A preocupação se estende ao impacto psicológico da plataforma, já que pais e especialistas em saúde mental têm alertado sobre o potencial viciante e prejudicial do TikTok.

Se efetivada, essa legislação também beneficiaria concorrentes como Meta, Google e Snap, ao eliminar um rival influente no mercado de redes sociais.

03:24 — Novas parcerias para os alemães

O Chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, está empenhado em estreitar as relações econômicas com Tailândia, Malásia e Filipinas, na busca por uma maior diversificação das parcerias comerciais da Alemanha na Ásia, objetivando reduzir a dependência do país em relação à China.

Nesta semana, Scholz realizou encontros em Berlim com representantes desses três países do Sudeste Asiático, um movimento estratégico para diminuir a vulnerabilidade alemã perante as dinâmicas comerciais com a China, buscando ao mesmo tempo fortalecer a economia alemã por meio de redes de abastecimento e colaborações em matérias-primas mais variadas.

Apesar dos esforços para diminuir a dependência, a China se manteve como o principal parceiro comercial da Alemanha em 2023, marcando o oitavo ano consecutivo nessa posição, com investimentos diretos de empresas alemãs na China alcançando patamares recordes.

Os líderes de Malásia, Tailândia e Filipinas, que são integrantes da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), administram economias que já possuem participação significativa nas cadeias globais de abastecimento de mercadorias e serviços, especialmente nas Filipinas.

Embora o mercado desses países seja consideravelmente menor que o chinês, a Asean representa um mercado consumidor considerável, com aproximadamente 670 milhões de habitantes. Paralelamente, a União Europeia, que conta com 27 países membros, tem revitalizado negociações comerciais com a Tailândia, além de ter iniciado diálogos com a Indonésia em 2016.

Os Estados Unidos também têm buscado estreitar laços com nações do Sudeste Asiático, indicando uma tendência das potências ocidentais de expandir sua influência na Ásia diante do cenário de tensões geopolíticas reminiscentes de uma nova Guerra Fria.

04:16 — E se o Federal Reserve não fizer nenhum corte? Creio que não seja o caso, mas vale refletir sobre…

Atualmente, tanto o Federal Reserve quanto as projeções do mercado futuro de juros antecipam três reduções nas taxas nos EUA ainda este ano. Contudo, a possibilidade de o Fed optar por não realizar nenhum corte está sendo debatida.

Torsten Slok, o economista-chefe do Apollo Group em Nova Iorque, propôs uma visão contrária, sugerindo a possibilidade de que não ocorram cortes nas taxas de juros este ano.

Slok embasa sua previsão em fatores econômicos: a economia mostra sinais de aceleração, não de desaceleração; o mercado de trabalho mantém-se robusto; pequenas empresas indicam planos de aumentar preços e salários; os aluguéis solicitados estão em alta novamente; e as condições financeiras parecem relaxadas.

Slok apresenta argumentos convincentes, e, embora a perspectiva de novas elevações de taxas, como sugerido por alguns no início do ano, pareça extrema, a ideia de manutenção das taxas atuais ganha força.

Adicionalmente, considera-se que o Fed deseje evitar erros do passado, como cortes prematuros que conduziram a dificuldades inflacionárias nos anos 70 e à formação de bolhas financeiras no final dos anos 90.

No entanto, a previsão de que cortes de juros não ocorrerão pode ser precipitada, dada a volatilidade e a capacidade de mudança do cenário econômico.

Com mais de nove meses restantes no ano, é plausível que se desenvolvam condições mais favoráveis que justifiquem uma redução das taxas de juros pelo Federal Reserve.

ESQUENTA DOS MERCADOS

O Ibovespa futuro começou o dia em queda de 0,18%, aos 129.150 pontos. No mesmo horário, o dólar à vista era negociado também em queda de 0,22%, cotado a R$ 4,9652.

PÃO DE AÇÚCAR CAPTA R$ 704 MILHÕES EM OFERTA DE AÇÕES

O Pão de Açúcar (PCAR3) deu mais um passo para colocar a prateleira financeira em ordem e reforçou o caixa em R$ 704 milhões com uma oferta de ações.

O preço por ação saiu a R$ 3,20, o que representa um desconto de 3,90% em relação ao fechamento de ontem (R$ 3,33) e de 11% na comparação com as cotações de antes do anúncio da oferta (R$ 3,60).

O Pão de Açúcar poderia emitir entre 140 milhões e 280 milhões de papéis, dependendo da demanda do mercado. Mas acabou ficando no meio do caminho e no final lançou 220 milhões de novas ações.

A oferta vai diluir a participação dos acionistas que não colocaram dinheiro novo na companhia em 45%. Entre eles, o grupo francês Casino, que não manifestou a intenção de entrar na operação.

Leia mais.

AGENDA DO DIA
HoraPaísEvento
9h00BrasilVendas no varejo em janeiro
9h30Estados UnidosPedidos de auxílio desemprego
9h30Estados UnidosÍndice de preços ao produtor de fevereiro
9h30Estados UnidosVendas no varejo em fevereiro
14h30BrasilFluxo Cambial Estrangeiro
17h30Estados UnidosBalanço do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA)
Fonte: Investing.com

Balanços

NomeTickerHorário de divulgação
CVC BrasilCVCB3Horário a confirmar
Marisa LojasAMAR3Horário a confirmar
Mitre RealtyMTRE3Horário a confirmar
TC (ex-TradersClub)TRAD3Após o fechamento
BemobiBMOB3Horário a confirmar
CyrelaCYRE3Horário a confirmar
Dimed/PanvelPNVL4Horário a confirmar
JHSFJHSF3Horário a confirmar
Lojas RennerLREN3Horário a confirmar
PetzPETZ3Horário a confirmar
Plano & PlanoPLPL3Horário a confirmar
Priner Serviços IndustriaisPRNR3Horário a confirmar
TendaTEND3Horário a confirmar
TrisulTRIS3Horário a confirmar
TriunfoTPIS3Horário a confirmar
Vittia FertilizantesVITT3Horário a confirmar
EnevaENEV3Horário a confirmar
UnicasaUCAS3Após o fechamento
YDUQSYDUQ3Após o fechamento
Fonte: Levantamento Seu Dinheiro
PETROBRAS NEGA CONVERSAS PARA CRIAÇÃO DE FUNDO DE RESERVA

A Petrobras (PETR3/PETR4) informou na última quarta-feira (13) que não há qualquer estudo para criação de uma nova reserva.

O posicionamento da companhia se dá após rumores de que a empresa estaria estudando a criação de um novo fundo para receber dividendos extraordinários com foco em investimentos.

*Com informações do Estadão Conteúdo

FUTUROS DE NOVA YORK AMANHECEM NO AZUL

Os índices futuros das bolsas de valores de Nova York amanheceram no azul nesta quinta-feira.

As oscilações são discretas, o que sugere uma continuidade do desempenho misto da véspera em Wall Street.

Para hoje, os investidores aguardam os dados de inflação ao produtor e vendas no varejo nos Estados Unidos.

Confira:

  • S&P 500 futuro: +0,33%
  • Dow Jones futuro: +0,30%
  • Nasdaq futuro: -0,47%
BOLSAS DA EUROPA ABREM EM LEVE ALTA

As principais bolsas de valores da Europa abriram em leve alta nesta quinta-feira.

Os investidores estendem os ganhos recentes enquanto aguardam novos indicadores econômicos norte-americanos.

A agenda regional é fraca.

Veja:

  • DAX (Frankfurt): +0,11%
  • CAC 40 (Paris): +0,85%
  • FTSE 100 (Londres): -0,03%
  • Euro Stoxx 600: +0,44%
BOLSAS DA ÁSIA FECHAM SEM DIREÇÃO ÚNICA

As principais bolsas de valores da Ásia fecharam sem direção única e com variações modestas nesta quinta-feira.

Os investidores deram sequência aos movimentos da véspera em Wall Street.

A bolsa de Tóquio interrompeu uma sequência de três quedas para fechar em alta de 0,46%.

Também fecharam em alta as bolsas de Seul (+0,94%) e Taiwan (+0,05%).

Em território negativo, as bolsas de Xangai e Hong Kong caíram respectivamente 0,18% e 0,71%.

Confira:

  • Xangai: -0,18%
  • Tóquio: +0,46%
  • Hong Kong: -0,71%
  • Kospi: +0,94%
  • Taiwan: +0,05%
PETRÓLEO ACELERA GANHOS APÓS RELATÓRIO DA AIE

Os contratos futuros do petróleo aceleraram ganhos na manhã desta quinta-feira.

Os investidores reagem ao relatório mensal da Agência Internacional de Energia (AIE).

A entidade elevou sua projeção para a demanda pela commodity em 2024 ao mesmo tempo em que cortou sua expectativa para a oferta.

O QUE ROLOU NOS MERCADOS ONTEM?

O principal índice da bolsa brasileira estendeu os ganhos da sessão anterior e cravou a bandeira de tom positivo pelo segundo dia. Os ganhos, porém, foram limitados pela fraqueza de Nova York e a persistentes cautela com China.

O Ibovespa fechou em alta de 0,26%, aos 128.006 pontos. Já o dólar terminou o dia com avanço de 0,03%, a R$ 4,9762, no mercado à vista.

Por aqui, a agenda foi mais esvaziada e as atenções foram concentradas no ambiente corporativo. Petrobras e Vale seguem na mira dos investidores, com o risco de ingerência política no comando das companhias.

Lá fora, as bolsas de Nova York operaram de lado à espera de sinais sobre o futuro dos juros e da economia norte-americana. Para amanhã (14) está prevista a divulgação do índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) de fevereiro.

Confira o que movimentou os mercados nesta quarta-feira (13).

Compartilhe

DESTAQUES DA BOLSA

Ações de incorporadora disparam mais de 5% na bolsa após contratação de banco para venda de ativos, incluindo hotéis em SP

18 de junho de 2024 - 11:22

A HBR Realty contratou o Bradesco BBI para ajudar na execução da estratégia de reciclagem de ativos da companhia

DE OLHO NAS REDES

O Brasil não tem condições para uma Selic de um dígito em 2024: por que este estrategista acredita ser impossível juros abaixo de 10% em 2024

17 de junho de 2024 - 16:41

Com a próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) se aproximando, o mercado parece está cada vez menos esperançoso sobre os cortes na taxa básica de juros, a Selic. Para Rogério Benevente, sócio da GWM Investments e convidado desta semana do podcast Touros e Ursos, “é impossível pensar numa Selic abaixo de 10% em […]

PREFERE A TESLA?

Há algo de errado com a BYD? Warren Buffett despeja milhões em ações da chinesa dos carros elétricos no mercado

17 de junho de 2024 - 15:33

A Berkshire Hathaway vendeu mais 1,3 milhão de ações da BYD listadas em Hong Kong por US$ 39,8 milhões — a venda reduziu a participação do conglomerado para 6,9%

FIIs HOJE

Dividendos do Riza Akin (RZAK11) são os menores em mais de dois anos; por que os proventos do fundo imobiliário estão caindo?

17 de junho de 2024 - 14:11

A cifra é mais baixa paga pelo FII desde outubro de 2021, quando o portfólio do RZAK11 estava em seus primeiros meses de vida

RECOMENDAÇÃO DE COMPRA

Os fundos imobiliários de escritórios estão baratos — e o Itaú BBA revela seus três FIIs favoritos do segmento

17 de junho de 2024 - 12:34

O banco de investimento avaliou 14 fundos do segmento e deu a recomendação de compra para apenas três deles

MUDANÇA DE PERCURSO

A rota da Localiza (RENT3) foi calculada pelo BTG Pactual com o corte no preço-alvo das ações; o que fazer com as ações? 

17 de junho de 2024 - 11:44

Mesmo com a revisão, o banco ainda prevê uma valorização de mais de 70% dos papéis da locadora

ENTREVISTA EXCLUSIVA

Todo mundo em pânico — menos ele. Por que o economista da Neo Investimentos vê exagero na queda da bolsa e na disparada do dólar

17 de junho de 2024 - 6:31

“Às vezes a gente acha que não, mas o Brasil continua sendo um mercado de risco alto”, afirmou Luciano Sobral, economista-chefe da Neo Investimentos, em entrevista exclusiva ao Seu Dinheiro

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Com pressão de NY, Ibovespa segura os 119 mil pontos e recua quase 1% na semana; dólar sobe e fecha a R$ 5,38

14 de junho de 2024 - 17:23

RESUMO DO DIA: Depois de uma semana movimentada com decisão sobre os juros nos Estados Unidos e preocupações com o cenário local doméstico, o Ibovespa segurou com algum esforço os 119 mil pontos. O principal índice da bolsa brasileira fechou em leve alta de 0,08%, aos 119.662,38 pontos. Na semana, o recuo é de 0,92%. […]

APOSTAS PARA O CÂMBIO

O dólar não vai mais cair? Alckmin diz que governo tem “absoluta confiança” sobre a trajetória da moeda norte-americana

13 de junho de 2024 - 17:52

O presidente em exercício falou sobre o tema um dia após a moeda americana ter ultrapassado a cotação de R$ 5,40 pela primeira vez desde janeiro de 2023

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Dólar fecha próximo da mínima intraday com rescaldo de Haddad sobre fiscal; Ibovespa sustenta os 119 mil pontos

13 de junho de 2024 - 17:17

RESUMO DO DIA: O cenário fiscal roubou a cena mais um vez no mercado acionário brasileiro. Se ontem foram as falas do presidente Lula que aumentaram a aversão ao risco, hoje o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ficou encarregado de ‘reduzir os danos’. Apesar dos esforços do ministro, o Ibovespa não deixou o tom negativo. […]

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar