O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-04-01T12:53:13-03:00
Carolina Gama
CORTOU NA CARNE

Itaú BBA rebaixa recomendação da Marfrig (MRFG3); saiba qual é a ação preferida do banco entre os frigoríficos

Queda de margens na América do Norte e oferta de gado no Brasil influenciam as eleitas como queridas do banco de investimento para o setor

1 de abril de 2022
12:53
Marfrig BRF Logo
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Na corrida pelo pódio, a Marfrig (MRFG3) não ficou em primeiro lugar. A empresa, que assumiu recentemente o conselho da BRF (BRFS3), levou a medalha de bronze entre os frigoríficos preferidos pelo Itaú BBA — ficando atrás de JBS (JBSS3) e Minerva (BEEF3)

A Marfrig foi rebaixada para market perform — o mesmo que um desempenho neutro ou uma performance mediana — apesar das métricas operacionais de curto prazo ainda sólidas. 

Segundo o Itaú BBA, a postura mais conservadora está ligada ao aumento das incertezas de médio prazo após a queda nas margens na América do Norte e a concentração da empresa na região. 

A medalha de prata do banco foi dada ao Minerva. O Itaú BBA manteve a visão positiva para a BEEF3 baseado, principalmente, na melhora esperada na oferta de gado brasileiro até o final de 2022 e em um momento convincente — após alguns anos de restrições de oferta de gado no Brasil.

O ouro da JBS é sustentado pela sólida relação de conversão ebitda para fluxo de caixa ao acionista da empresa e a presença operacional diversificada que, segundo o banco, devem ser capazes de compensar a tendência negativa na lucratividade da carne bovina nos Estados Unidos. 

Uma olhada mais de perto na Marfrig (MRFG3)

O terceiro lugar no pódio do Itaú BBA não significa uma derrota para a Marfrig. O banco reconhece que a empresa deverá apresentar margens ainda mais sólidas no primeiro trimestre deste ano e que a MRFG3 “é uma grande história de longo prazo”. 

A mudança de recomendação, segundo o banco, é baseada principalmente no aumento dos riscos para a indústria de carne bovina nos Estados Unidos no futuro e seus potenciais impactos na alavancagem da Marfrig, e não na geração de fluxo de caixa ao acionista no curto prazo. 

“A combinação da concentração da Marfrig na indústria de carne bovina dos Estados Unidos com a dinâmica descendente do gado na região é o principal fator para nossa postura mais conservadora sobre o nome neste momento”, diz o Itaú BBA em relatório. 

Além disso, o banco destaca que a Marfrig também depende do preço das ações da BRF, que pode enfrentar alguma volatilidade no curto prazo em função das próximas pressões de custo de grãos. 

O Itaú rebaixou a MRFG3 para market perform ou performance de mercado, com preço-alvo de R$ 26,00 — o que representa um potencial de 21,5% em relação ao valor de fechamento das ações da empresa de R$ 21,40 na quinta-feira (31). 

Dos três frigoríficos, as ações da Minerva são as únicas que operam em queda no momento. Por volta de 12h40, os papéis MRFG3 recuavam 1,82% na B3, cotados a R$ 21,01. 

Minerva (BEEF3), a medalhista de prata

O otimismo do Itaú BBA com relação à Minerva (BEEF3) se baseia nas perspectivas positivas para a oferta de gado no Brasil, que deve entrar em vigor até o final de 2022 e continuar ao longo de 2023.

O banco vê a BEEF3 com múltiplo de 4,7x EV/Ebitda (valor da empresa versus Ebtida), quando a média histórica da empresa é de 5,4x. Ou seja, por essa métrica as ações estão baratas.

Observamos que os múltiplos históricos do Minerva variam de 4,0x a 6,5x, acompanhando a ciclicidade da pecuária no Brasil. À medida que avançamos em direção a um ambiente de ciclo de gado mais positivo em 2023, esperamos que os múltiplos atuais se comprimam”, diz o banco. 

O Itaú BBA tem recomendação outperform  ou desempenho acima da média (equivalente a compra) para a BEEF3, com preço-alvo de R$ 16,00 — o que representa um potencial de 26,4% em relação ao valor de fechamento das ações da empresa de R$ 12,66 na quinta-feira (31). 

Por volta de 12h40, as ações da Minerva subiam 0,08% na B3, cotadas a R$ 12,67. 

JBS (JBSS3): a principal escolha

Nem Marfrig e nem Minerva. A JBS (JBSS3) é a queridinha do Itaú BBA no momento por conta dos rendimentos sólidos de fluxo de caixa ao acionista — 21% para 2022 e 19% para 2023 — combinados com uma plataforma globalmente diversificada e alternativas de alocação de capital. 

Embora o momento não pareça estar no seu melhor agora, o banco acredita que o valor intrínseco da empresa permanece. 

“O momento para a unidade de negócios de carne bovina da JBS nos Estados Unidos está enfrentando uma tendência de queda em 2022, e o excesso representado pelo desinvestimento em andamento do BNDES também deve limitar o preço das ações em um futuro próximo”, diz o Itaú BBA. 

A recomendação para a JBSS3 é outperform ou desempenho acima da média (compra), com preço-alvo para 2022 de R$ 54,00 — o que representa um potencial de alta de 45% em relação ao valor de fechamento dos papéis de quinta-feira (31) de R$ 37,23.

Por volta de 12h40, as ações da JBS subiam 0,19% na B3, cotadas a R$ 37,26. 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies