O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-03-24T16:32:04-03:00
Carolina Gama
PUXÃO DE ORELHA

China contra a parede: Otan manda recado sobre ajuda à Rússia na guerra

Os chineses são tradicionais — e fortes — aliados de Vladimir Putin mesmo defendendo a diplomacia para colocar fim ao conflito na Ucrânia; será que seu poder bélico assusta o Ocidente?

24 de março de 2022
16:31 - atualizado às 16:32
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, aperta as mãos do presidente da China, Xi Jinping
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o presidente da China, Xi Jinping - Imagem: Shutterstock/Envato/Brenda Silva

Primeiro foi o presidente da Rússia, Vladimir Putin, a dar um puxão de orelha no colega norte-americano, Joe Biden. Agora é a vez da China entrar na fila do cartão amarelo da guerra na Ucrânia

Reunidos nesta quinta-feira (24) em Bruxelas, os chefões dos países que fazem parte da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) advertiram a China contra o fornecimento de assistência militar à Rússia na ofensiva contra a Ucrânia. 

Os líderes se disseram preocupados com comentários recentes de autoridades chinesas e pediram que Pequim pare de amplificar as "narrativas falsas do Kremlin" sobre a guerra e a Otan, e promova uma resolução pacífica do conflito.

"Apelamos a todos os Estados, incluindo a República Popular da China (RPC), a defender a ordem internacional, incluindo os princípios de soberania e integridade territorial", disseram em nota. 

Eles também pediram que os países se abstenham de ajudar a Rússia a contornar as sanções internacionais.

China não fica calada

A China demorou para se manifestar sobre a invasão russa à Ucrânia, que hoje completa um mês, e desde que o fez, vem adotando um posicionamento favorável à diplomacia para a resolução do conflito. 

Mas hoje Pequim não se calou diante da pressão cada vez maior que o Ocidente vem fazendo para a condenação de uma tradicional aliada, a Rússia. 

  • IMPORTANTE: liberamos um guia gratuito com tudo que você precisa para declarar o Imposto de Renda 2022; acesse pelo link da bio do nosso Instagram e aproveite para nos seguir. Basta clicar aqui

O embaixador da China nas Nações Unidas (ONU), Zhang Jun, disse nesta quinta-feira que "nenhum país deve ser obrigado a escolher um lado" no conflito na Ucrânia. 

Sem caracterizar a questão geopolítica como uma guerra, Zhang garantiu que seu país continuará a ter "papel construtivo" nas conversas por paz.

"Os países em desenvolvimento, a maior parte do mundo, não fazem parte do conflito e não deveriam [...] ser forçados a lidar com consequências de jogos de forças maiores", afirmou o diplomata. 

Sem críticas à Rússia, Zhang disse ainda que a "soberania de todos os países deve ser respeitada".

Guerra de fake news

Além de defender a diplomacia para o fim da guerra na Ucrânia, a China também rejeitou acusações de que ajuda a Rússia a disseminar informações falsas sobre o envolvimento dos Estados Unidos na Ucrânia.

"Acusar a China de disseminar informação mentirosa é uma desinformação em si", afirmou Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, durante entrevista coletiva regular. 

Segundo ele, a China age "de maneira objetiva e justa".

Wang também aproveitou para alfinetar os norte-americanos. Ele disse que a comunidade internacional continua a ter graves preocupações sobre laboratórios biológicos dos Estados Unidos na Ucrânia. 

Para o porta-voz chinês, Washington "deveria fazer sérios esclarecimentos sobre se isso é ou não desinformação".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

BR Properties (BRPR3) vende 80% do portfólio para fundo canadense, em transação de quase R$ 6 bilhões

Além de representar um movimento importante no atual cenário macroeconômico brasileiro, a transação marca a saída de boa parte do capital do fundo soberano de Abu Dhabi (ADIA) da empresa

CAMINHO ABERTO

TCU aprova privatização da Eletrobras (ELET3); fique por dentro da decisão do tribunal

Uma das prioridades do governo federal, privatização da Eletrobras ainda enfrenta outros obstáculos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies