🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-03-02T23:28:12-03:00
Carolina Gama
ALIANÇA NA GUERRA

A China é o escudo de Putin contra as sanções financeiras de EUA e aliados

Em uma mudança de tom na abordagem sobre a invasão ucraniana, chanceleres chinês e ucraniano conversam por telefone em busca de uma solução

2 de março de 2022
13:04 - atualizado às 23:28
china dragão
Imagem: Shutterstock

Tanques, metralhadoras e bombas. Nada disso foi usado - ainda - pelos Estados Unidos, Europa e aliados para conter o avanço russo sobre o território ucraniano. As grandes potências do Ocidente empunharam outra arma para tentar frear Moscou: as sanções. Proporcional ao tamanho do ataque econômico e financeiro é a proteção de Vladimir Putin: a China

Em um primeiro momento, os Estados Unidos, o Reino Unido e a União Europeia correram para impor sanções à Rússia na tentativa de evitar o conflito com a Ucrânia. Agora, usam essas medidas para pressionar Moscou a interromper sua invasão.

Além de congelar bens de Putin e do ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, norte-americanos, britânicos e europeus miraram o banco central e retiraram alguns credores do país do sistema de pagamentos globais Swift, além de outras sanções econômicas. Outros aliados, incluindo Japão, Canadá, Austrália e Coreia do Sul, também adotaram sanções.

As medidas têm potencial para estrangular a economia da Rússia que, sem recursos para financiar a invasão, pode ser obrigada a recuar. Mas será que terão o efeito esperado?

A resposta para essa pergunta esbarra na China, que pode ser o grande escudo para proteger Moscou de um colapso econômico e financeiro. 

Isso porque, mais cedo, o governo chinês se manifestou indicando que se opõe às sanções contra Moscou. 

A posição chinesa

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse nesta quarta-feira (02) que seu país se opõe a “todas as sanções unilaterais ilegais e acredita que elas nunca são meios fundamentalmente efetivos de se resolver problemas”.

GUIA PARA BUSCAR DINHEIRO: baixe agora o guia gratuito com 51 investimentos promissores para 2022 e ganhe de brinde acesso vitalício à comunidade de investidores Seu Dinheiro

Segundo ele, as sanções “apenas criarão sérias dificuldades para a economia e a subsistência dos países relevantes e intensificarão ainda mais a divisão e o confronto”. 

O regulador bancário e de seguros da China engrossou o coro, afirmando que o país se opõe e não irá aderir a sanções financeiras contra a Rússia.

“Em relação às sanções financeiras, não apoiamos isso”, disse Guo Shuqing, presidente da Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China, em uma entrevista coletiva em mandarim, de acordo com uma tradução da CNBC. 

Ele também destacou uma oposição particular às sanções “unilaterais”, que ele disse não resolver os problemas efetivamente. “A China não vai aderir a essas sanções.”

Guo também é secretário do Partido Comunista Chinês no banco central do país. Ele acrescentou hoje que espera que todos os lados mantenham as trocas econômicas normais e que as sanções não tiveram impacto aparente na China até agora.

China mediando o conflito?

Apesar de não apoiar as sanções contra a Rússia - algo que já era esperado - a China sinalizou uma mudança importante de posição na abordagem do conflito. Na terça-feira (01), o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, conversou por telefone com o chanceler da Ucrânia. 

Este foi o primeiro diálogo formal entre os dois países desde a invasão russa da semana passada. Pequim é aliada de Moscou e, até agora, absteve-se de condenar a invasão nas reuniões do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Na ligação, não houve qualquer crítica por parte de Wang à ofensiva militar da Rússia ou a Putin. Mas o chinês expressou algum nível de solidariedade aos chanceler ucraniano, Dmitro Kuleba, ao se dizer "extremamente preocupado com os danos aos civis" da Ucrânia.

Kuleba, por sua vez, pediu que a China use seus laços com Moscou para acabar com a guerra e teria recebido como resposta a promessa de Pequim de usar todos os esforços para resolver o conflito de maneira diplomática. 

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

QUASE LÁ...

Auxílio Brasil mais gordo e mais próximo: Senado aprova PEC do estado de emergência; proposta é enviada para a Câmara

Medida também inclui vale-gás de cozinha; auxílios aos caminhoneiros e taxistas; gratuidade de transporte coletivo para idosos; compensação dos estados que concederem créditos tributários para o etanol e reforço do programa Alimenta Brasil

POLÊMICA NA ESTATAL

Caixa revela que sabia de denúncia de assédio contra Pedro Guimarães desde maio e aponta presidente interina

A Corregedoria aguardou até que o denunciante apresentasse um “conjunto de informações” suficiente para prosseguir com a investigação contra Pedro Guimarães

GALINHA DOS OVOS DE OURO

Subsidiária da MRV (MRVE3) nos EUA garante mais de R$ 1 bilhão para construtora com venda de empreendimentos na Flórida

A Resia vendeu dois conjuntos localizados na Flóridas e a negociação rendeu cerca de R$ 375 milhões aos cofres da incorporadora

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

A quadrilha triste do Ibovespa e o nascimento de uma nova gigante; confira os destaques do dia

O mês de junho vai chegando ao fim, mas o mercado financeiro parece longe de se juntar às alegres festividades juninas espalhadas pelo país.  Na B3 e em Wall Street, os investidores dançam uma quadrilha pra lá de triste e cheia de obstáculos.  Não estamos falando de uma ponte quebrada, uma cobra perdida ou uma […]

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa despenca mais de 11% e tem o pior mês desde março de 2020; dólar sobe a R$ 5,23

O início do aperto monetário do Federal Reserve levou os ativos globais a ter um semestre para esquecer – e o Ibovespa não escapou disso

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies