O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-13T16:10:39-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
PROBLEMA RESOLVIDO

Bancos dos EUA querem resolver o problema de custódia de stablecoins e buscam criar a sua própria criptomoeda; entenda

Com isso, o usuário pode se beneficiar da segurança da blockchain e ainda ter o respaldo legal de um banco americano para negociar criptomoedas

13 de janeiro de 2022
16:10
tether criptomoeda lastreada em dólar
A USDF, stablecoin dos bancos americanos, terá uma agência independente como seguradora de valores. - Imagem: Shutterstock

Uma categoria ainda pouco explorada do mercado ganhou os holofotes dos órgãos legisladores americanos há pouco tempo. As stablecoins, as criptomoedas com lastro, cresceram em 2021 e já ganharam fortes aliados nessa disputa: os bancos dos Estados Unidos

Em geral, as criptomoedas não possuem lastro, mas as stablecoins são uma classe especial de ativos digitais. Elas possuem paridade com ouro ou dólar por exemplo.

As maiores e mais conhecidas são o tether (USDT) e USD Coin (USDC), respectivamente a quarta e a sexta maiores criptomoedas do mundo, com paridade com o dólar americano. 

Mas um consórcio de bancos, chamado de USDF Consortium, pretende unir o investimento em blockchain e criptomoedas com a segurança dos bancos e criar a sua própria stablecoin, chamada de USDF.

Problemas das stablecoins

Em outubro do ano passado, a empresa responsável pela emissão do tether recebeu uma notificação de multa por parte da Commodity Futures Trading Commission (CFTC). A comissão alegava que o USDT não possuía os dólares suficientes para a emissão da criptomoeda

À época, o valor de mercado do tether era de US$ 69 bilhões, mas, de acordo com a CFTC, a empresa não comprovou que teria todo esse dinheiro em caixa. 

Problema resolvido

Pensando nisso, o grupo de bancos resolveu agregar integrantes de peso para levantar o projeto. Entre eles, estão Synovus, New York Community Bank, FirstBank e Sterling National Bank, que figuram entre os 100 maiores bancos dos EUA. 

O USDF terá como lastro um fundo comum, que será segurado pelo Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), uma agência independente ligada ao Congresso norte-americano.

Entretanto, o Consortium ainda não informou onde exatamente ficarão as reservas da stablecoin USDF.

Vantagens e desvantagens das stablecoins

As stablecoins costumam ser usadas para reduzir as taxas de negociação entre ativos digitais. De modo geral, quando há uma queda muito forte das demais criptomoedas, elas tendem a se valorizar.

Além disso, elas podem ser usadas como reserva de valor dentro da rede. É como investir em dólar, mas usando a segurança e descentralidade da tecnologia blockchain.

Por outro lado, essas criptomoedas estão na mira dos órgão reguladores norte-americanos, que enxergam as empresas por trás da emissão das stablecoins como bancos e que, portanto, deveriam se adequar às pesadas regras do mercado americano. 

Por fim, cada moeda emitida sempre será equivalente a um dólar, diferentemente de outras criptomoedas que crescem e aumentam de preço, como o próprio bitcoin (BTC), e é o que torna as stablecoins… Estáveis.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies