Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
2021-04-21T10:10:04-03:00
Ivan Sant'Anna

Estamos no meio de uma segunda bolha das ações de tecnologia?

Tech é quase sinônimo de bolha, e bolha é quase sinônimo de estouro. Não vejo a menor possibilidade de uma bolha que atinja apenas as techs. Se estourar, puxa todos os ramos de atividade em sua cola

21 de abril de 2021
6:37 - atualizado às 10:10
bolha mercados ações bolsa bitcoin
Imagem: Shutterstock

Os profissionais do mercado financeiro costumam chamar de “bolha” uma subida aparentemente exagerada das cotações de determinado ativo ou setor de atividade que poderá (eu escrevi “poderá”, pois nem sempre acontece) terminar numa tragédia.

Esse suposto revés aconteceria de repente, justamente quando os especuladores estariam mais entusiasmados com a perspectiva de fazer fortuna rapidamente e pondo todo seu patrimônio em jogo na parada.

Bolha é coisa antiga. Em meu livro Os mercadores da noite, por exemplo, relato três: tulipomania, Compagnie d’Occident e The South Company.

Eis como narro esses episódios:

Desde o século XVI, quando mercadores de Veneza, Florença e Gênova criaram os primeiros negócios futuros de bens e moedas, de tempos em tempos os mercados eram assolados por grandes febres especulativas.

O primeiro desses surtos cíclicos ocorreu na década de 1630, quando toda a população da Holanda dedicou-se a especular com… tulipas. Tulipas! Em 1636, um único bulbo de tulipa chegou a valer o equivalente a uma carruagem, devidamente acompanhada de sua parelha de cavalos. Diversas bolsas de valores foram instituídas para negociar bulbos e tulipas. No auge da especulação, um exemplar mais caro chegou a trocar de mãos por 3 mil florins, correspondentes, hoje, a mais de 20 mil dólares.

O desastre veio em 1637. A fúria especulativa transformou-se em pânico quando, subitamente, os homens se deram conta de que eram apenas… tulipas!

Menos de 100 anos depois, mais precisamente na década de 1710, agora tendo Paris como cenário, um escocês, de nome John Law, para uns gênio das finanças, para outros espertalhão, falsário e, até mesmo, assassino – batera-se em duelo, de maneira não muito leal, em Londres, em 1694 −, estabeleceu a Compagnie d’Occident. Esta foi agraciada pela coroa francesa com os direitos de exploração de ouro no território da Louisiana, na época pertencente à França.

Law ofertou ações da nova companhia ao público. A aceitação foi fantástica, embora não houvesse nenhum indício da existência de ouro na Louisiana. Uma investigação mais apurada mostraria que a Compagnie d’Occident nem mesmo chegou a iniciar uma prospecção. Mas isso era um detalhe irrelevante para os especuladores parisienses. Lançaram-se ávidos à compra e venda dos novos papéis, no velho mercado de valores da Rue Quincampoix.

Em 1720, o mercado vacilou. Um príncipe, De Conti, suscitara algumas dúvidas sobre a existência daquele ouro. John Law respondeu aos rumores contratando centenas de mendigos nas ruas de Paris. Equipou-os de pás e picaretas. Fê-los marchar pela cidade, como se dirigissem à Louisiana. Mas, quando, algumas semanas depois, os especuladores viram os pedintes de volta, em seus pontos tradicionais, perderam as esperanças. O mercado desabou, lançando na miséria milhares de investidores.

Enquanto em Paris as pessoas se lançavam em busca de fortuna fácil, em Londres não se fazia por menos. A South Sea Company, fundada por Robert Harley, conde de Oxford, vendia ações ao público, acenando-lhe com a possibilidade de lucros gigantescos, a serem obtidos na exploração das riquezas da costa ocidental da América do Sul. Relegava-se a um segundo plano o fato de que a Coroa de Espanha, soberana das terras em questão, autorizara a South Company a fazer uma única viagem anual à região.

A febre tomou conta dos investidores ingleses. Entre janeiro de 1720 e o fim do verão daquele ano, quando sobreveio o crash, as ações da South Company pularam de 128 libras para mil."

Nenhuma bolha especulativa impactou tanto a humanidade como um todo como a ocorrida nos Esfuziantes Anos Vinte (The Roaring Twenties) quando, em 29 de outubro de 1929, data mais conhecida como Terça-feira Negra (Black Tuesday), o sonho de que os Estados Unidos estavam erigindo uma sociedade onde todos seriam ricos virou papel picado no pregão da New York Stock Exchange.

Não é exagero dizer que dali surgiu a Grande Depressão e, em consequência desta, a Segunda Guerra Mundial.

Se as fortunas perdidas podem ser medidas em bilhões de dólares daquela época, o saldo de mortos (contando a guerra) somou aproximadamente 75 milhões, entre militares e civis.

Bolha "made in Brasil"

Entre 1968 e 1971 tivemos no Brasil uma bolha diferente.

Embora quase toda a classe média e alta tivesse se envolvido no mercado de ações, e os prejuízos dos investidores fossem tremendos, essa perda se deu aos pouquinhos.

Ao invés de estourar, a bolha de 1971 sofreu apenas um furinho. Por ele, o dinheiro foi escapando, aos poucos, ao longo de uma década. Mas muita gente jamais voltou a comprar ações depois daquela experiência.

Em 19 de outubro de 1987, data carimbada como Black Monday (eles gostam desses títulos politicamente incorretos; o que é que eu posso fazer?), aconteceu justamente o contrário.

Naquela segunda-feira, a Bolsa de Valores de Nova York abriu em breakaway down gap, o Dow Jones e o S&P500 perdendo um terço de seu valor, com o estouro da bolha criando uma das maiores oportunidades de compra de ações de todos os tempos.

O mesmo não se pode dizer da crise do subprime, uma bolha no mercado americano de imóveis.

Nessa ocasião, hipotecas hipervalorizadas provocaram uma crise que fez as bolsas mundiais caírem ao longo de dois anos (2007 e 2008).

Uma segunda bolha de tecnologia?

Agora comenta-se a respeito da possibilidade de ocorrer um segundo episódio de ruptura de bolha no mercado de ações de empresas de tecnologia.

O primeiro aconteceu a partir de 1996, quando uma febre fez que com os especuladores comprassem techs a torto e a direito na bolsa Nasdaq.

Com medo de que aquela alta desmedida contaminasse os demais setores da economia, o então chairman do FED, Alan Greenspan, durante uma palestra no American Enterprise Institute, disse (se referindo às ações de tecnologia) que o mercado estava vivendo uma exuberância irracional (irrational exuberance).

As ações de fato levaram um tombo, mas que foi contido naquele setor específico (techs), não se espraiando para as demais bolsas de ações.

Tech é quase sinônimo de bolha, e bolha é quase sinônimo de estouro.

É difícil acontecer uma bolha nas utilities (concessionárias de serviço público), nas empresas automobilísticas, nas companhias aéreas, etc.

Com dois ou três mil dólares, um jovem pode criar, na oficina do quintal da casa de seu pai, um programa de informática que irá revolucionar o mercado.

Estou me referindo a uma ferramenta de busca mais rápida, um programa, supercriptografado, de intercâmbio de nudes entre namorados nesta época de pandemia e distanciamento, um site de empregos em regime de home work, etc., etc.

É nesse meio criativo que surgirão os novos Bill Gates, Steve Jobs, Jeff Bezos, etc.

Hoje em dia, Google é sinônimo de site de busca.

As pessoas dizem:

Vê aí no Google quanto terminou o jogo da Champions.”

Ou seja, Google virou substantivo como Gillette, Jeep, Xerox, Band-Aid e outras marcas.

Antes do Google, eu fazia buscas no Alta Vista e no Yahoo.

Quem é muito jovem, nem se lembra do navegador Netscape, que todo mundo usava há tempos atrás.

E o I seek you, mais conhecido por sua abreviação, ICQ? E o My space?

E do Napster? Pirata, mas era lá que se ouvia música. Até que surgiu o Spotify.

Twitter. Quem poderia imaginar sua importância? Sem contar outras celebridades, e só para ficar em dois exemplos, foi através do Twitter que políticos como Donald Trump e Jair Bolsonaro puderam ignorar a imprensa tradicional. Passaram a falar diretamente com seus seguidores.

Quer fazer um novo amigo? Procure o Tinder.

Em 1996, quando estourou a primeira bolha das ponto.com, empresas como a Apple, Microsoft, Amazon, Alphabet, Tesla, Facebook, PayPal, Netflix, etc., não eram a potência que são hoje.

Não vejo a menor possibilidade de uma bolha que atinja apenas as techs. Se estourar, puxa todos os ramos de atividade em sua cola.

Claro que existe a hipótese do FOMC – Federal Open Market Committee (Comitê Federal de Mercado Aberto), começar a elevar a taxa básica (está entre 0,00% e 0,25%) para matar, no nascedouro, um novo ciclo inflacionário que começa a se desenhar.

No entanto, acredito que, se o fizer, será através de movimentos suaves, espaçados, cirúrgicos (soft landing). Sem provocar um estouro. Isso para quem acha que estamos vivendo uma bolha.

Mas suponhamos que eu esteja errado. Uma bolha está para explodir a qualquer momento e não estou percebendo.

Aproveitem a oportunidade porque o mundo agora é das techs. Quem puder comprar esses papéis baratinhos, que o faça imediatamente.

Nós não estamos mais na época de especulação com tulipas, Compagnie d’Occident e The South Company.

Por favor, durmam sem mais essa preocupação.

Leia também

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Petróleo na Amazônia

Petrobras quer operar na foz do Rio Amazonas

Estatal apresentou ao Ibama pedido de licença para explorar petróleo na região, que é uma área de sensibilidade ambiental

Juros para cima

Prepare-se para crescimento baixo e inflação alta em 2022: manobra no teto reforça cenário de estagflação

Drible no teto de gastos pode pressionar ainda mais os preços e obrigar a uma alta de juros mais intensa, dizem especialistas

Great Places to Work

As melhores empresas para se trabalhar em 2021: Magazine Luiza é eleito melhor empregador do país entre as grandes companhias; veja ranking completo

Consultoria Great Places to Work Brasil realizou, na última semana, a 25ª premiação das melhores empresas para se trabalhar no país

Setor imobiliário na mira

China testará imposto imobiliário em parte do país para conter especulação

Projeto-piloto será conduzido por cinco anos em algumas regiões do país. Objetivo é distribuir riqueza de modo menos desigual

Clube do livro

Um passeio entre chás, sementes e cerveja: como ‘Uma Senhora Toma Chá…’ conta a história da estatística moderna de maneira descomplicada

O livro de David Salsburg te convida a conhecer o pouco mais de um dos campos mais necessários para o melhor entendimento do mundo das finanças, e claro, da ciência

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies