Menu
Ivan Sant’Anna
Seu Mentor de Investimentos
Ivan Sant’Anna
É trader no mercado financeiro e autor da Inversa
Dados da Bolsa por TradingView
2021-07-14T15:11:02-03:00
Ivan Sant'Anna

Dólar é moeda, não investimento; há outras alternativas para se posicionar em câmbio

Uma boa opção para quem tem conta no exterior é comprar títulos de empresas brasileiras, como da Petrobras e de grandes bancos

15 de julho de 2021
6:04 - atualizado às 15:11
Aviãozinho de nota de dólar
Imagem: Shutterstock

Às vezes, vejo nos jornais e sites especializados em finanças tabelas comparativas dos resultados de investimentos em determinado período (geralmente semana, mês ou ano) e encontro o dólar como um dos ativos nos quais se pode aplicar dinheiro.

Vejamos no final do mês passado:

  • Bitcoin (em R$): + 14,60%
  • Ações (Ibovespa): + 6,54%
  • CDI: +1,26%
  • Poupança: + 0,67%
  • Fundos Imobiliários (IFIX): - 4,02%
  • Dólar Comercial: - 4,128%
  • Ouro (BM&F): - 11,07%

Essas listas, dos melhores e piores, costumam ser seguidas de comentários redundantes do tipo:

Enquanto em junho a Bolsa de Valores subiu seis e meio por cento, o dólar caiu mais de quatro.”

Ou

Um dos grandes perdedores do mês foi o dólar frente ao real, embora tivesse se valorizado em relação à maioria das demais moedas fortes, como o euro, a libra e o iene.”

Digamos que o caro amigo leitor esteja preocupado com os rumos do Brasil nesses tempos de crise política, fiscal ou pior, de ameaça de rompimento institucional.

Afinal de contas, a volta da plena democracia (será que foi tão plena assim, como alguns dizem?) tem apenas 32 anos, considerando como ponto de partida a eleição de Fernando Collor para presidente em dezembro de 1989.

É verdade que cinco anos antes Tancredo Neves (que virou José Sarney) fora eleito indiretamente pelo Congresso Nacional, não sem antes combinar com os russos (o Exército verde-oliva e não o Vermelho soviético, bem entendido).

Só que é cedo para se afirmar categoricamente que vivemos em um irreversível estado democrático de direito.

Se até os Estados Unidos da América, com seus quase dois séculos e meio de democracia (a maior parte do tempo só valendo para os descendentes de europeus, bem entendido), testemunharam uma invasão ao Capitólio em 6 de janeiro deste ano, ataque esse que deixou cinco mortos e aproximadamente 150 feridos, o que podemos garantir para o Brasil?

Desculpem-me, mas me deixei levar para uma bifurcação da narrativa e esqueci que o assunto aqui é o dólar.

Antes  de mais nada, se algum de vocês pensa em comprar dólar físico como investimento, deve primeiro refletir sobre alguns aspectos da operação:

  • - Vai ter de guardar as notas em casa ou em um cofre bancário. Na primeira hipótese, corre o risco de ser roubado. Na segunda, pagará uma taxa à instituição custodiante.
  • - Terá de ser dólar turismo. Na véspera do feriado de 9 de julho em São Paulo, ele foi cotado a R$ 5,11 para compra e R$ 5,40 para venda.

Ou seja, mesmo que o mercado fique estável durante seis meses, se você quiser vender na ocasião perderá 29 centavos de reais em cada dólar.

Isso apenas por causa do spread.

Dólar turismo só vale a pena para quem vai viajar. Ou então dar uma ajuda de custo a uma filha ou filho, neta ou neto, que estude no exterior. E pronto.

Nesse caso, a remessa terá de ser feita através de um banco ou casa de câmbio, nela incluindo IOF e uma taxa da instituição.

Certa vez, quando precisava pagar a matrícula da faculdade de minha filha, em Londres, o antigo Unibanco me cobrou uma taxa de conversão real/libra esterlina tão alta que exigi, e consegui, do compliance do banco, devolução de parte do, digamos, excesso.

Restam outros caminhos para se investir em dólares.

O mais simples é comprar cotas de um fundo cambial. Nesse caso, você estará tendo duas perdas:

  • − taxa de administração cobrada pelo fundo.
  • − inflação americana, estimada para 2,4% ao ano em 2021.

Vamos adiante. Procuremos outros caminhos:

Na B3, existe o mercado de dólar futuro, com um valor mínimo, em reais, equivalente a US$ 50.000,00.

Já para aqueles investidores interessados em valores menores, existe o minicontrato, ou mini-dólar. Nesse caso, o lote é de US$ 10.000,00.

Nas duas hipóteses, é possível alavancar e fazer day trades, a coqueluche de quem gosta de perder dinheiro.

Só que, nesse caso (dólar futuro, seja mini ou cheio), estamos falando em especulação. Pura especulação. Pode-se ganhar uma fortuna ou perder as cuecas (ou panties, no caso das senhoritas e madames).

Mas não desanime, caro leitor, com os obstáculos que listei acima.

Se você acha que o dólar norte-americano realmente é uma boa proteção e tem conta no exterior, pode comprar obrigações de empresas brasileiras, com valores em dólares e pagando remuneração (também em dólar, é claro).

Há poucos dias, a Petrobras Global Finance B. V. ofereceu no mercado internacional de capitais US$ 1,5 bilhão em títulos de 30 anos, com taxas de juros de 5,5% a.a., pagos semestralmente.

Não é só a Petrobras. O Banco do Brasil, Bradesco, Itaú e outras grandes empresas sólidas brasileiras fazem esse tipo de underwriting em Wall Street, geralmente com grande aceitação dos rentistas que procuram alternativas para o grande e melancólico inverno de taxas de juros reais negativas que os vem afligindo nos últimos tempos.

Quando a Petrobras entrou em forte crise, durante a administração de Graça Foster (governo Dilma Rousseff), a ponto de não poder publicar o balanço, em função do rombo em seus cofres, dei uma das maiores tacadas de minha vida.

Como sabia que a empresa não iria quebrar (na pior das hipóteses, receberia do governo um aporte de capital) comprei títulos de 10 anos com cupom de 5% a.a. e deságio de mais de 20%.

Já no governo Michel Temer, Pedro Parente assumiu a presidência da Petrobras. A contabilidade se regularizou, vendi os títulos com ágio, ganhando uns 30% na parada, graças a elevação do PU (preço unitário).

Portanto uma coisa é comprar dólares e guardar na gaveta do armário, outra é encontrar boas oportunidades em papéis emitidos na moeda americana.

Outra alternativa são as bolsas de valores americana, NYSE e NASDAQ, que vêm batendo sucessivos recordes históricos, proporcionando grandes lucros aos acionistas das boas empresas.

Nos últimos meses, o dólar, contra o real, vem trabalhando num padrão de trading range.

Quando o céu político está de brigadeiro (vá lá, de major-aviador), a cotação cai para R$ 5,00, ou até mesmo um pouco abaixo disso. Essa é hora de comprar ou então de liquidar posições vendidas a descoberto.

Por outro lado, nas ocasiões, por exemplo, em que o presidente da República give a shit para a CPI do Senado Federal, e o dólar chega próximo dos R$ 5,60, R$ 5,70, é para se vender sem dó.

Com stop defensivo, é claro. Pois ninguém é dono da verdade absoluta.

Nessas oportunidades, os exportadores liquidam o câmbio e as ações na B3 tornam-se baratas em dólar, o que atrai o dinheiro dos gringos.

O importante, caro amigo leitor, é nunca se esquecer que dólar não é investimento. Trata-se de moeda, combalida por sinal, em função de uma política extremamente dovish praticada Federal Reserve desde a chegada da Covid-19, ou seja, mantendo os juros em patamares baixos.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

exchange de cripto na bolsa

Binance está “em rota” de fazer um IPO, segundo CEO da corretora

Para fazer um IPO mais tradicional, a Binande deve mexer significativamente nas bases da empresa. “Estamos montando essas estruturas”, disse ele

Questionário do bc

Banco Central publica questionário que servirá de base para próxima reunião do Copom

O BC também avisou que republicou o “Ranking de Reclamações de Bancos e Financeiras” referente ao segundo trimestre de 2021

Expandindo a carteira digital

De olho no open banking, PicPay compra Guiabolso e expande ainda mais a carteira

O PicPay comprou o Guiabolso e, com isso, tornou-se player relevante nas discussões de open banking, além de dar continuidade à expansão

Acordo fechado

Samarco e advogados entram em acordo para reduzir honorários em mais de 80%

Até então, uma decisão na justiça tornava a administração judicial do processo a mais cara da história

Cripto-Unicórnio

Plataforma de negociação de NFT é primeiro unicórnio do mundo cripto com US$ 1,5 bi em valor de mercado

Em meio ao crash do mercado, a negociação de NFTs esfriou significativamente, mas voltaram a subir nos últimos meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies