O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

Larissa Quaresma
A Bolsa como ela é
Larissa Quaresma
Analista de ações e integrante da equipe do Carteira Empiricus
2022-01-18T10:34:17-03:00
A BOLSA COMO ELA É

Nem tudo está barato: confira três dicas para escolher as melhores oportunidades de investimento na bolsa

Nem sempre a queda de um papel significa que ele está barato, afinal, além do preço, é necessário estar atento às pistas que te levam às melhores opções de compra naquele momento

18 de janeiro de 2022
10:34
Finance,Trade,Manager,Analysing,Stock,Market,Indicators,For,Best,Investment
Corporação divide lucros, mas assume todos os prejuízos em caso de perdas -

O noticiário não nos dá descanso. É Bolsa caindo, são os “Fed boys” falando do aumento de juros americanos, a ômicron revivendo os pesadelos dos últimos dois anos… Uma sinfonia de desastre para a Bolsa.  

Neste momento, seu foco nas manchetes, enquanto investidor, tende a ser diretamente proporcional à qualidade do seu sono.

Do nosso lado, enquanto analistas, nos interessa a evolução dos fundamentos das empresas. 

Porque a Bolsa nem sempre sobe e, quando ela inevitavelmente cai, forma-se uma miríade de oportunidades de compra nas empresas de bons fundamentos. 

Isso é praticamente um Jardim do Éden para o analista focado nos fundamentos.

Cíclicas domésticas

As cíclicas domésticas, como é o caso das empresas brasileiras de varejo discricionário, foram particularmente machucadas nesse bear market. 

Isso é natural; as cíclicas tendem a refletir o movimento da Bolsa com mais intensidade. Se a economia vai bem, elas são mais beneficiadas; se vai mal, mais penalizadas.

O fato é que estamos em uma zona compradora para essa categoria. Em algum momento, a Bolsa vai subir e, quando isso acontecer, essas empresas tendem a subir mais.

Não estou dizendo para comprar todas as cíclicas domésticas. Como sempre foi o caso na gestão de carteiras, a seletividade é crucial para a performance.

Conglomerado de moda brasileiro

No meu primeiro Day One, tergiversei sobre a possibilidade do surgimento de um grande conglomerado de moda brasileiro, como já vimos acontecer na Europa. Nomes como LVMH, Kering e Hermés nos mostram a possibilidade de construir um grupo recheado de marcas fortes do varejo de moda.

À época da minha primeira carta, a Hering estava sendo disputada por companhias do setor. Acabou que a Arezzo &Co, a primeira ofertante, não teve sucesso na sua tentativa de compra, e quem levou a marca das camisetas básicas foi de fato o Grupo Soma.

Para a Arezzo, foi uma derrota temporária, porque um tempo depois a companhia comprou a Carol Bassi, uma marca de vestuário feminino voltada para as classes A e B, cujas peças têm um preço médio de R$ 1.600. O desfecho parece até mais favorável para a compradora, que tem um posicionamento de luxo, enquanto a Hering está mais aderente à classe B-.

Não é que um conglomerado de moda, então, parece estar se formando? A Arezzo &Co permanece focada na sua estratégia de “house of brands”, ou casa de marcas, e o caminho parece promissor.

Preço menor, fundamento maior

Esse é um dos vários exemplos que encontramos na Bolsa brasileira de preço caindo e fundamento melhorando. Uma oportunidade de compra quase óbvia. 

O leitor deve ficar atento, contudo, às companhias cujo preço está caindo, mas cujos fundamentos estão piorando. 

Um dos princípios do Peter Lynch é “nunca apostar em uma reviravolta enquanto uma marcha fúnebre está sendo tocada”. A grande maioria dos papéis brasileiros está barata — alguns, entretanto, merecidamente.

Pistas de oportunidades

Afora o necessário mergulho na dinâmica de negócios de cada empresa, algumas pistas podem nos apontar para as ações que nos oferecem uma oportunidade de compra de fato interessante.

Uma dessas pistas é a retomada do pagamento de dividendos. 

A Arezzo &Co ficou dois anos sem distribuir caixa aos acionistas, uma medida necessária para proteger a sobrevivência do negócio nos trimestres desafiados pela pandemia de Covid-19. 

Na última semana, interrompeu as vacas magras com um generoso juro sobre capital próprio. A Suzano, também uma cíclica (mas não doméstica), foi na mesma direção, anunciando um dividendo para os acionistas depois de dois anos sem fazê-lo.

Fusões e aquisições

Há também outras pistas que podem nos dizer alguma coisa, particularmente no cenário de desconto generalizado. 

Em época de Bolsa barata, as fusões e aquisições se tornam mais frequentes para os empresários (ou empresárias) que aproveitam os preços baixos para fazer aquela compra que sempre sonharam, mas não fizeram antes por conservadorismo com o dinheiro dos acionistas. Arezzo &Co, como sabemos, fez isso.

Recompra de ações

Ou, de outra forma, as companhias aproveitam o preço depreciado das próprias ações para recomprá-las, o que diminui a quantidade de papéis em circulação. 

Isso, em última instância, beneficia o acionista minoritário com preços mais atrativos para as ações que continuam negociando. Arezzo &Co também fez isso. A Raízen, controlada pela Cosan, também. 

Da mesma forma que a Bolsa não pode subir para sempre, fica uma lição que os aventureiros de renda variável estão duramente aprendendo: ela também não pode cair para sempre. 

Quando a Bolsa voltar a subir, tenha a certeza de estar devidamente posicionado (ou posicionada).

Um abraço,
Larissa

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

CVM recua e libera distribuição de dividendos do fundo imobiliário Maxi Renda FII (MXRF11) com base no ‘lucro caixa’ — relembre o caso

A xerife do mercado de capitais reconheceu “a existência de obscuridade e contradição” na decisão original

Superou o trauma? Bitcoin (BTC) segue no patamar de US$ 30 mil; saiba se a maior criptomoeda do mundo sustentará esse nível

BTC terá também que superar os críticos às moedas digitais, que não pouparam esforços para injetar ainda mais medo nesse mercado já extremamente desorientado

CEO do JP Morgan leva cartão vermelho de acionistas e pode ficar sem bônus milionário, entenda a decisão rara

A desaprovação foi a primeira desde que o conselho do banco norte-americano enfrentou um voto negativo sobre compensações desde que as regras foram introduzidas, há mais de uma década

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Hapvida, Magazine Luiza e Nubank tombam, mas Ibovespa fecha o dia no azul; confira os destaques desta terça-feira

O maior apetite ao risco e a expectativa de manutenção no ritmo de alta no juro nos Estados Unidos ajudou o Ibovespa, que teve um dia de ganho

FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies