🔴 RECEBA ANÁLISES DE MERCADO DIÁRIAS: CLIQUE AQUI E SIGA O SEU DINHEIRO NO INSTAGRAM

2022-05-17T18:59:31-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa sustenta alta após susto inicial com Powell; dólar cai abaixo dos R$ 5

O Ibovespa fechou o dia longe das mínimas, mas o dólar caiu 2% com o apetite por risco no exterior

17 de maio de 2022
18:41 - atualizado às 18:59
Presidente do Fed, Jerome Powell, caminha sobre corda bamba com tubarões na água
Montagem com o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell - Imagem: Banco Central da Suíça, iStock, Brenda Silva

Quando o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, entrou em campo nesta tarde, o jogo já parecia estar ganho para o Ibovespa. 

No primeiro tempo, ainda nas primeiras horas do dia, algumas cidades chinesas anunciaram a intensificação do retorno das atividades comerciais e industriais – uma ótima notícia para as produtoras de commodities.

Depois, a economia americana marcou dois golaços – as vendas no varejo e a produção industrial acima do esperado afastam a projeção de recessão e aliviam o humor do mercado em meio ao aperto monetário global. 

Logo nos primeiros minutos de Powell em campo, a ameaça de gol contra sufocou a torcida. O presidente do Fed reforçou o seu compromisso com o controle da inflação e não descartou uma elevação de juros acima da taxa neutra. 

As bolsas americanas reagiram pisando no freio e se afastando das máximas, enquanto o Ibovespa quase zerou os ganhos do dia. Mas não passou de um susto. 

Powell evitou uma lambança e jogou para a torcida ao reforçar a sua confiança de que a economia americana está forte o suficiente para absorver o impacto do aperto monetário. Além disso, voltou a driblar os adversários ao mostrar confiança de que os seus companheiros de equipe o seguirão com um aumento de “apenas” 0,50 ponto percentual na próxima reunião. 

Afastado o perigo, as bolsas americanas aproveitaram a goleada, com altas superiores a 1%. O Nasdaq foi o principal destaque ao subir 2,76%. O Ibovespa aproveitou para avançar mais 0,51%, aos 108.789 pontos, mas a verdadeira estrela foi o dólar à vista, que voltou a ser negociado abaixo dos R$ 5. A moeda americana teve queda de 2,15%, a R$ 4,9429.

Dados do dia

As vendas no varejo dos Estados Unidos subiram 0,9% em abril ante o mês anterior, totalizando US$ 677,7 bilhões. O número veio pouco abaixo da expectativa dos analistas. 

O principal destaque, na realidade, ficou com a revisão dos dados de março, que passaram de 0,5% para 1,4%. 

Já a produção industrial superou as expectativas, com uma alta de 1,1% em abril - o quarto mês consecutivo de ganhos. 

Powell em destaque

O mercado aguardou ansioso pela entrevista do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ao The Wall Street Journal. 

O presidente do Fed chegou a trazer ares de cautela ao mercado por alguns momentos, mas o resultado não foi irreversível.

Powell voltou a afirmar que o Federal Reserve irá usar todas as suas ferramentas para o controle da inflação e que a elevação da taxa de juros deve seguir até que exista sinais de arrefecimento dos preços, o que pode ser acima da faixa neutra. Questionado sobre a possibilidade de recessão, Powell disse estar seguro de que a economia americana tem como segurar o aperto monetário, já que o mercado de trabalho se mantém forte.

O presidente do Fed também falou sobre o ritmo de alta. Segundo ele, a maior parte do Fed parece apoiar uma elevação de 0,50 ponto percentual na próxima reunião, afastando o temor de ajustes mais duros. 

Sobe e desce do Ibovespa

O bom humor no mercado internacional e as condições mais favoráveis para a tomada de risco voltou a atrair os investidores para nomes ligados à economia doméstica. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVAR
LWSA3Locaweb ONR$ 5,9011,53%
COGN3Cogna ONR$ 2,705,47%
ECOR3Ecorodovias ONR$ 6,205,44%
YDUQ3Yduqs ONR$ 17,695,11%
UGPA3Ultrapar ONR$ 14,434,95%

Os balanços divulgados pela Hapvida, Magazine Luiza e IRB passaram bem longe de agradar o mercado e fecharam o dia em forte queda. 

A operadora de saúde foi fortemente afetada pela queda do número de vidas adquiridas de forma orgânica e pela alta sinistralidade. O Magazine Luiza sofreu o impacto da inflação e dos juros altos, enquanto o IRB Brasil não entregou as melhorias esperadas pelos analistas. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVAR
HAPV3Hapvida ONR$ 6,52-16,84%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 3,97-10,79%
IRBR3IRB ONR$ 2,46-7,52%
AMER3Americanas S.AR$ 23,10-2,37%
PRIO3PetroRio ONR$ 26,51-2,03%
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

COMPRAR OU VENDER?

Petz dispara mais de 10%: é hora de ter uma PETZ3 pra chamar de sua?

5 de julho de 2022

O papel, que no acumulado do ano ainda tem perdas de cerca de 60%, operou em forte alta durante toda a sessão, figurando entre os maiores ganhos do Ibovespa no dia

A UM PASSO DA REGULAÇÃO

Parecer da lei de criptomoedas retira propostas que dão mais segurança ao investidor; confira mudanças no texto

5 de julho de 2022

O texto precisa ser aprovado em sessão no plenário da Câmara; sem maiores alterações, vai para a sanção presidencial

É CEDO OU TARDE DEMAIS…

UBS vê potencial de valorização menor para Hapvida — será que é hora de dar adeus à HAPV3?

5 de julho de 2022

O banco cortou o preço-alvo das ações, de R$ 15,40 para R$ 9,00, o que representa um potencial de valorização de 49% em relação ao fechamento de segunda-feira (05)

O MEDO SE ESPALHA

Por que o petróleo tomba mais de 10% e arrasta as ações da Petrobras (PETR4) e PRIO (PRIO3) hoje

5 de julho de 2022

A projeção pessimista vem em um momento em que as cotações estão sob pressão. Desde o início do ano, quando as tensões entre Rússia e Ucrânia se intensificaram, o preço do barril saltou mais de 40%

SEM ACORDO

Greve do BC termina na data marcada; paralisação durou 95 dias

5 de julho de 2022

Os servidores do Banco Central cruzaram os braços em abril e reivindicavam reajuste salarial e reestruturação da carreira — demandas que não foram atendidas a tempo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies