2022-01-20T07:51:09-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam mistas pela manhã após inflação recorde da Zona do Euro e Ibovespa olha coletiva do presidente do Banco Central hoje

Sem maiores indicadores para o dia, o foco vai para a corrida eleitoral, com as falas dos presidenciáveis em foco nesta quinta-feira

20 de janeiro de 2022
7:51
Confira o que movimenta a bolsa brasileira hoje (20). Imagem: Shutterstock

O dia começa com poucas novidades para o cenário doméstico e externo. A tensão envolvendo o reajuste dos servidores, em meio ao início da corrida eleitoral, permanece em foco nesta quinta-feira (20) enquanto as bolsas do exterior digerem dados locais de inflação

Mas o Ibovespa consegue se salvar nesse cenário conturbado. Ontem (19), o principal índice da B3 encerrou a sessão com alta de 1,26%, a 108.013 pontos.

O dólar à vista, por sua vez, terminou o dia em baixa de 1,70%, cotado a R$ 5,4659. Desde o início do ano, a moeda norte-americana registra queda de 2,3%

Ainda hoje, os balanços de Netflix e American Airlines devem movimentar os negócios em meio a novas movimentações dos Bancos Centrais contra a inflação

Saiba o que movimenta os negócios hoje:

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente

Jair Bolsonaro

O presidente da República Jair Bolsonaro corre contra o tempo para sancionar o Orçamento para 2022. Os debates envolvendo o reajuste dos servidores públicos permanecem na mesa após a mobilização da última terça-feira (18).

A baixa adesão à paralisação, com a ausência de servidores da Receita Federal, deu fôlego ao governo, que deve aprovar o reajuste apenas para policiais federais. O presidente tem até a sexta-feira (21) para aprovar a peça orçamentária. 

Entretanto, ainda existe a possibilidade de o presidente não conceder o reajuste à sua base de apoio no valor de R$ 1,7 bilhão aos cofres públicos. O pedido veio do ministério da Economia, que teme maiores mobilizações de outros setores do funcionalismo.

Eleições 2022

A corrida eleitoral começa a dar as caras com o debate envolvendo o Orçamento e brigas por alianças. A pergunta que os investidores se fazem é: quem cuidará melhor da economia?

Na tarde de ontem (19), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ressaltou a importância do diálogo e fez um discurso de conciliação após críticas pela escolha de Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo, como vice. 

Lula está à frente das pesquisas eleitorais, mas ainda precisa convencer os entes do mercado de que não cometerá os mesmos erros do passado no campo econômico.

Na agenda local

Sem maiores indicadores para o dia, o foco dos investidores vai para a palestra do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na Conferência Anual Latino-Americana do Santander. 

Inflação X Bancos Centrais

Longe dos problemas locais, o exterior permanece atento aos dados inflacionários da Zona do Euro. O índice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) veio em linha com o esperado pelo The Wall Street Journal: a inflação da região atingiu a máxima histórica e encerrou 2021 em 5%.

O CPI recorde também superou a meta da inflação do Banco Central Europeu (BCE), de 2,0%. 

A inflação nas alturas não é uma exclusividade da Europa. A pandemia obrigou os BCs a injetarem dinheiro nas economias pelo mundo, o que se reverte em uma alta nos preços. 

Agora, os Bancos Centrais correm atrás do prejuízo: o Federal Reserve iniciou a retirada de estímulos da economia e deve aumentar os juros nos próximos meses — e o mesmo deve acontecer aqui no Brasil. 

Já a China vai na contramão do mundo e anunciou um corte das principais taxas de juros para tentar conter a desaceleração da economia após novas ondas de covid-19 na região. 

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta quinta-feira de maneira mista. A China voltou a cortar os juros de referência (LPRS) e deve manter a política de estímulos à economia, mas mantiveram o tom cauteloso do fechamento em Nova York. 

Já as bolsas da Europa abriram em alta, mas inverteram o sinal após os dados inflacionários da Alemanha e Zona do Euro. 

Por fim, os futuros de Nova York avançam pela manhã, antes dos balanços do dia. 

Agenda do dia

  • Zona do Euro: CPI e Núcleo do CPI de dezembro (7h)
  • Estados Unidos: Pedidos de auxílio-desemprego (10h30)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (13h)
  • Banco Central: Presidente do BC, Roberto Campos Neto, palestra na 26ª Conferência Anual Latino-Americana do Santander, por videoconferência (15h)

Balanços

  • Estados Unidos: Netflix (sem horário)
  • Estados Unidos: American Airlines (sem horário)
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

NOVO MODELO DE NEGÓCIOS

Varejo adota ‘loja-contêiner’ para fugir dos custos de shoppings e aluguéis; conheça o que são os estabelecimentos modulares

A estreante no formato é a Chilli Beans, de óculos de sol. “Acho que não teria uma Eco Chilli se não houvesse pandemia”, afirma o CEO, Caito Maia

NÃO MEXE NO MEU QUEIJO

Membros do mercado financeiro defendem Lei das Estatais em documento enviado ao ao Congresso; revogação seria ‘retrocesso’

O texto também cita o relatório de 2020 em que a OCDE afirma que a Lei das Estatais deixou os conselhos de empresas públicas mais independentes de interferências

NESTA SEGUNDA-FEIRA

Governador de São Paulo fará coletiva nesta segunda-feira após Bolsonaro aprovar isenção do ICMS sem garantia de compensação aos estados

O presidente da República vetou o fundo de ajuda aos estados após sancionar o teto do imposto estadual

SEU DOMINGO EM CRIPTO

‘Compre na baixa’ anima e bitcoin (BTC) busca os US$ 22 mil; criptomoedas aguardam semana de olho no Fed

Entre os destaques da próxima semana estão o avanço dos juros nos Estados Unidos e um possível default da Rússia

DE OLHO NO FUTURO

Goldman Sachs quer entrar no mundo da ‘renda fixa’ em criptomoedas e lidera grupo para comprar a Celsius por US$ 2 bilhões

O staking vem crescendo nos últimos meses e é motivo de certa preocupação após o caso da Celsius — e o banco de Wall Street quer um pedaço dele