O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-14T17:09:51-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Mercados Hoje

Ibovespa avança aos 106 mil pontos apesar de exterior negativo; dólar perde força

Bolsas de Nova York recuam após dados de vendas no varejo negativos e balanços de bancos mistos

14 de janeiro de 2022
10:22 - atualizado às 17:09
Ibovespa
Confira o que movimenta o Ibovespa e o dólar hoje (14).

A sexta-feira (14) é de clima pesado nos mercados internacionais, mas o Ibovespa vem conseguindo sustentar a alta desde cedo, apesar de tudo.

Os mercados seguem digerindo as indicações de aperto monetário dadas pelo Federal Reserve, o banco central americano, ao longo da última semana.

Os juros futuros mais longos disparam nos Estados Unidos na tarde de hoje, em reação a falas duras de dirigentes do Fed contra a inflação no país, o que contribui para a desvalorização dos ativos de risco.

Além disso, as bolsas americanas reagem aos primeiros resultados da temporada de balanços do quarto trimestre de 2021, inaugurada, como sempre, pelas instituições financeiras. E apesar dos números terem vindo acima das estimativas do mercado, as ações da maioria dos bancos recua forte em Wall Street nesta sexta.

As vendas no varejo decepcionantes nos EUA também decepcionaram os investidores globais, contribuindo para a queda dos principais índices em Nova York. Há pouco, o Dow Jones tinha queda de 0,92%, o S&P 500 caía 0,39%, e o Nasdaq operava estável.

Na Europa, o dia também foi negativo, acompanhando o mercado americano. O índice pan-europeu Stoxx 600, que reúne as principais empresas do continente, fechou em queda de 1,04%, acumulando perda de 1,05% na semana.

No entanto, o Ibovespa consegue se manter em alta, firme e forte, puxado pela valorização de Petrobras, com a alta do petróleo, e dos bancos. Perto das 17h, o principal índice da B3 subia 1,28%, na máxima do dia, aos 106.875 pontos. Já o dólar à vista virou e fechou em queda de 0,29%, a R$ 5,5132.

Os juros futuros fecharam mistos. Veja o desempenho dos principais vencimentos:

  • Janeiro/23: alta de 11,927% para 11,94%;
  • Janeiro/25: alta de 11,183% para 11,225%;
  • Janeiro/27: queda de 11,137% para 11,135%.

Vendas no varejo animam mercado local

Os dados do varejo local animam os investidores dos mercados domésticos nesta sexta. De acordo com o IBGE, as vendas do varejo restrito avançaram 0,6% no mês, próximo ao teto das projeções coletadas pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Estadão, e acima da mediana das projeções, que era de estabilidade.

Já as vendas no varejo ampliado subiram 0,5% em novembro de 2021, também próximo ao teto das projeções e acima da mediana das estimativas, que era de queda de 0,6%.

Queda no lucro dos bancos americanos

Lá fora, no entanto, o clima é outro. Ainda com o gosto amargo do fim dos estímulos, os investidores internacionais permanecem atentos aos primeiros resultados da temporada de balanços do quarto trimestre de 2021.

Wells Fargo, Citigroup e JPMorgan foram os primeiros bancos a divulgar seus números, junto com a BlackRock, maior gestora de recursos do mundo.

Embora todas as principais métricas tenham vindo acima do esperado pelo mercado, Citigroup e JPMorgan registraram queda nos seus lucros no quarto trimestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano anterior.

O Wells Fargo foi o único dos três bancos que, além de surpreender positivamente em todas as métricas, viu um crescimento no lucro. A Carolina Gama apresenta os resultados das instituições financeiras nesta matéria.

Assim, as ações do Citigroup e do JPMorgan recuam forte nesta sexta, puxando também Morgan Stanley e Goldman Sachs. O Wells Fargo é o único que apresenta alta.

Como as ações dos bancos vinham se valorizando recentemente por conta da perspectiva de alta nos juros nos EUA - fator que tende a beneficiar esse tipo de instituição financeira -, é possível que os investidores estejam optando por uma realização dos ganhos recentes nos papéis das empresas cujos lucros falharam em crescer.

Além da reação ruim aos resultados dos bancos, Nova York também reage mal às vendas no varejo nos Estados Unidos, que caíram 1,90% em dezembro, bem mais do que a queda de 0,1% que havia sido projetada pelos analistas ouvidos pelo The Wall Street Journal.

Discursos duros dos dirigentes do Fed e um feriado

Hoje, assim como ontem, os mercados globais seguiram de olho nas falas de dirigentes do Federal Reserve em busca de novas pistas acerca dos próximos passos da política monetária americana.

Os comentários duros contra a inflação impulsionam os juros longos dos títulos do Tesouro americano nesta tarde, o que contribui ainda mais para a perda de força dos ativos de risco.

O presidente da distrital da Filadélfia, Patrick Harker, reafirmou que três ou quatro altas de juros devem se fazer necessárias neste ano. Neel Kashkari, presidente da regional de Mineápolis, se disse surpreso com o ritmo de escalada da inflação nos EUA.

Já o presidente do Fed de Nova York, John Williams, afirmou que as taxas de juros de longo prazo dos Estados Unidos devem avançar à medida que a autoridade monetária reduzir o seu balanço, isto é, vender de volta ao mercado os ativos adquiridos durante a época dos estímulos.

Ele também disse ser "impressionante" o quão baixos os retornos dos bônus de curto prazo estão neste momento.

Além de tudo, segunda-feira é feriado nos EUA, e os mercados permanecerão fechados, o que tende a ser um fator que leva os investidores a se protegerem e evitarem "dormir comprados", caso algo aconteça durante a folga prolongada e eles não consigam reagir imediatamente.

A kriptonita do superministro

Os investidores locais continuam de olho nas questões políticas, sobretudo aquelas que possam se traduzir em mais pressão sobre o risco fiscal.

Por um lado, o impasse com o reajuste dos servidores públicos permanece no radar. O presidente da República, Jair Bolsonaro, pretendia dar aumento apenas aos policiais federais, o que gerou reação de funcionários da Receita Federal e do Banco Central, que convocaram paralisações e greves para os próximos dias. 

O imbróglio, no entanto, tem data para ser resolvido, pois em maio começam a valer as restrições eleitorais, que não permitem ao governo elevar certos gastos em ano de eleição.

Outra questão na qual os investidores permanecem de olho é no decreto, editado por Bolsonaro, que retira influência do ministério da Economia sobre o Orçamento federal, conferindo mais poder à Casa Civil.

O movimento é visto como uma perda de autonomia do ministro Paulo Guedes, chefe da pasta, e um aceno ao Centrão, tendo em vista que a Casa Civil é controlada pelo ministro Ciro Nogueira (PP-PI), um dos líderes do bloco no Congresso, o que pode ser um indicativo de que vêm mais gastos por aí.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

MERCADOS HOJE

Bolsa hoje: Cautela pesa e Ibovespa futuro abre em queda com exterior fraco; dólar avança para R$ 4,95

RESUMO DO DIA: Após o rali da última terça-feira (17), as bolsas amanheceram com leves perdas, em um movimento de ajuste cauteloso. A inflação na Europa preocupa, enquanto o Federal Reserve dá sinais mistos sobre o aperto monetário. Por aqui, o Ibovespa acompanha a privatização da Eletrobras (ELET3) e falas de Roberto Campos Neto e […]

CAÇADOR DE TENDÊNCIAS

Oportunidade de swing trade: compra de ações da Suzano (SUZB3) e lucro de 5,3% no bolso com Wiz (WIZS3)

Identifiquei uma oportunidade de swing trade – compra dos papéis da Suzano (SUZB3), com entrada em R$ 52,74; confira a análise

O melhor do Seu Dinheiro

As stablecoins são o Real dos anos 1990? Confira a notícia do dia e outras sete histórias que mexem com os seus investimentos

Manter a paridade com o dólar não é tarefa simples, e o novíssimo mercado das criptomoedas experimentou esse travo amargo na semana passada; entenda a crise das stablecoins

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas lá fora tentam emplacar terceiro dia de alta, limitadas por dados inflacionários; Ibovespa mira Eletrobras (ELET3) e briga entre poderes

Ainda hoje, os investidores acompanham o presidente do BC, Roberto Campos Neto, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento

TRAGÉDIA NA CHINA

Alguém derrubou esse avião de propósito na China; investigadores agora tentam descobrir quem foi

Dados recuperados da caixa preta sugerem que alguém na cabine derrubou o intencionalmente o Boeing 737-800 da China Eastern com 132 pessoas a bordo no fim de março

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies