Menu
2021-05-19T11:09:07-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
De olho no Congresso

O que está na mesa e quanto pode valer a Eletrobras privatizada?

O mercado está otimista com a possibilidade de aprovação do projeto que permite a venda do controle da Eletrobras. Mas, afinal, quanto a companhia ainda pode valer nas mãos da iniciativa privada? E se o angu desandar?

19 de maio de 2021
6:01 - atualizado às 11:09
Privatização Eletrobras
Sede da Eletrobras no Rio de Janeiro - Imagem: Divulgação

A chegada de Paulo Guedes a Brasília foi acompanhada de muita expectativa e esperança com o andamento das inúmeras reformas almejadas pelo mercado e a privatização de estatais cuja manutenção pesa nos cofres públicos. 

Quase dois anos e meio depois e com uma eleição no ano que vem, parece que o tempo do governo para discutir temas controversos e polêmicos está acabando. Mas ainda dá tempo de marcar um gol. 

Pelo menos é assim que o mercado está encarando a votação da Medida Provisória 1031/21, que define as regras que abrem caminho para a privatização da Eletrobras e que deve ser votada nesta quarta-feira (19). O presidente da Câmara, Arthur Lira, garantiu que o tema está na pauta do dia.

Na prática, o governo não deve desembarcar totalmente da companhia, mas diluir a sua participação e ficar com menos de 50% das ações com direito a voto. 

Depois de as chances de privatização serem quase enterradas com a saída de Wilson Ferreira Junior do comando da estatal, as últimas semanas têm sido de avanço da pauta, seguindo o ritmo das negociações e rumores em Brasília.

As ações da Eletrobras (ELET3 e ELET6) acompanham a roda-viva da privatização, com o mercado apostando cada vez mais fichas na aprovação da medida. Só em 2021, a valorização dos papéis gira em torno dos 20%, subindo dos R$ 32 para o patamar dos R$ 40 só com a reação aos acenos do governo. 

Segundo o planejamento do Ministério de Minas e Energia, a privatização deve estar completa até o início de 2022 e girar em torno dos R$ 100 bilhões. Mas, antes disso, o Congresso precisa analisar e votar a MP, que caduca no próximo dia 22 de junho. 

Se o prazo acabar sem ter passado pelo Senado, o governo pode enterrar a sua última chance viável de privatização, já que não poderá enviar um texto com o mesmo tema em 2021 e teremos eleições no ano que vem, tirando o tema da lista de prioridades. Pelo menos por agora, o mercado está otimista e acha viável o calendário do governo. Mas, nunca se sabe…

Com a privatização se tornando uma realidade possível, perguntas começam a surgir: o consumidor vai sentir no bolso? Como fica o setor elétrico? As ações subiram demais ou ainda tem espaço para mais? E se o angu desandar, como ficam os papéis?

Essa não é a privatização dos sonhos dos gestores e analistas com quem conversei para entender um pouco o que esperar para a Eletrobras daqui pra frente, mas é a única que o mercado possivelmente vai ver. Então, é muito bem-vinda.

  • VÍDEO: Confira os detalhes do projeto de privatização

Um passado turbulento

Para entender quaisquer que sejam os cenários, é preciso dar uma olhadinha no passado recente.

Kaique Vasconcellos, da Helius Capital, acompanha o setor elétrico há mais de 10 anos e divide o tempo de uma forma peculiar: antes e depois da MP 579 que, segundo ele, estragou o setor elétrico de tal forma que foram precisos mais de quatro anos para tentar consertar o prejuízo gerado pela gestão de Dilma Rousseff. 

Para os menos familiarizados com o setor, eu explico. Na tentativa de segurar o valor da tarifa de energia, a MP 579 criou um regime de cotas, travando o valor máximo a ser cobrado dos consumidores. Vasconcellos aponta que essa MP alterou toda a dinâmica do setor, afetando a capacidade financeira da Eletrobras, que passou a queimar caixa. 

Até 2011, a estatal estava envolvida nas principais obras de infraestrutura do país — como a hidrelétrica Belo Monte. Depois da MP, porém, a companhia deixou de ter esse poder e de participar de leilões, que ficaram esvaziados, sem atrair o interesse da iniciativa privada. 

No governo Temer, Wilson Ferreira Junior, conceituado executivo do setor, assumiu a companhia e colocou o trem de volta nos trilhos. Tudo parecia ir bem até o executivo desembarcar, no começo de 2021, sacudindo o temor uma interferência política e o fim dos sonhos de uma privatização. 

Para Luiz Missagiam, gestor de renda variável da ACE Capital, esses foram gatilhos que deixaram a companhia extremamente descontada, mas Rodrigo Limp, o novo CEO, tem se mostrado pró-privatização e técnico, afastando os temores do mercado.

A herança Wilson

Adjetivos não faltaram para definir a gestão de Wilson à frente da Eletrobras: “fantástica”, “excepcional” e “irretocável”, foram só alguns deles. 

O antigo CEO pegou uma empresa em apuros e a transformou em uma empresa mais eficiente ao reduzir o custo administrativo e vender distribuidoras deficitárias que causavam prejuízo.

Para conter o avanço da dívida, os investimentos da Eletrobras passaram de cerca de R$ 10 bilhões por ano para R$ 3 bilhões durante a sua gestão. Vasconcellos, da Helius Capital, aponta que esse é um investimento “mínimo do mínimo” para manter o setor funcionando. 

Mas o resultado foi sentido. A Eletrobras passou de uma empresa inchada, sem geração de caixa, para uma companhia mais enxuta que, mesmo longe dos patamares do mercado privado, consegue pagar suas obrigações. Se antes a empresa girava com um índice Dívida Líquida/EBITDA na casa dos 7 vezes, hoje ele está na casa de 2 vezes. 

Entender essa mudança é fundamental para entender o cálculo dos cenários com ou sem privatização. Para alguns, mesmo sem privatizar, a Eletrobras é uma empresa que gera caixa, paga bons dividendos e por isso já teria um bom potencial. Mas, enquanto segue na mão do governo, sempre irá precificar o risco político.

O que o futuro reserva?

Para Rafael Passos, sócio da Ajax Capital, uma Eletrobras privatizada deve trazer três mudanças principais:

  • Uma empresa menos endividada, já que o futuro deve reservar um plano de desinvestimentos para se desfazer de ativos não-estratégicos que hoje são mal geridos e não conseguem trazer rentabilidade. Esse movimento deve vir acompanhado de uma redução de custos — principalmente na parte de pessoal. Como estatal, a Eletrobras hoje possui um formato engessado e burocrático.
  • Uma melhora no capital alocado. Ao se tornar mais competitiva e enxuta, a empresa deve retomar a sua capacidade de investimento - que ficou comprometida nos últimos anos. Mais rentável, a companhia pode voltar a participar de leilões, investir nos seus próprios ativos e até mesmo, quem sabe, em outros players do mercado. 
  • E, na mão de players privados, a empresa conseguiria fazer uma melhor gestão de passivos. 

Em resumo, a leitura do mercado é que, focando em seu negócio principal, a entrada do setor privado na companhia pode ser um “ganha-ganha”. Privatizada e mais eficiente, conseguiria entregar um preço de energia mais barato para o consumidor e mesmo assim aumentar sua margem, com um custo reduzido.

Para o governo, além do reforço no caixa que deve aliviar a questão fiscal, não será mais preciso arcar com prejuízos — como foi no passado. 

Com 50% dos recursos podendo ir para o Tesouro e 50% para um fundo de subsídios, a tarifa de energia também deve ficar mais barata. Além disso, Vasconcellos lembra que o compromisso de investimentos em três regiões durante 10 anos, que podem ficar no texto final, deve financiar a revitalização de bacias hidrográficas e beneficiar o setor como um todo — um grande bônus para a sociedade.

Sabe o regime de cotas instituído no governo Dilma? Ele também deve deixar de existir. Um dos gestores afirmou que essa pode ser a maior “porrada” em termos de geração de caixa para uma Eletrobras privatizada. 

Agora é a hora?

As discussões de privatização não são novas. O governo Temer deu o start e desde então a base vem sendo formada. Os textos mudaram ao longo do tempo, mas as concessões feitas pelo caminho vieram para facilitar a aprovação política. Essa é uma das razões para os gestores e analistas estarem tão otimistas. 

Com recursos destinados para a região Norte, Nordeste e Sudeste, a ideia de uma privatização fica mais sedutora para a classe política e a prorrogação da concessão de Tucuruí por mais 30 anos, aumentando o valor que pode ser arrecadado pelo governo, agrada. Furnas deve receber R$ 195 milhões, Amazonas R$ 3,5 bilhões por ano e o restante destinado ao fundo dos consumidores. 

A outra possibilidade, de privatização via venda de subsidiárias seria um caminho mais complexo — e quase impossível. A retirada desses termos do texto é o maior sinal de que a aprovação da MP é o caminho mais rápido e fácil. 

Existem alguns pontos polêmicos, claro, como a renovação de alguns projetos eólicos e a inclusão das termelétricas na discussão. Além disso, o governo também pode insistir na transferência de um crédito tributário de R$ 40 bilhões da Eletrobras para a nova estatal que será criada para administrar os ativos de Itaipu e da Eletronuclear. 

Esse último ponto é bem delicado, ressalta o estrategista-chefe e analista de utilities do Itaú BBA, Marcelo Sa. Essa transferência precisaria ser aprovada em assembleia, e muito dificilmente passaria pelos acionistas minoritários.

“Esse não é um crédito do governo e sim da companhia. As modificações que podem vir a acontecer não são ideais, mas não inviabilizam. Apenas se o governo de fato insistir em seus pontos”. 

Outro destaque importante da MP é que o poder de voto dos acionistas está limitado a 10%, ainda que o governo detenha uma ‘golden share’ para decisões de questões estratégicas. O consenso é que não agrada, mas também não estraga. 

O otimismo é grande, mas ainda depende de Brasília, onde o jogo e interesse político são fortes. Agora é aguardar as cenas dos próximos capítulos. 

Quanto vale esse papel?

Com os dois cenários possíveis abertos, a pergunta que restou para ser respondida é quanto o mercado acha que a Eletrobras pode vir a valer — e parece que os analistas estão otimistas. 

Caso a privatização ocorra, a maior parte dos gestores com quem conversei apostam em um preço-alvo de pelo menos R$ 60, o que leva a um potencial de valorização de cerca de 50%. A estimativa do Itaú BBA, a mais alta delas, é de R$ 64. 

O número é de pelo menos R$ 60 porque a maior parte dos modelos ainda depende dos termos exatos da aprovação da MP e apenas aproxima a Eletrobras de patamares hoje apresentados pelos players privados do setor — basicamente uma empresa mais enxuta, com corte de custos, otimização tributária e maior capacidade de investimentos, sem precificar melhorias operacionais acima do esperado ou um crescimento de participação no setor.

Um dos gestores consultados acredita que a companhia pode valer no mínimo R$ 120 bilhões privatizada, com esse valor podendo superar os R$ 150 bilhões dependendo do texto final que será aprovado.  

Agora, caso a MP não passe — seja por falta de acordo político ou porque o texto caducou — o papel deve sofrer um desconto no curto prazo, ainda que os gestores e analistas consultados acreditem que o patamar de R$ 40 é justificado como "herança da gestão Wilson Ferreira Jr".

Dos especialistas com quem conversei, Kaique Vasconcellos, da Helius Capital, e Marcelo Sa, do Itaú BBA, se mostram mais conservadores, trabalhando na faixa dos R$ 29 - R$ 30 reais para o caso da não privatização.

“Ela vale R$ 29 não privatizada? Na verdade vale muito mais. Na casa dos R$ 40, mas não importa o que a gente acha. Se essa operação não sair, o mercado vai voltar a precificar uma possível intervenção estatal e o fim do que foi gerado na gestão Wilson”, afirma o estrategista-chefe do banco. 

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies