🔴 ESTA CRIPTOMOEDA DISPAROU 4.200% EM 2 DIAS – VEJA SE VALE INVESTIR

Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Entrevista com o CEO

Na Oi (OIBR3), as dúvidas vão ficando para trás — e o futuro é feito de fibra ótica e metas ambiciosas

Rodrigo Abreu, CEO da Oi (OIBR3 e OIBR4), fala sobre o momento presente da companhia e os planos futuros, incluindo o destino da V.tal

Victor Aguiar
Victor Aguiar
4 de outubro de 2021
5:42 - atualizado às 12:17
Retrato de Rodrigo Abreu, CEO da Oi (OIBR3 e OIBR4)
Rodrigo Abreu ocupa o cargo de CEO da Oi (OIBR3 e OIBR4) desde o começo de 2020 - Imagem: Oi

Se há uma data importante na história recente da Oi (OIBR3 e OIBR4), ela é o dia 8 de setembro de 2020: após uma longa e tensa assembleia, os credores da companhia aprovaram uma proposta de mudança no plano de recuperação judicial — e abriram as portas para um enorme processo de venda de ativos. Era o começo de uma reviravolta.

Passado um ano do dia D, a Oi é uma empresa completamente diferente. Seu endividamento recuou de maneira drástica e o foco de suas operações mudou: sai a telefonia móvel, entra a fibra. A recuperação judicial segue em andamento, mas seu fim já começa a ser vislumbrado no horizonte — o que não quer dizer que o seu CEO, Rodrigo Abreu, considere que sua missão foi cumprida.

"Ainda temos alguns desafios muito concretos pela frente", disse o executivo, em entrevista ao Seu Dinheiro. "O caso da Oi é um caso de recuperação a longo prazo".

E, de fato, a Oi tem trabalhado pensando numa janela temporal mais longa. Em termos operacionais, eram 2,8 milhões de usuários dos serviços de fibra ao fim do segundo trimestre deste ano, mais que o dobro do reportado em junho de 2020; a meta, segundo o CEO, é chegar a 9 milhões.

Abreu, aliás, é um veterano no setor de telecomunicações: foi presidente da TIM entre 2013 e 2016 e, antes disso, ocupou o cargo mais alto da Cisco no Brasil. Está na Oi desde 2018, onde passou de membro do conselho a chefe de operações — e arquitetou o novo plano de recuperação da empresa. Assumiu como CEO no começo de 2020.

O executivo conversou com a reportagem do Seu Dinheiro na última sexta-feira (1); horas antes, a Oi tinha anunciado ao mercado a conclusão da venda do controle da V.tal (antiga InfraCo), a divisão que concentra a rede neutra de fibra óptica da companhia. O BTG Pactual pagou R$ 12,9 bilhões por 57,9% da empresa — a Oi segue com os 42,1% restantes.

"O plano da InfraCo, agora V.tal, é extremamente ambicioso", disse Abreu. "E uma das razões da própria segregação é poder cumprir com esse plano ambicioso, dada a capacidade de investimento que a empresa segregada vai ter, e que não teria caso ela permanecesse integrada numa única operação vertical dentro da Oi".

O CEO, no entanto, faz questão de ressaltar que esse é apenas o episódio mais recente de uma longa história — e que, para compreender os planos da Oi e sua visão de longo prazo, é preciso dar alguns passos para trás.

Oi (OIBR3): mudança estratégica

Voltemos à 2016: com dívidas na casa dos R$ 65 bilhões, a Oi (OIBR3 e OIBR4) deu entrada no maior pedido de recuperação judicial da história do país — a empresa, nas palavras do próprio Abreu, 'fazia de tudo, para todo mundo, em todo o país', o que gerou uma espiral de problemas financeiros.

Em paralelo, também havia um problema estrutural atingindo o setor: a queda da telefonia fixa e dos serviços associados à infraestrutura de fios de cobre. As receitas foram minguando com a transição da tecnologia — a banda larga passou a usar cabos coaxiais e, agora, começa a migrar para a fibra. Ou seja, a Oi tinha um problema a mais para lidar.

"A companhia precisava de um plano pra fazer duas coisas: primeiro, para recompor a receita, substituir a receita que estava caindo muito rapidamente, relativa à telefonia física e ao cobre", explica Abreu. "E, segundo, para investir em algo que tivesse perenidade e capacidade de crescer muito rápido".

A aposta foi na fibra, e aqui é preciso fazer um parêntese: uma coisa é a infraestrutura de cabos de fibra ótica; outra são os serviços de conectividade de banda larga em alta velocidade. A Oi começou a desenvolver a rede de cabos ainda em 2018, mas essa rede é neutra — qualquer operador de serviços pode contratá-la e usá-la para fornecer serviços.

Pense numa ferrovia: não é porque uma empresa construiu uma malha férrea que apenas ela poderá usá-la. Outros trens, de outras companhias, podem circular pelos trilhos, desde que paguem uma taxa de uso.

E, de fato, a Oi tinha uma presença apenas tímida no mercado de operadores de serviços de banda larga até 2019. Foi só no ano seguinte, em paralelo com a construção do novo plano, que ela começou a entrar com mais força nesse mercado:

Gráfico de barras e linhas mostrando a evolução de casas passadas e casas conectadas da rede de fibra da Oi (OIBR3 e OIBR4)
Take up é o percentual da rede neutra da Oi (OIBR3 e OIBR4) que é usada pela própria companhia para prestar seus serviços de conexão de banda larga ao consumidor final

Dito isso, por que sair do negócio de telefonia móvel? Segundo Abreu, a decisão foi estratégica: por mais que a Oi tivesse potencial para ser bem sucedida nesse mercado, ela precisaria crescer num ritmo muito acentuado para conseguir substituir a receita de telefonia móvel que estava desaparecendo — seria necessário sair de quarto para primeiro lugar, e isso sem grande capacidade de investimento.

O plano, então, era focar no desenvolvimento de infraestrutura e serviços de fibra, e sair de outros negócios considerados não-centrais. Daí vem o plano de venda de ativos, que rendeu quantias polpudas para a redução do endividamento:

[Era preciso] recompor a receita e voltar a ser uma empresa sustentável, que tivesse um equilíbrio entre investimento, receita e resultado

Rodrigo Abreu, CEO da Oi

V.tal, BTG e Oi: parceria para crescer

Chegamos, então, ao passo concretizado na última sexta-feira: a conclusão da venda do controle da V.tal, a divisão de infraestrutura de fibra da Oi. Uma informação que pode parecer estranha, considerando que o plano da companhia, afinal, é priorizar esse tipo de conexão.

Novamente, é importante fazer a divisão entre a infraestrutura e o serviço. A V.tal concentra a rede de cabos de fibra ótica que foram instalados pela Oi e, a partir de agora, será responsável pela gestão e expansão dos ativos. A Oi será uma das prestadoras de serviços de conectividade banda larga que poderá usar essa malha — por isso, usa-se a definição "rede neutra".

A venda de 57,9% da V.tal para o BTG, assim, se insere na lógica de desalavancagem e foco na prestação de serviços de fibra. Primeiro porque a operação movimentou R$ 12,9 bilhões, sendo um componente importante para a redução da dívida da Oi; segundo, porque ela traz um investidor capaz de colocar dinheiro na operação, viabilizando o seu crescimento.

E, terceiro e não menos importante: porque a Oi ainda é uma acionista relevante da V.tal; sendo assim, sua expansão implica em criação de valor para a empresa. "A gente imagina que [a V.tal] possa ter potencial de crescer de duas a três vezes em quatro anos", diz Abreu. "Isso significaria, para a Oi, uma criação de valor de praticamente R$ 10 bilhões ou mais".

Em termos operacionais, a V.tal quer chegar a mais de 32 milhões de casas passadas — segundo o executivo, a rede ao fim desse ano deve ficar ao redor de 14 a 15 milhões de casas. E, para tal, serão necessários investimentos elevados: o próprio BTG já divulgou que pretende alocar recursos na ordem de R$ 30 bilhões para a expansão do negócio.

Um poder de fogo que a Oi, sozinha, não teria como bancar.

A Oi do futuro

Em julho, a Oi divulgou seu novo plano estratégico até 2024 — e, entre outros pontos, projeta receita líquida de até R$ 15,5 bilhões e Ebitda de até R$ 2,3 bilhões. São cifras bem mais modestas do que as vistas nos últimos anos: em 2020, por exemplo, a empresa teve receita na casa de R$ 18 bilhões.

É o resultado do que Abreu classifica como uma nova Oi, 'mais enxuta e eficiente': a venda de ativos e a simplificação da estrutura da companhia geram resultados mais modestos, mas que, a longo prazo, tendem a ser mais sustentáveis.

Gráficos de barra e de linha mostrando a evolução da Receita líquida, do Ebitda e da margem Ebitda da Oi (OIBR3 e OIBR4) ao longo do tempo
Embora a receita da Oi (OIBR3 e OIBR4) esteja diminuindo ano após ano, o Ebitda tem feito o caminho oposto — e, como resultado, as margens da empresa estão melhorando

Os serviços de conexão banda larga de alta velocidade serão o carro-chefe da Oi do futuro, mas há também uma série de iniciativas para a expansão da receita em áreas adjacentes. Ao fim de todo o processo de reestruturação, a Oi será dona de 42,1% da V.tal e de 100% de outras duas empresas:

  • Serede, de prestação de serviços técnicos e de logística;
  • Tahto, plataforma de relacionamento e atendimento a clientes.

Há, ainda, a questão da recuperação judicial: a 7ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro definiu que a supervisão deverá ser encerrada em março de 2022 — prazo que, segundo Abreu, dá segurança para que as vendas da operação móvel e do controle da V.tal sejam aprovadas pelos órgãos reguladores.

O fim do status da recuperação judicial não significa que a Oi não terá mais compromissos com os credores, já que todas as definições assinadas anteriormente continuarão valendo até os créditos sejam equacionados. Mas, com o fim da supervisão, a vida começa a voltar ao normal — e o foco fica cada vez mais nas operações.

"Até a conclusão das operações [de venda de ativos], a gente acredita que seja muito mais uma gestão de dia a dia, até porque essas operações vão nos trazer uma liquidez no ano que vem bastante significativa", diz o executivo. "Vai nos permitir fazer uma desalavancagem, vai nos permitir entrar em uma outra dinâmica de execução financeira".

Ao fim do segundo trimestre de 2021, a dívida total da Oi somava R$ 29,1 bilhões, dos quais R$ 22,7 bilhões estão concentrados no longo prazo — ao longo dos últimos meses, a companhia também promoveu uma série de refinanciamentos e captações que alongaram o prazo da dívida. O caixa era de R$ 3,4 bilhões, totalizando uma dívida líquida de R$ 25,6 bilhões.

Lá na frente, o nosso alvo é voltar para os níveis de alavancagem confortáveis para uma empresa da nossa atuação, que são níveis entre 2x e 3x o Ebitda.

Rodrigo Abreu, CEO da Oi

Por fim, há ainda o leilão do 5G no horizonte. Previsto para o dia 4 de novembro, ele envolverá quatro frequências: 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz. As três primeiras, mais ligadas à telefonia móvel, não despertam o interesse da Oi; a última, mais relacionada à conexão física, está no radar de Abreu.

O executivo diz que, por mais que, a priori, a faixa de 26 GHz seja interessante para a Oi, o edital ainda está sendo estudado pela companhia, uma vez que os custos associados e obrigações de investimentos são elevados. "Estamos fazendo nossas análises para entender se faria sentido ou não".

Arte da V.Tal nas redes sociais
Arte da V.tal nas redes sociais

Oi (OIBR3 e OIBR4): concorrência à vista?

Em paralelo ao foco da Oi (OIBR3 e OIBR4) nos serviços de conectividade via fibra óptica, um movimento começou a ganhar corpo no mercado de ações: o IPO de operadores locais de banda larga — empresas como Livetech/WDC Networks (LVTC3), Unifique (FIQE3) e Desktop (DESK3), entre outras. Ao abrirem capital, tais empresas levantaram recursos para investir e continuar se expandindo.

Esse impulso nas operadoras regionais, no entanto, não chega a tirar o sono de Abreu. Por mais que essas empresas estejam em rota de crescimento, ele diz enxergar um mercado com bastante espaço para atuação de diversos players — sendo que, em termos nacionais, a Oi segue com o plano de ser líder.

"Se nós somarmos todas as captações, de todos os grandes IPOs de provedores regionais até aqui, elas não chegam a um ano de investimento de capex que a Oi fez em fibra, e menos ainda comparado com o que a V.tal vai continuar fazendo", diz Abreu. "São competidores importantes, que vão ocupar espaço. Mas, ao mesmo tempo, o nosso nível de investimento e presença nacional é de outra ordem de magnitude".

OIBR3 e OIBR4: volatilidade e visão do mercado

Na bolsa, as ações ON da Oi (OIBR3) vivem uma situação peculiar: ao mesmo tempo em que apresentam um nível de liquidez bastante elevado, também são inelegíveis para a carteira do Ibovespa — empresas em recuperação judicial não podem entrar no principal índice da B3, por mais que satisfaçam todos os outros critérios.

E muito disso se deve à atuação do varejo, já que as ações da Oi estão entre as preferidas das pessoas físicas na bolsa. Uma situação que tem seus prós e contras: por um lado, a empresa desperta discussões acaloradas e emotivas; por outro, há um enorme contingente de investidores que estão atrás de lucros no curtíssimo prazo, não estando atentos à tese mais longa defendida por Abreu.

O executivo sabe disso — e quer mudar a relação entre esses investidores e a empresa.

"Nós não vamos deixar de fazer coisas nas quais acreditamos em relação à recuperação do valor da empresa, ao caminho de sustentabilidade, simplesmente para tentar fazer ações de curtíssimo prazo que, por exemplo, tenham impacto no valor dos papéis. Não é assim que se gerencia uma empresa", diz o CEO, questionado sobre o mau desempenho recente dos ativos da Oi na bolsa.

O comportamento das ações da companhia, tanto as ONs (OIBR3) quanto as PNs (OIBR4) chama a atenção: após passarem anos ao redor de R$ 1,00, elas deslancharam com a aprovação do novo plano de recuperação judicial; ao fim de 2020, as PNs chegaram a superar a casa de R$ 3,50.

No entanto, mesmo com a forte venda de ativos ao longo do ano e a revelação do plano estratégico para 2024, os papéis não deram continuidade à trajetória de alta. Pelo contrário: as ONs (OIBR3) fecharam o pregão da última sexta-feira cotadas a R$ 1,00, amargando queda de 54% desde o começo do ano; as PNs (OIBR4), a R$ 1,68, têm perda de 40%.

Por mais que o mercado de ações como um todo tenha piorado nos últimos meses, as ações da Oi já vinham sofrendo com um desempenho abaixo do esperado desde o começo de 2020 — tanto as ONs (OIBR3) quanto as PNs (OIBR4)

"O caso da Oi não é simples, ele tem muitos elementos que precisam ser entendidos", diz Abreu, ponderando, ainda, que o próprio encaminhamento da recuperação judicial tende a reduzir a volatilidade das ações: com o fim do processo, investidores institucionais que são proibidos de alocarem recursos em empresas nessa condição estarão livres para fazê-lo — e, com isso, as cotações ficariam mais protegidas das oscilações de humor de curto prazo.

Compartilhe

Engordando os proventos

Caixa Seguridade (CXSE3) pode pagar mais R$ 230 milhões em dividendos após venda de subsidiárias, diz BofA

14 de setembro de 2022 - 13:22

Analistas acreditam que recursos advindos do desinvestimento serão destinados aos acionistas; companhia tem pelo menos mais duas vendas de participações à vista

OPA a preço atrativo

Gradiente (IGBR3) chega a disparar 47%, mas os acionistas têm um dilema: fechar o capital ou crer na vitória contra a Apple?

12 de setembro de 2022 - 13:09

O controlador da IGB/Gradiente (IGBR3) quer fazer uma OPA para fechar o capital da empresa. Entenda o que está em jogo na operação

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Exclusivo Seu Dinheiro

Magalu (MGLU3) cotação: ação está no fundo do poço ou ainda é possível cair mais? 5 pontos definem o futuro da ação

10 de setembro de 2022 - 10:00

Papel já alcançou máxima de R$ 27 há cerca de dois anos, mas hoje é negociado perto dos R$ 4. Hoje, existem apenas 5 fatores que você deve olhar para ver se a ação está em ponto de compra ou venda

NOVO ACIONISTA

Com olhos no mercado de saúde animal, Mitsui paga R$ 344 milhões por fatias do BNDES e Opportunity na Ourofino (OFSA3)

9 de setembro de 2022 - 11:01

Após a conclusão, participação da companhia japonesa na Ourofino (OFSA3) será de 29,4%

Estreia na bolsa

Quer ter um Porsche novinho? Pois então aperte os cintos: a Volkswagen quer fazer o IPO da montadora de carros esportivos

6 de setembro de 2022 - 11:38

Abertura de capital da Porsche deve acontecer entre o fim de setembro e início de outubro; alguns investidores já demonstraram interesse no ativo

Bateu o mercado

BTG Pactual tem a melhor carteira recomendada de ações em agosto e foi a única entre as grandes corretoras a bater o Ibovespa no mês

5 de setembro de 2022 - 15:00

Indicações da corretora do banco tiveram alta de 7,20%, superando o avanço de 6,16% do Ibovespa; todas as demais carteiras do ranking tiveram retorno positivo, porém abaixo do índice

PEQUENAS NOTÁVEIS

Small caps: 3R (RRRP), Locaweb (LWSA3), Vamos (VAMO3) e Burger King (BKBR3) — as opções de investimento do BTG para setembro

1 de setembro de 2022 - 13:50

Banco fez três alterações em sua carteira de small caps em relação ao portfólio de agosto; veja quais são as 10 escolhidas para o mês

PATRIMÔNIO HISTÓRICO

Passando o chapéu: IRB (IRBR3) acerta a venda da própria sede em meio a medidas para se reenquadrar

30 de agosto de 2022 - 11:14

Às vésperas de conhecer o resultado de uma oferta primária por meio da qual pretende levantar R$ 1,2 bilhão, IRB se desfaz de prédio histórico

Exclusivo Seu Dinheiro

Chega de ‘só Petrobras’ (PETR4): fim do monopólio do gás natural beneficia ação que pode subir mais de 50% com a compra de ativos da estatal

30 de agosto de 2022 - 9:00

Conheça a ação que, segundo analista e colunista do Seu Dinheiro, representa uma empresa com histórico de eficiência e futuro promissor; foram 1200% de alta na bolsa em quase 20 anos – e tudo indica que esse é só o começo de um futuro triunfal

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar