Menu
2021-03-04T07:11:10-03:00
Ivan Ryngelblum
Ivan Ryngelblum
Jornalista formado pela PUC-SP, com pós-graduação em Economia Brasileira e Globalização pela Fipe. Trabalhou como repórter no Valor Econômico, IstoÉ Dinheiro e Agência CMA.
debandada

Mais um conselheiro pede para deixar a Petrobras

Leonardo Antonelli é o quinto membro do colegiado a solicitar para que não seja reconduzido como indicado pela União, acionista controlador da empresa

4 de março de 2021
7:11
Petrobras
Imagem: Shutterstock

Mais um integrante do conselho de administração da Petrobras (PETR4) decidiu pedir para não ser reconduzido ao colegiado, em meio à polêmica interferência promovida pelo presidente Jair Bolsonaro no comando da estatal.

A companhia informou na quarta-feira (3) à noite que Leonardo Pietro Antonelli apresentou um pedido para que não seja reconduzido como indicado pelo acionista controlador ao conselho na próxima assembleia geral extraordinária de acionistas, que analisará a indicação do general Joaquim Silva e Luna para o comando da empresa, no lugar de Roberto Castello Branco. Os motivos não foram revelados.

Ele se junta a outros quatro conselheiros que apresentaram pedidos semelhantes – João Cox Neto, Nivio Ziviani, Paulo Cesar de Souza e Silva e Omar Carneiro da Cunha Sobrinho.

O conselho de administração da Petrobras é composto por, no mínimo, sete e, no máximo, onze membros, eleitos em assembleia geral ordinária de acionistas para um mandato de até dois anos, admitidas no máximo três reeleições consecutivas.

Antonelli, advogado e ex-desembargador federal, foi eleito na assembleia de julho de 2020 através do processo de voto múltiplo, após ter sido indicado por acionistas minoritários.

Em meio à polêmica envolvendo a troca de comando da estatal, ele deu uma entrevista ao Estadão/Broadcast no final de fevereiro dizendo que a política de preços estava blindada, porque “está prevista no estatuto social” e que uma "debandada" de conselheiros e da diretoria executiva não era a melhor estratégia para lidar com a interferência do presidente Jair Bolsonaro no comando da companhia.

"O momento é de união e restabelecimento da confiança dos investidores na empresa", disse.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

entrevista

‘Orçamento está falido e não deveria ser sancionado’, diz Rodrigo Maia

Para ex-presidente da Câmara, governo e Congresso tem responsabilidade por esse Orçamento em que as emendas parlamentares são maiores do que os gastos discricionários

ESTRADA DO FUTURO

O que o mercado está tentando te dizer sobre as ações do Banco Inter (BIDI11)

Como analistas, gastamos cada vez mais tempo avaliando histórias. E se você quer investir bem o seu dinheiro, também deveria fazê-lo

termômetro

Tesla, Robinhood e GM: as apostas do bilionário Jorge Paulo Lemann

Empresário brasileiro respondeu quais seriam os investimentos de curto e longo prazo, em uma espécie de termômetro sobre a confiança em torno do negócio

escolha da CEO

Criptomeme bilionário, $moda$ de Hering e Arezzo, aposta contra o BC… veja o que bombou na semana no Seu Dinheiro

Você apostaria contra o Banco Central do Brasil?  Não falo de apostas mequetrefes com a turma do escritório, do tipo “quem perder paga uma rodada”.  Estou falando de colocar o seu patrimônio em investimentos que podem dar retornos altos se o BC estiver errado. Pois é justamente o que defende Rogério Xavier, da SPX Capital, um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies