Menu
2021-02-23T14:41:06-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
o cerne da polêmica

‘Política de preços da Petrobras está blindada’, afirma representante dos minoritários

Conselheiro diz também que debandada de conselheiros e da diretoria não atende ao melhor interesse da companhia

23 de fevereiro de 2021
14:41
Edifício Sede da Petrobras
Edifício Sede da Petrobras - Imagem: Shutterstock

Um dos três conselheiros de administração eleitos por minoritários da Petrobras (PETR4), o advogado e ex-desembargador federal Leonardo Antonelli considera que, mesmo com uma troca de comando, a estatal está blindada no que se refere à sua política de preços.

“A política de preços da Petrobras está prevista no estatuto social, que garante a compensação da companhia sempre que chamada pela União para contribuir com o interesse público. Para que haja mudança, deveria haver uma nova assembleia. A companhia está blindada”, disse ele em entrevista ao Estadão/Broadcast.

Antonelli afirmou que uma "debandada" de conselheiros e da diretoria executiva, que chegou a ser cogitada como resposta à decisão do presidente Jair Bolsonaro de interferir no comando da Petrobras, não é a melhor estratégia para lidar com a interferência do presidente Jair Bolsonaro no comando da companhia.

"O momento é de união e restabelecimento da confiança dos investidores na empresa", disse.

Questionado também sobre a possibilidade de a Petrobras ser acionada na Justiça por conta do episódio, que provocou uma perda de R$ 100 bilhões em valor de mercado nos últimos dois dias, o conselheiro reconheceu o direito de judicializar a questão, mas afirmou que “isso não atende ao melhor interesse dos investidores, nem da companhia”.

Reunião decisiva

Os conselheiros da Petrobras estão reunidos desde a manhã desta terça-feira (23). O encontro já estava marcado, antes de todo o reboliço provocado pela decisão do presidente. Estava na pauta a recondução do presidente da companhia, Roberto Castello Branco, e de toda a diretoria executiva – cujos mandatos se encerram no final de março.

Alguns dos membros do conselho analisaram a possibilidade de votar pela recondução de Castello Branco à presidência da companhia, apenas como uma forma de passar uma mensagem de que há governança na estatal, já que a saída do executivo do cargo é vista como inevitável.

Pelo estatuto social da Petrobras, é o conselho que pode destituir e eleger o presidente da companhia. Mas uma particularidade abre a possibilidade de o controlador conseguir demitir o presidente.

Pelo texto, o presidente da companhia precisa ser um membro do conselho de administração. Assim, a União, que é acionista majoritária, pode chamar uma assembleia para destituir Castello Branco do conselho. Nesse caso, na prática, ele precisaria deixar o cargo executivo.

Ou seja, mesmo se for reconduzido, Castello Branco só poderia ficar no cargo até a assembleia de acionistas.

A Petrobras tem 11 conselheiros, sendo que sete foram indicados pela União.

* Com informações da Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

O melhor do seu dinheiro

A semana que vem, enfim, chegou

Depois de uma série de adiamentos, a PEC Emergencial enfim foi aprovada em dois turnos pelo Senado. A medida permitirá o retorno do auxílio emergencial, que ficará limitado ao teto de R$ 44 bilhões, que quase foi derrubado, mas acabou ficando. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. O avanço foi comemorado pelo […]

FECHAMENTO

Aprovação da PEC emergencial garante recuperação do Ibovespa enquanto NY amarga perdas

A fala de Powell fez o Ibovespa reduzir os ganhos, mas ainda assim o principal índice da bolsa avançou 1,35%; dólar teve queda de 0,11%, a R$ 5,6582

Petróleo

Evitar volatilidade nos preços serve a consumidores e produtores, afirma ministro árabe na Opep+

Quanto aos elementos que vêm sendo observados na demanda para as decisões do grupo, o saudita apontou o retorno da mobilidade como uma prioridade.

Retirada histórica

Saques líquidos da poupança somam R$ 5,832 bi em fevereiro, revela BC

Este é o maior volume de retiradas para meses de fevereiro desde 2016, quando as saídas somaram R$ 6,638 bilhões.

Justificativa?

Carga tributária é ‘enorme e escorchante’ e Guedes busca solução, diz Bolsonaro

Bolsonaro disse também que “herdou um país com uma dívida enorme”.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies