Menu
2021-04-29T19:50:00-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
varejo em transformação

Por que as ações de Lojas Americanas caem e as da B2W sobem após acordo de fusão?

Mercado vê “desconto de holding” em LAME, prevê expansão das Americanas, mas diz que fusão foi feita “provavelmente” para beneficiar majoritários

29 de abril de 2021
17:04 - atualizado às 19:50
Astronauta B2W Americanas
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

As ações de Lojas Americanas e B2W tiveram desempenhos opostos nesta quinta-feira (29), após o anúncio de fusão das duas companhias. Enquanto as ações da B2W (BTOW3) fecharam em alta de 6,82%, a R$ 67,78, os papéis preferenciais (LAME4) das Lojas Americanas recuaram 5,17%, a R$ 21,46, enquanto os ordinários (LAME3) tiveram baixa de 2,74%, a R$ 20,27.

A fusão das empresas era aguardada pelo mercado ao menos desde fevereiro, quando vieram a público os estudos para a operação. Mas os investidores não contavam que parte das Lojas Americanas seria transformada em uma espécie de holding.

Uma holding é uma organização que detém a posse majoritária de ações de outras empresas. É um tipo de companhia sem ativos físicos e que tradicionalmente é negociada com desconto maior no mercado, segundo analistas do J.P. Morgan em relatório.

Henrique Esteter, analista da corretora Guide Investimentos, fala em um desconto de 20% para esse tipo de estrutura ou similares no mercado de ações. "Os investidores começam a aplicar um desconto", diz, referindo-se ao desempenho dos papéis das Lojas Americanas nesta quinta-feira.

A proposta

As Lojas Americanas terão o seu acervo físico cindido e incorporado à estrutura da B2W, que por sua vez mudará de nome para apenas "americanas" — reunindo também a área digital (incluindo 57% da fintech Ame).

De "BTOW3", a B2W passará a ser negociada como "AMER3" no Novo Mercado da B3. Pelo acordo proposto, os acionistas das Lojas Americanas receberão 0,18 ações da B2W para cada ação das Lojas Americanas que detiverem.

A parte operacional das Lojas Americanas, empresa que naturalmente terá seu capital social reduzido, será listada nos Estados Unidos a partir do início do ano que vem.

A nova empresa deve ter BDRs negociados no Brasil, caso investidores locais queiram aplicar seu dinheiro na companhia, disse o diretor de relações com investidores da B2W, Raoni Lapagesse, durante uma teleconferência com o mercado.

Por que os EUA

Ao realizar uma oferta no exterior, uma empresa busca mais exposição ao mercado, tanto em imagem quanto em possibilidade de captação de recursos de grandes investidores. As Americanas ainda não definiram em qual bolsa americana será feita a listagem, se na Nasdaq ou na Nyse.

Analistas do J.P. Morgan reconhecem as vantagens do movimento, mas acrescentam que a proposta provavelmente foi feita para garantir aos controladores da empresa maior poder nas decisões.

Nos EUA, existe a possibilidade de uma empresa emitir ações que dão direito a uma espécie de "supervoto", com um maior poder aos controladores mesmo que eles tenham uma participação pequena.

As Lojas Americanas, que já são donas de 62% da B2W, são hoje controladas por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira. No caso de uma mera fusão entre as empresas, o trio teria seu poder diluído.

Com a listagem americana, Lemann, Sicupira e Telles também terão 14,43% das ações da B2W e uma participação indireta via Lojas Americanas, somando 53,4% do capital votante.

O que pode acontecer — e o que fazer

O J.P. Morgan diz ser improvável que o grupo mantenha duas entidades listadas em bolsa e prevê a incorporação da operação brasileira pela empresa com ações nos EUA.

O banco está com recomendação neutra para os papéis da B2W e de compra para Lojas Americanas.

O Goldman Sachs, por outro lado, fala para o seu cliente comprar as ações das duas companhias. Lojas Americanas tem preço-alvo de R$ 31 e B2W de R$ 97. Para os analistas do banco, as empresas ganharão escala com a fusão.

Em relatório, o grupo fala em uma maior integração logística, menos gastos com inventário, possibilidade de ganhar mais com vendas cruzadas nas plataformas e lembra que a B2W pode tirar proveito de créditos fiscais e tributários.

Magalu e Via que se cuidem?

A união entre as duas empresas tem sido comparada, por parte do mercado, à formação de uma nova Magalu ou Via (ex-Via Varejo), que já operam com os negócios on-line e de lojas físicas integrados em uma única empresa.

As varejistas têm avançado, impulsionadas pela pandemia, na criação de ecossistemas que contemplem dezenas de categorias de produtos, passando também pela área financeira. Entre os desafios, estão rapidez na entrega, recorrência e ganho de escala.

As Americanas esperam que a fusão leve a uma gestão de estoques mais eficiente, melhor utilização das suas ferramentas de análise de dados, impulso na inovação e mais força para operações de fusões e aquisições.

Em teleconferência com analistas nesta quinta, o CEO do Universo Americanas, Miguel Gutierrez, disse que o movimento deve tornar a companhia mais ágil e relevante. "A junção é mais favorável para capturar oportunidades futuras".

As Lojas Americanas compraram, no último dia 20, a Uni.co, dona da Imaginarium, depois de ter fechado uma parceria com a BR Distribuidora para abrir lojas de conveniência dentro e fora dos postos de combustíveis. No momento, a empresa não revela novos alvos.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies