Menu
2021-06-08T18:07:07-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Longa viagem

Ações da CVC chegam a subir mais de 9% com potencial oferta de ações, mas perdem força

CVC ON dispara nesta terça-feira, reagindo à perspectiva de uma nova oferta de ações pela empresa num momento decisivo para o setor de viagens

8 de junho de 2021
12:00 - atualizado às 18:07
CVC
Imagem: Divulgação

Se há uma empresa da bolsa que precisou enfrentar uma tempestade perfeita, ela é a CVC: a famosa companhia do setor de turismo tem lidado com um problema atrás do outro há anos — a pandemia foi só mais um deles.

Tudo começou lá atrás, em 2019, com os problemas financeiros da Avianca, uma importante parceira do grupo. Em paralelo, o dólar começou a se valorizar em relação ao real, diminuindo a demanda por viagens internacionais. Para completar, a CVC descobriu erros contábeis nos balanços passados.

Como resultado disso tudo, a companhia atrasou diversas vezes os resultados consolidados do ano — e, como desgraça pouca é bobagem, a Covid-19 veio logo em seguida e praticamente paralisou o setor de turismo no mundo.

Essa combinação catastrófica poderia ter arrasado a empresa. Mas cá estamos nós, em junho de 2021, e a CVC segue firme: trouxe Leonel Andrade, ex-presidente da Smiles, para ocupar o cargo de CEO ainda no começo de 2020, renegociou dívidas e vê suas ações recuperarem parte do terreno perdido nos últimos anos.

E essa valorização na bolsa ganhou um novo capítulo hoje: os papéis ON da CVC (CVCB3) chegaram a disparar 9,14% nesta terça-feira (8), indo a R$ 29,97 na máxima do dia. Ao longo da sessão, no entanto, os papéis perderam força e fecharam em alta de 1,89%, a R$ 27,98.

Ainda assim, as ações foram destaque num dia negativo para a bolsa: o Ibovespa fechou em baixa de 0,76%, aos 129.787,11 pontos.

A reação positiva vista durante a manhã tem justificativa: a CVC estuda uma potencial oferta de ações, captando mais recursos para atravessar a crise. Nada oficial por enquanto, mas a empresa já tem até contratou o Citi e o BTG para conduzir os estudos.

Um sinal animador vindo de uma companhia que parecia fadada ao fundo do poço — mas que, vejam só, começa a fazer as malas e pensar na próxima viagem.

Atravessando a turbulência

Caso concretizada, a potencial oferta será a terceira iniciativa para reforço do caixa da CVC desde 2020. Em setembro daquele ano, a empresa aprovou um aumento de capital de R$ 300 milhões por meio de uma emissão de novas ações; em fevereiro de 2021, um novo aumento de R$ 360 milhões, via bônus de subscrição da emissão original.

Além disso, no fim do ano passado, a CVC conseguiu renegociar R$ 1,5 bilhão em dívidas, referentes à tranches passadas de debêntures. Por fim, concluiu uma nova emissão de dívida, levantando mais R$ 436 milhões com vencimento em 2023.

A nova operação ainda não tem estrutura definida ou volume, mas a simples intenção de realizá-la já eleva a confiança dos investidores: é um sinal de que a companhia consegue acessar o mercado de capitais num momento particularmente importante.

Afinal, o cenário adiante para a CVC e para todo o setor de viagem e turismo parece binário: ou teremos uma recuperação da demanda, puxada pelo aumento na vacinação e pela retomada da economia, ou teremos novas ondas da Covid-19, com potenciais paralisações do segmento.

Na primeira hipótese, a CVC precisará de recursos para capturar o bom momento e aproveitar a demanda reprimida; na segunda, será necessário ter poder de fogo para lidar com mais um período de incerteza.

O balanço da CVC no primeiro trimestre mostra que, apesar da evolução desde o começo de 2020, o cenário ainda é bastante nebuloso em termos operacionais. Embora a receita líquida da empresa tenha ficado praticamente estável em relação ao quarto trimestre de 2020, em R$ 165,9 milhões, o Ebitda ficou negativo e o prejuízo foi de R$ 84 milhões.

É um reflexo da segunda onda da Covid, que fechou parte da economia brasileira nos primeiros três meses desse ano — e que deve continuar sendo refletida no segundo trimestre, impactando os resultados.

Em termos de endividamento, no entanto, a CVC tem uma posição relativamente confortável: a dívida líquida era de R$ 600 milhões ao fim de março, enquanto o caixa era de R$ 711 milhões. Uma oferta de ações, assim, traria ainda mais tranquilidade nesse front.

E, na bolsa, a CVC está tendo um ano bastante positivo. Com a alta de hoje, as ações acumulam ganhos de 40% desde o começo do ano. No entanto, ainda estão distantes da máxima histórica, de R$ 64,19, anotada em fevereiro de 2019.

CVC ações
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies